Jump to content
Sign in to follow this  
Seu Furtado

Textos, letras e poesias dos usuários

Recommended Posts

JoelJunior15

As poesias do Gerald tem umas rimas difrentes e bacanas ao mesmo tempo! Acho que já falei isso na shout... Dariam belas músicas... :joinha:

Edited by JoelJunior15

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chambón

Algumas já foram criadas para funcionar como músicas mesmo...

Edited by Gerald Bostock

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

Algumas já foram criadas para funcionar como músicas mesmo...

Isso quer dizer que você já pensou na métrica? Ou foi algo aleatório?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chambón

Isso quer dizer que você já pensou na métrica? Ou foi algo aleatório?

Exato.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruce Dubber

Tenho uma letra em mente, penso que ela daria certo em Ré maior, um Blues com alguns solos feitos com Saxophone por trás.

(Eco de várias conversas simultâneas)

Tentei ser comum, o que se pensa que é normal..

Mas isso não faz meu tipo, não se afaste, não sou do mau!

Só sigo o meu estilo, que é como me apresento!

O que acontece é que a sociedade hoje é meio chata..

E sugiro que só cobre de quem realmente deva!

Agora me diga, ancião, porque veio me interromper?

Só quero tomar um drink, ouvindo o som daquela corda bater..

Ouço isso todo dia, não me incomodo, já me acostumei.

Mas explicação não darei, jaz em demasia tentei.

Jaz em demasia tentei.. (De outrora me lembrei..)

J-jaz em demasia... tentei.. (Realmente me cansei..)

"Sinto não poder lhe oferecer ajuda!" - Indaguei

Mas o caso, é que eu, nos pensamentos daquele velho sempre estarei..

E nunca desaparecerei...

Porque sou apenas, um novo normal.. (Um novo normal..)

Um novo normal..

A música tem um final..

E o homem que conversara comigo..

Obteve uma explicação original..

Mas explicar não mas o farei, pois jaz em demasia tentei...

Jaz em demasia tentei.. (De outrora me lembrei..)

J-jaz em demasia... tentei.. (Realmente me cansei..)

Espero que tenham gostado, fiz essa música baseada nos lamentos do meu amigo @Gerald Bostock, não somos diferentes, somos apenas um "novo normal", que penso que possa ser o título da música.

"Corda bater" é referente a guitarra, só esclarecendo.

Edited by Gogetareborn
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chambón

Poesia que acaba de sair do forno, sobre os problemas que vem me atingindo:

MEDO

Simplesmente quero correr
Buscar a salvação no ar
Nenhuma gota me impede de sofrer
O tempo me faz se magoar

As horas passam
Os temores chegam
A situação vai embora
O problema chega de fora

A ansiedade me domina
O medo me recrimina
Não quero te perder
Tudo isso se pode entender

Não estimo algum presente
Só desejo o espanto ausente
Em coro chamam esperança
Lugar onde meu coração não alcança

Um final já pulou minha mente
Ignorando toda geração contente
Pelo muro do velho doente
Apenas balbuciam ''infelizmente''

Pingos de chuva tocam o telhado
Provocando gemidos no desalmado
Miséria é a minha única sensação
Podendo extinguir uma adaptação

Depois de seguidamente gritar
Há um segundo para cantar
Posteriomente vindo a recordar
Chegando o momento de chorar

Suspiro pelo que pode vir pela porta
Boletins de uma alma morta
Minha frágil respiração é ofegante
Repugnado um Deus degradante

Nada me motiva a continuar
Seguinte me tem a imaginar
Que o mal pode entrar
E por nossas mãos ficar

Os representantes saem para checar
Tendo o trabalho sagrado para examinar
Todo o processo milagroso enxergar
Mesmo sem muito confiar

Me vestem para estar preparado
Mesmo não indo além de um chocado
A dor se vê mais incessante
Culminando pelo vazio angustiante

