Entre para seguir isso  
Seguidores 0
Lucas Fernando

POLÍTICA

866 posts neste tópico

Dilma vai subir em palanques no Rio, Porto Alegre e Salvador

Agora ex-presidente, Dilma Rousseff deve apoiar candidatos a prefeito de PT e PCdoB, além de reforçar o discurso de 'golpe' contra o impeachment

Por Felipe Frazão 
8 set 2016, 09h00 - Atualizado em 8 set 2016, 09h41

Imagem
Dilma Rousseff deixa o Palácio da Alvorada em Brasília após impeachment - 06/09/2016 (Wilson Dias/Agência Brasil)

Embora tenha deixado o Palácio do Planalto com popularidade baixíssima (só 13% de aprovação no Datafolha), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) vai participar das eleições municipais neste ano. Conforme assessores, Dilma já se dispôs a se engajar nas campanhas de apoiadores em ao menos três capitais: Rio de Janeiro, Porto Alegre e Salvador.

Não é por acaso. Por trás da estratégia petista está um teste de adesão para uma futura candidatura de Dilma a cargos parlamentares em 2018, tendo como base alguma dessas cidades. A brecha é fruto da decisão do Senado de não inabilitar a presidente para exercer seus direitos políticos e ocupar funções públicas. Parlamentares questionaram no Supremo o abrandamento da pena.

Dilma pretende dividir suas atividades fora da Presidência entre Rio e Porto Alegre. Atualmente ela vota em Porto Alegre, onde fez carreira política e para onde levou sua mudança. Na capital gaúcha, deve subir no palanque de Raul Pont, candidato do PT. Mas a ex-presidente decidiu fixar residência em Ipanema, no Rio, onde terá mais visibilidade. O Rio é a capital em que ela possui mais aceitação no Sudeste. Ela apoiará a deputada Jandira Feghali (PCdoB), cujo vice, Edson Santos, é do PT.

Em Salvador, a candidata do PCdoB, deputada Alice Portugal, é uma estridente defensora de Dilma e já chegou a anunciar um compromisso com a presidente nesta sexta-feira. A atividade, no entanto, foi adiada para a próxima semana, com dia ainda a definir. “A ideia é ela vir a Salvador para apoiar a nossa campanha, fazer um comício e uma caminhada tradicional dos progressistas e sindicalistas no Campo Grande, centro de Salvador. Além de ela emprestar o apoio a nossa campanha, faríamos um ato de solidariedade em relação ao ocorrido [impeachment]”, disse a VEJA Vicente Neto, um dos coordenadores da campanha do PCdoB. A vice na chapa de Alice é Maria del Carmen (PT).

Terceiro maior colégio eleitoral do país, a cidade hoje é administrada pelo prefeito ACM Neto, estrela no DEM, mas sempre votou majoritariamente em Dilma e no PT nas campanhas presidenciais – e o Estado é governado pelos petistas há dez anos. Na última pesquisa do Ibope sobre o governo Temer, Salvador foi a capital do país que pior avaliou o peemedebista: 53% consideram o governo Temer ruim ou péssimo.

Escudeiro de Dilma, o ex-ministro Miguel Rossetto (Trabalho e Previdência) afirmou nesta terça-feira que a petista também vai gravar participações em programas de TV para o horário eleitoral nos próximos dias.

A direção do PT em João Pessoa (PB) quer que Dilma inclua uma passagem na cidade para apoiar o candidato Professor Charliton, mas a viagem ainda não entrou no roteiro da ex-presidente.

VEJA

@JoelJunior15

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estaremos lá com tomates e ovos. :)

1 pessoa curtiu isso

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Esposa de Eduardo Cunha no telefone :

C1lufgmXUAAAIcV.jpg

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
NOTÍCIAS

Disputa coxinha x petralha nas redes é doentia e mata diálogo, diz filósofo

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

14/01/201704h00

No lugar de uma esfera homogênea e lisa, um poliedro multifacetado. Foi essa a metáfora usada pelo papa Francisco, há três anos, para definir a humanidade no discurso em que falava sobre a importância de as pessoas respeitarem a pluralidade de opiniões. Na ocasião, o pontífice argentino se posicionava contra o nivelamento das ideias e de ações que acaba por excluir determinados grupos sob o pretexto de eliminação da diferença.

Para o cientista político Fernando Schuler, doutor em filosofia e professor no instituto Insper, em São Paulo, o poliedro também expressa a diversidade dos pontos de vista na internet, sobretudo nas redes sociais, que torna, de algum modo, qualquer um apto a opinar sobre o que bem entender --e sem os filtros de quem, antes disso, se presumia especialista em um assunto.

Segundo ele, é importante não confundir pluralidade com respeito à diversidade. Nessas mesmas redes está cada vez mais pulverizado um moralismo de costumes que elenca quais palavras, expressões ou piadas convêm ou não serem reproduzidas em um universo politicamente correto. Segundo ele, é preciso aprender uma nova diplomacia para o mundo digital.

