Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
JoãoNeto RGB

Bebidas Alcoólicas

Recommended Posts

JoelJunior15

NOTÍCIAS
521Jo3H.jpg?1

Controle de bebida alcoólica para menores será intensificado em Alagoas: http://bit.ly/1J54HyR

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235

Pior que bati o olho rápido e li "Consumo de bebida alcoólica para menores será intensificado" /vamp

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235

Fui em dois casamentos esse mês. No primeiro, tomei uma taça de champagne e quatro batidas. No segundo, uma taça de cerveja e mais quatro batidas.

Não sou de beber mas essa quantidade não me alterou em nada, sem contar que essas batidas são boas demais :P

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
JoelJunior15

Não sou de beber mas essa quantidade não me alterou em nada, sem contar que essas batidas são boas demais :P

Foi a batida rancheira? /vamp

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
SâmaraCH
NOTÍCIAS
Editado por SâmaraCH

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235
NOTÍCIAS
Comissão aprova projeto que proíbe pratrocínio público a evento que estimule consumo de bebida
11/12/2015 - 10h42
Reportagem – Emanuelle Brasil
Edição – Luciana Cesar

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei (PL 1320/15), do deputado Daniel Vilela (PMDB-GO), que proíbe órgãos e entidades públicas de patrocinar eventos e produções que estimulem o consumo de derivados de tabaco e de bebidas alcoólicas.
O relator, deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), foi favorável à medida. Segundo ele, é preciso corrigir a legislação em vigor que permite ao poder público financiar, ainda que de maneira indireta, atividades nocivas à saúde.

Tramitação
A proposta será analisada de forma conclusiva pelas comissões de Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
AGÊNCIA CÂMARA NOTÍCIAS

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Clark Kent

Fiz um top 10 com as melhores cervejas, na minha opinião:

1 - Desperados (até hoje não provei nada que supere)

2 - Corona

3 - Budweiser

4 - Stella (é quase a mesma coisa que a Bud)

5 - Heineken

6 - Polar (cerveja gaúcha, é boa demais)

7 - Miller

8 - Brahma Malzbier (cerveja preta)

9 - Brahma

10 - Kaiser (não é muito boa não, mas coloquei na lista em consideração que é a cerveja mais consumida por aqui kkk)

Editado por Rodrigo370
Correção

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Clark Kent

A Kaiser melhorou muito nos últimos tempos, tanto que ficou mais cara também kkkk

Deixando registrado aqui: no último domingo, eu e meu avô, sozinhos, tomamos 25 latões de Kaiser. Foi louco :muttley:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235

bebedouros-de-tequila-da-jose-cuervo-agi
Marca instala bebedouros de tequila e gera longas filas em Los Angeles
Para tomar uns tragos, só era necessário ter mais de 21 anos e muita paciência.
https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/07/26/marca-instala-bebedouros-de-tequila-e-gera-longas-filas-em-los-angeles.htm

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Clark Kent

Eu preferia cerveja

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Helenaldo
6 horas atrás, Clark Kent disse:

Eu preferia cerveja

Dois. Se fosse um bebedouro de cerveja nunca mais eu largava isso.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Clark Kent

Tequila deixa as peçoa doida demais kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk melhor ficar só na ceva

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Chapolin

Pra quem curte Vodka:

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
E.R

https://www.valor.com.br/empresas/5724723/sob-pressao-heineken-ameaca-fechar-fabricas

Quando comprou no ano passado a Brasil Kirin, dona da Schin, a Heineken, que fabrica uma das cervejas mais vendidas no país, dobrou de tamanho.

E pagou um preço atrativo — 65% menos do que os japoneses da Kirin haviam pago seis anos antes.

Mas, junto com as 12 fábricas, que elevaram a capacidade de produção de 20 milhões de hectolitros para 50 milhões, os holandeses herdaram processos judiciais complexos, que se arrastam há anos, e levam o comando da Heineken a avaliar a possibilidade de  fechar fábricas no Nordeste. “Estamos estudando fechar as duas fábricas de Pernambuco. Já comunicamos isso ao governo. A operação no Estado, no último ano, acumula prejuízo de R$ 90 milhões”, diz a vice-presidente de assuntos corporativos da Heineken, Nelcina Tropardi.

O governo do Estado não comentou o assunto.

Fechar fábricas é medida extrema que a companhia prefere não tomar, mas poria fim a uma perda de R$ 10 milhões por mês. Atualmente, as outras fábricas da Heineken — são 15 no país — não teriam condições de suprir a produção dessas duas unidades.