Adimiro seu espiríto guerreiro
Rindo pelo imenso e fatal agulheiro
Queria não ver uma lágrima ao chão
Haverei de trair os que se vão

Se distanciam de meus dedos frios
Por não se contagiar com os calafrios
Vejo tudo rapidamente girar
Declaro que quero urgentemente parar

Prevejo o pior pelas cortinas
Não se atrevendo a atravessar as esquinas
Sigo ininterrupto remoendo
Aquilo que o destino me vem promovendo

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruce Dubber

Partindo do princípio, o poema é bem escrito, algumas palavras não se encontram com as frases, mas fizeram as rimas serem bem harmoniosas.

O trecho buscar a salvação no ar é uma das rimas um pouco forçadas, sendo que vista a primeira vez não tem muito sentido.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chambón

Partindo do princípio, o poema é bem escrito, algumas palavras não se encontram com as frases, mas fizeram as rimas serem bem harmoniosas.

O trecho buscar a salvação no ar é uma das rimas um pouco forçadas, sendo que vista a primeira vez não tem muito sentido.

Nem tem mesmo. Só quis escrever isso, mesmo sendo nonsense. :P

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

Não sei porque mas tua poesia me lembrou muito a 1ª fase do Romantismo no Brasil...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Usagi White

Gostei muito do seu poema. Parece até que vejo a sua figura triste. Infelizmente.

Mas ainda preferiria ler uma coisa romântica ou um drama romântico. :assobiando::cleopatra:

Share this post


Link to post
Share on other sites
Soldado Chespir

Poesia que escrevi na escola;

Menino de rua;

Um menino tinha fome,

Não tinha o que comer,

Ele também não tinha nome,

Não tinha com quem viver.

Ele não ia para escola,

Não aprendia nada não,

Vivia pedindo esmola,

É de partir o coração.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chyspiritto

Poesia minha, das antigas:

Queria ter a voz das estrelas Que mesmo sem dizer uma palavra, não se precisam Pois já o fazem por seu brilho

Queria ter a liberdade de um pássaro Para voar sobre os vales verdejantes E num ímpeto de coragem, quem sabe, tocar o sol

Queria a delicadeza de uma flor do campo Abandonada aos olhos dos homens, escondida pela relva E amparada pela vida

Talvez, num lapso, desejasse ser o vento Para gozar ser livre, brincando com as plumas Bailando as folhas secas das árvores...

Até recordar-me que seria melhor ser um brinquedo do vento Que curioso, remexe meus cabelos, Toca meu rosto, beija minha pele

Queria a imensidão do espaço Um nunca-se-acabar de cores, luzes e sons... Vida. Na palma da minha mão.

(Gabriel Canoas)

Críticas sinceras. Acham que levo jeito pra essas coisas?

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

Poesia que escrevi na escola;

Menino de rua;

Um menino tinha fome,

Não tinha o que comer,

Ele também não tinha nome,

Não tinha com quem viver.

Ele não ia para escola,

Não aprendia nada não,

Vivia pedindo esmola,

É de partir o coração.

Simples, mas objetivo! Como você disse que tem 10 anos, só posso parabenizá-lo e dizer que tem futuro! Não são muitas as crianças de sua idade que pensam em fazer poesia. ;)

Edited by JoelJunior15
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Soldado Chespir

Simples, mas objetivo! Como você disse que tem 10 anos, só posso parabenizá-lo e dizer que tem futuro! Não são muitas as crianças de sua idade que pensam em fazer poesia. ;)

Muito Obrigado!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Marcelo Cazangi

Poesia que escrevi na escola;

Menino de rua;

Um menino tinha fome,

Não tinha o que comer,

Ele também não tinha nome,

Não tinha com quem viver.

Ele não ia para escola,

Não aprendia nada não,

Vivia pedindo esmola,

É de partir o coração.

Parabéns mesmo, assim que se começa e como o Joel falou você tem muito futuro mesmo como poeta cara...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...