Ele discorda da opinião de que o conservadorismo avança no mundo e cita a eleição de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos para explicar sua posição.

"O próprio Trump nunca foi um conservador. Hoje o que se chama de conservador é bastante associado a um moralismo de costumes muito popular nas redes sociais. Há alguns anos, as visões sobre fatos históricos eram filtradas pelos intelectuais, pela academia. Hoje, as visões brotam, fluem diretamente nas redes", diz. "Não é correto confundir tradição política conservadora com o moralismo de costumes, traço popular que talvez tenha se pulverizado nas redes sociais e que trata de um moralismo do politicamente correto, com uma espécie de novilíngua que traz quais palavras se pode ou não dizer, ou que tipo de piada, por exemplo."

Sobre o racha político, agravado pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT), diz que o mundo mudou: "É importante aceitar a ideia de que a sociedade é marcada pelo pluralismo, e o novo mundo quebrou essa cisão de esquerda e direita. Vale o poliedro mencionado pelo papa, e não mais aquela imagem da régua de esquerda e direita, que vai sendo substituída", afirma. "O embate 'coxinhas x petralhas', por exemplo: há algo mais doentio que isso, que só cria mais desaprendizado e falta de diálogo? Se queremos uma sociedade menos radicalizada, temos que começar pelo uso da linguagem --e na internet não é diferente", argumenta.

Vamos ter que aprender uma nova diplomacia no mundo digital, talvez com uma linguagem mais amena, no lugar de tanta ênfase

Fernando Luis Schuler, cientista político

Fernando Luis Schuler, cientista político

Para o estudioso, por outro lado, a própria multiplicação de blogs e de redes sociais, característica marcante do universo digital, é "uma das grandes fontes da instabilidade contemporânea".

"Temos sempre a sensação de instabilidade. Isso tem um lado imensamente positivo, que é a capacidade de as pessoas expressarem suas visões. Mas há a permanente sensação de conflito, de tensão, de tribalização, em que se tende a excluir quem pensa diferente", analisa.

"Isso requer das pessoas um novo aprendizado: vamos ter que aprender uma nova diplomacia no mundo digital, talvez com uma linguagem mais amena, no lugar de tanta ênfase. Estamos virando uma sociedade com uma legião de pessoas especialistas nas próprias opiniões."

Estado permanente de crise

Para Schuler, a percepção do aumento do conservadorismo no mundo abrange um simplismo que só dificulta a compreensão sobre as relações humanas. "Você pode ser uma pessoa muito liberal sob o ponto de vista dos costumes, mas conservador --muito avesso a liberdades--, por exemplo, sob o ponto de vista econômico, ou vice-versa", menciona. 

"Mesmo os indicadores sociais vêm apresentando melhoras expressivas no mundo inteiro, com uma redução dos índices de violência e de pobreza, um aumento de escolaridade e do número de democracias... Vivemos em uma época histórica de notícias muito positivas, mas também estamos constantemente sob o 'efeito breaking news', em que nossa percepção de mundo não acompanha esse momento --é uma percepção multifacetada graças ao efeito da informação. No mercado de informação, a má notícia tem mais peso que a boa --isso é um paradoxo do mundo contemporâneo", justifica Schuler.

Ele diz que há uma "percepção permanente de crise, de instabilidade". "Não é à toa que post-truth [pós-verdade] foi escolhida [pelo dicionário britânico 'Oxford'] como a palavra do ano. Como já dizia [o sociólogo e filósofo francês] Jean Baudrillard, o mundo virtual tomou de assalto o mundo real."

Paralelamente, o cientista político afirma que há riscos em se deixar tomar de assalto pelo que está nas redes, simplesmente, na forma de "opinião não fundamentada". "Porque a informação é rápida, e o custo para checar uma opinião --que vai se tornar obsoleta em poucas horas-- é muito alto. Por isso a regra geral deve ser sempre a de ter muito cuidado, qualquer que seja o aspecto ideológico. Na campanha presidencial americana, por exemplo, não há nenhum dado estatístico sobre de onde veio mais mentiras, porque, ainda que a maior parte da mídia tradicional tenha se posicionado a favor de Hillary Clinton, nas redes sociais aconteceu de tudo."

O estudioso recomenda "uma abordagem cuidadosa e pluralista" em relação à informação nas redes e cita o que ele chama de "caso clássico": a entrevista recente da futura primeira-dama da cidade São Paulo, Bia Doria, à "Folha de S.Paulo". "Ela recebeu uma espécie de 'apedrejamento' virtual ao expressar um padrão cultural distinto, que, embora a mim não agrade, é um direito dela. A gente tem que cuidar para não padronizar as opiniões", sugere, destacando que isso representa "cair na falácia dos extremos".

"A sociedade pode buscar consensos, mas é preciso aceitar as divergências, inclusive sobre os ritmos de aprendizagens. A sociedade detentora de direitos é marca do nosso tempo, mas, simultaneamente, precisamos desenvolver um espírito de tolerância cultural --e isso tem que ser aplicado a muitas faces do poliedro", avalia.