Em Pernambuco, a Heineken diz que está amarrada a uma decisão judicial que tabelou seus preços a níveis “absurdamente baixos”, que sequer cobrem os gastos com tributos.

Na Bahia, a empresa herdou uma dor de cabeça. Trata-se de um processo judicial que dura mais de 20 anos em área contígua à da maior fábrica da Heineken no Nordeste.

A origem da disputa em Pernambuco data de 2015, logo após a distribuidora Mediterrânea, da empresária Luciana Hazin, entrar com pedido de recuperação judicial para renegociar dívidas da ordem de R$ 100 milhões — o maior credor é a Heineken, com crédito em torno de R$ 50 milhões.

Na época, a Mediterrânea conseguiu na Justiça a prorrogação compulsória do contrato de fornecimento que tinha com a Brasil Kirin, comprada pela Heineken em fevereiro de 2017. Atualmente, a única atividade da Mediterrânea é distribuir produtos da Heineken. Faz a entrega ao varejo, com exclusividade, na parte norte da região metropolitana do Recife, que inclui Olinda, e na Paraíba. “A ideia da Heineken é assumir a distribuição do produto onde a Mediterrânea tem exclusividade, sem ser obrigada a pagar nenhuma indenização por rescisão contratual”, diz o advogado Rodrigo Cahu Beltrão, do escritório Cahu Beltrão Advogados, que defende a empresária no processo.

No processo, Luciana reclama que a cervejaria estava praticando preços extremamente baixos em áreas próximas às de atuação da Mediterrânea, criando uma concorrência desleal. A Heineken tem distribuição própria em Recife e Jaboatão dos Guararapes. Mas diz que não tem interesse em assumir a distribuição nas áreas da Mediterrânea e informa que que trabalha com 6 distribuidores em Pernambuco e dois na Paraíba Em decisão de primeira instância, a Heineken foi obrigada a fornecer cerveja à Mediterrânea garantindo margens de lucro à distribuidora de 27,5% para produtos retornáveis e de 17,5% aos descartáveis.

A Heineken recorreu ao Tribunal de Justiça de Pernambuco, mas o desembargador Stênio Coêlho, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco, rejeitou o pedido e estabeleceu uma tabela de preços. A decisão determinava, por exemplo, que uma lata de cerveja de 473 ml deveria ser vendida à Mediterrânea por R$ 0,33.

Segundo a Heineken, com a nova tabela, as margens da Mediterrânea cresceram ainda mais, chegando a 568% para a cerveja Schin de 473 ml, 198% para a Schin de 1 litro e 183% para o refrigerante de 2 litros. A Heineken argumenta que “há uma obrigação absurda de vender cervejas a um revendedor confessadamente insolvente, por valores estapafúrdios”.

A Heineken foi ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, reclamando da tabela dos preços e da obrigação, também determinada pelo tribunal de Pernambuco, de vender toda e qualquer quantidade pedida pela Mediterrânea.

O ministro Marco Aurélio Bellizze, do STJ, em Brasília, aceitou a argumentação da Heineken e suspendeu, em junho do ano passado, a decisão do desembargador pernambucano. A vitória, no entanto, durou duas semanas, pois a presidente do STJ, a ministra Laurita Vaz, determinou, durante o recesso do Judiciário em julho, que o processo deveria voltar a Pernambuco pois não haviam sido esgotadas todas as instâncias na corte estadual.

Cumprida a tramitação no TJPE, a Heineken voltou ao STJ em junho deste ano, pedindo que a tabela de preços fosse suspensa. Bellizze não julgou o mérito do pedido, mas observou que estava sendo construído um entendimento no STJ que a corte não deveria aceitar recursos contra decisões liminares. 

A cervejaria também recorreu a tribunais de São Paulo e de Itú, pedindo rescisão contratual com a Mediterrânea, mas os pedidos foram negados.

A Mediterrânea, que teve o pedido de recuperação judicial aceito em novembro de 2015, apresentou o plano de recuperação judicial em abril deste ano aos credores. Deu-se mais um embate.

O voto da Heineken, contrário ao plano, não foi considerado. A Justiça entendeu que a Heineken estava tendo “conduta abusiva” no intuito de asfixiar financeiramente a distribuidora. A decisão foi da juíza da 1ª Vara, de Olinda, Eunice Maria Batista Prado. Sem o voto da Heineken, o plano foi aprovado e homologado em junho.
 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×