Jump to content
Sign in to follow this  
Chandler

Aborto

Recommended Posts

Chandler

Você é a favor ou contra o aborto?

Eu, sinceramente, não tenho opinião formada sobre isso, a não ser em casos de estupro, daí eu sou a favor.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Gabriel Maciel

Eu sou contra, acho que é a mesma coisa que matar alguém, pois você está tirando uma vida. Em questão de estupro, não sei, só em casos extremíssimos, em pedofilia por exemplo, só quando a adolescente não tiver a mínima condição para cuidar do bebê, mas eu acho que ao invés de matá-lo, mandar para a adoção é uma decisão bem melhor ao invés de abortar.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Seu Furtado

Sou a favor. Imaginem se vocês fossem uma adolescente, grávida, e sem condições de criar uma criança...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Gabriel Maciel

Sou a favor. Imaginem se vocês fossem uma adolescente, grávida, e sem condições de criar uma criança...

Pra quê existe a adoção então ? :P Esse é mais um motivo para evitar um aborto...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Will CH

Sou a favor. Imaginem se vocês fossem uma adolescente, grávida, e sem condições de criar uma criança...

Mas a criança não tem nada a ver com isso. Sou contra.

Share this post


Link to post
Share on other sites
José Antonio

Sabe, não sei ao certo. Não consigo ser a favor e nem contra.

O bom mesmo seria se as pessoas se prevenissem em seus relacionamentos para não ter perigo de uma gravidez inesperada e que zerassem os casos de estrupo. Já leram a história que Chespirito escreveu no livro "Memorias"?

Vejam:

Foi meu tio Gilberto que me contou a história: disse-me que uma paciente lhe telefonou, e ele já a havia atendido em ocasiões anteriores. Ela lhe disse que estava com um resfriado muito forte, e que não queria perder um baile para a qual estava convidada, naquela noite. Mas deixou bem claro que o motivo de sua chamada não era solicitar uma permissão médica, e sim pedir uma receita que ajudaria a cortar esse forte resfriado que tinha. Foi inútil a explicação que meu tio deu: que a melhor maneira de se curar um resfriado era cama e muito repouso, e que, para piorar, a previsão do tempo era de fortes chuvas para a noite. Não obstante, ela já tinha decidido ir e não houve argumento que a fizesse mudar de idéia. Por isso, meu tio Gilberto acabou lhe receitando um medicamento, e recomendou que não se expusesse à friagem, que não tomasse chuva estando suada, e etc.

Ela prometeu acatar as recomendações, mas algumas horas depois voltou a ligar para dizer que se sentia na beira da tumba. Isso foi suficiente para que o médico responsável, meu tio, saísse como um raio até a casa dela, pois a causa de tamanho mal-estar – segundo a mulher - podia ser o medicamento receitado por ele. O doutor disse que não, a não ser que ela estivesse grávida. E era exatamente esse o problema.

- É que o medicamento contém quinina – exclamou meu tio – que é um abortivo sumariamente perigoso!

- Mas como é que eu ia saber? – perguntou a mulher, esforçando-se para suportar a dor que a atormentava.

Então meu tio teve que aceitar sua responsabilidade, reconhecendo que era dele a tarefa de perguntar, antes de receitar o medicamento. Mas acrescentou que, de todos os modos, o caso não admitia outro remédio a não ser “a expulsão do produto”.

As palavras do médico pareciam ter produzido o efeito de um golpe no cérebro da mulher, que apenas pôde balbuciar:

- É que... é que eu já perdi um filho o ano passado.

- Eu sei; – respondeu o doutor – e isso faz com que o perigo seja maior agora.

- Perigo para mim?

- Certamente.

A mulher ficou em silêncio durante alguns segundos, refletindo acerca do que o médico disse, e depois disse, taxativamente:

- Não. Não farei isso.

- Não fará o quê?

- Permitir que algo aconteça com meu bebê.

A resposta era categórica, além de ter sido pronunciada num tom de firmeza e convicção que não admitiria réplica. Então, o médico iniciou uma série de tentativas de convencer a enferma de que era preciso desfazer-se do produto, e para isso recorreu a todos os argumentos possíveis; mas não houve humano capaz de persuadi-la, de modo que, consciente dos riscos que ela corria, bem como o bebê, incluindo as seqüelas e as privações concernentes, a mulher decidiu enfrenta-los e continuar com a gestação do ser do qual não quis arrancar a oportunidade de viver.

E assim eu nasci em 21 de fevereiro de 1929.

Roberto Gómez Bolaños - Chespirito

Share this post


Link to post
Share on other sites
Alan1509

Eu acho que quando um casal faz sexo e a mulher acaba engravidando acidentalmente, o aborto não deveria ser permitido. Mas, quando alguma mulher é estuprada, aí o aborto deveria ser permitido sim

Share this post


Link to post
Share on other sites
Professor Baratinha

Também não consigo ser totalmente contra ou a favor, cada caso é cada caso.

Share this post


Link to post
Share on other sites
LuisEnrique

Dependendo do caso sou a favor.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lucas Fernando

Também não consigo ser totalmente contra ou a favor, cada caso é cada caso.

[2]

Em todo o caso, acho que isto deveria ser uma opção do casal (em especial, da mãe) e não de parlamentares. Acho que estes devem se preocupar com questões mais importantes, como por exemplo, programas para dimunuir a taxa de natalidade (e não "n" bolsas-auxílio que incentivam a procriação).

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chandler

Sabe, não sei ao certo. Não consigo ser a favor e nem contra.

Também não consigo ser totalmente contra ou a favor, cada caso é cada caso.

[2] (Ou [3], contando com o L F)

Em relação ao texto que o Zé postou, achei interessante e emocionante.

Ontem mesmo eu compartilhei um post muito interessante no Facebook, que é semelhante à história do Chespirito:

562592_423575011008784_280034352029518_1327307_1473705763_n.jpg

Se o aborto tivesse entrado em ação na situação que o Zé postou e na que eu postei, Beethoven e Roberto Gómez Bolaños não teriam nascido.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Professor Baratinha

Esse post das perguntas é muito clichê pros dias de hoje...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Monchito

Eu tenho uma posição bem definida: Sou terminantemente contra. Acredito que não há nada que justifique uma morte. E concordo com o Lucas Fernando, o sistema governamental incentiva a população ignara a se reproduzir como ratos. Não se fala seriamente em prevenção.

Esse post das perguntas é muito clichê pros dias de hoje...

Clichê é a falácia de quem é a favor. Nem pobreza nem doença servem de argumento pra justificar um erro.

...

Pelo que Chespirito conta em suas memórias, a Dona Elza era um tipo de mulher que não ser encontra mais hoje em dia.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chandler

Mandar uma criança para adoção é complicado. A maioria das crianças não sao adotadas, algumas fogem do orfanato e acabam virando garotos de rua. Então quando elas chegam aos 16-18 anos, mais ou menos, elas saem do orfanato e grande parte delas acabam virando mendigos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Marcos Albino

Eu sou totalmente contra o Aborto, acho que a vida é a coisa mais bonita que Deus deu a Humanidade e tira-la é um crime contra a natureza, a não der por causa de estrupo ou qualquer coisa do genêro que ainda sim acho que a criança não tem nada a ver com isso. Na questão de gravidez com risco contra vida da mãe eu pergunto: se o médico chegar para mãe e dizer "a senhora pode morrer" qual mãe preferiria abortar ou ter o filho mesmo com riscos de vida?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...