Editado por Carne Seca

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
NOTÍCIAS

Relator da Lava Jato no STF, Teori morre aos 68 anos após queda de avião em Paraty, diz filho

Ministro do Supremo Tribunal Federal viajava de São Paulo para o litoral sul do Rio de Janeiro; magistrado tinha três filhos e estava na Suprema Corte desde 2012

Relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Teori Zavascki morreu na tarde desta quinta-feira (19), aos 68 anos, após a queda de um avião em Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro. A morte de Teori foi confirmada pelo filho do magistrado Francisco Zavascki em uma rede social.

O filho do ministro, também publicou a seguinte mensagem no Facebook: "Amigos, infelizmente, o pais estava no avião que caiu! Por favor, rezem por um milagre".

No meio da tarde desta quinta, chegou ao STF a informação de que o nome do ministro estava na lista de passageiros da aeronave que caiu no litoral fluminente. A lista foi entregue para a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, e também para o presidente da República, Michel Temer.

A Infraero informou que a aeronave prefixo PR-SOM, modelo Hawker Beechcraft King Air C90, decolou às 13h01 do Campo de Marte, na capital paulista. O avião é de pequeno porte e tem capacidade para oito pessoas.

A Anac informou que a documentação da aeronave estava em dia, com o certificado válido até abril de 2022 e inspeção da manutenção (anual) válida até abril de 2017.

O dono e operador da aeronave é o Hotel Emiliano, segundo informações de abril de 2016 disponíveis no Registro Aeronáutico Brasileiro, documento divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que reúne uma relação de todas as aeronaves brasileiras certificadas pela Anac.

Viúvo desde 2013, Teori deixa três filhos. Ele se tornou ministro do STF em 2012 por indicação da então presidente da República, Dilma Rousseff.

Natural de Faxinal dos Guedes (SC), Teori também foi ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), presidiu o Tribunal Regional Federal da 4ª região (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) entre 2001 a 2003 e atuou como juiz do Tribunal Regional Eleitoral na década de 1990.

Ele ingressou na carreira jurídica em 1971, em Porto Alegre, como advogado concursado do Banco Central, onde atuou por sete anos. No anos 80, o magistrado se transferiu para a superintendência jurídica do Banco Meridional do Brasil.

Teori Zavascki está na lista de passageiros de avião que caiu em Paraty (RJ)

A queda do avião

Segundo o aeroporto de Paraty, o avião saiu de São Paulo (SP) e caiu a 2 quilômetros de distância da cabeceira da pista. De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), quatro pessoas estavam a bordo.

Por volta de 14h50, a Polícia Militar disponibilizou uma lancha para auxiliar as buscas. A Capitania dos Portos e o Corpo de Bombeiros também trabalhavam no resgate.

Na tarde desta quinta, a Infraero informou ao G1 que a aeronave prefixo PR-SOM, modelo Hawker Beechcraft King Air C90, decolou às 13h01 do Campo de Marte, em São Paulo (SP), com destino a Paraty. A aeronave é de pequeno porte e tem capacidade para oito pessoas.

O dono e operador da aeronave é o hotel Emiliano, segundo informações de abril de 2016 disponíveis no Registro Aeronáutico Brasileiro, documento divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil que reúne uma relação de todas as aeronaves brasileiras certificadas pela Anac.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O ano mudou mais as tragédias aéreas continuam, independente da posição meus pêsames a família. Essa história tá muito estranha pra mim, vou esperar a perícia.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mais um partido em formação:

inoa_zpsvlgxaooc.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

MK381-06%20-%20Eleiccedilotildees%20um%2

Como será que era esse jogo das eleições? Muito interessante.

(via Mickey # 381, de junho de 1984 - mais no tópico de gibis)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tem um texto sobre ele aqui. Parece ser legal.

http://ludopedia.com.br/jogo/eleicoes

1 pessoa curtiu isso

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
TEMER, NÃO MEXE NO MEU CAFÉ

Temer e seu governo mexeram no meu café. Agora ficou sério.

O governo federal barrou a importação de café do Vietnã. Motivo? Proteger os produtores brasileiros. De quem? De você.

Fundamentalmente é uma lei que te obriga a comprar um café mais caro, porque o presidente assim quis.

Na prática, evita que os produtores precisem melhorar suas práticas, competir, expandir ou sair do mercado e deixar os mais eficientes. Protege o status-quo onerando a população pela incapacidade de adaptação de produtores brasileiros.
 

 

Texto por: Raphael Lima

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sem querer, descobri uma coisa pesquisando sobre o deputado, hoje ministro da Justiça Osmar Serraglio. Além de conversar com o "grande chefe", ele andou curtindo uns vídeos no Youtube:

Osmar%20Serraglio%20curtiu%20canal%20com

Link: https://www.youtube.com/channel/UCBND0Y2cdGclqNXxH-b3WYg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0

  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.