Jump to content
Sign in to follow this  
chavesmaniaco1002

Resenhas

Recommended Posts

chavesmaniaco1002

bonequinho-oglobo-rafael-koff.jpeg

Tópico destinado para críticas/resenhas/comentários sobre os filmes, séries, livros, e outros assuntos.

Atenção, Pode conter Spoilers.

E para começar, uma resenha do Capitão América 2.

Capitão América 2 - O Soldado Invernal :

Capit%C3%A3o-Am%C3%A9rica-2-O-Soldado-In

Marvel consegue trazer um dos melhores filmes até agora e mostra que a fase 2 nos cinemas tem muito a acrescentar

Depois de um longo e tenebroso inverno estou de volta aos trabalhos e agora para falar de um dos melhores filmes da Marvel até o momento, Capitão América 2 – O Soldado Invernal. Confesso que quando anunciaram uma continuação (o que era inevitável) torci um pouco o nariz. O primeiro filme tinha alguns problemas e um deles era a falta de curvas dramáticas no filme. O filme era ruim? Não, mas estava longe de ser ótimo. Mas dessa vez, os diretores Joe e Anthony Russo conseguiram superar as expectativas.

Na continuação, o pano de fundo é a vigilância e a guerra ao terror. Não por acaso, ao longo da sessão você vai achar que está vendo um filme sobre conspirações, segredos do governo entre outras coisas. E é exatamente isso que o filme é. Após voltar ao mundo atual, o Capitão América trabalha para a S.H.I.E.L.D e passada uma missão de resgate, o Sentinela da Liberdade confronta-se como uma realidade inesperada que muda a vida de muita gente no filme. Diferente do primeiro, a continuação acerta em cheio nas curvas dramáticas. Você tem ação, aparições, explicações e claro uma dose de humor, tudo na medida certa. Além é claro da aparição do vilão que nome ao título do filme.

Capitao-America-Soldado-Invernal-w640.jp

Talvez, uma das melhores coisas que o Homem de Ferro 3 tenha feito foi fazer os executivos da Marvel aprenderem com os erros. O roteiro estava pronto e bem amarrado noarco Extremis (se não sabe do que eu estou falando, clique aqui), mas o roteirista fez questão de misturar tudo e o resultado foi aquele que a gente já viu. Porém, dessa vez foi diferente. Em 2005, o arco O Soldado Invernal foi apresentado mostrando um superassassino agindo ao longo dos anos e aniquilando alguns políticos e interesses soviéticos. A origem do Soldado Invernal é bem fiel aos quadrinhos e o modo como ele foi inserido na história foi muito bem adaptado. Sem pressa e atualizando o que foi mostrado nos quadrinhos.

Capitao-America-2-20fev2014-02-w640.jpg?

As apresentações do Soldado Invernal e do Falcão não deixam a desejar. Não vou aqui comentar quem se esconde por trás da máscara do soldado, mas quem lê os quadrinhos sabe muito bem. O embate do vilão contra o Capitão América já vale o ingresso. E a inclusão do Falcão da um toque do humor e uma boa dose de ação. A adição deste personagem para o contexto do filme também foi bem orquestrada. A única coisa que me incomodou um pouco ao longo da continuação foi a utilização dos “poderes” de Steve Rogers, em alguns pontos achei um pouco exagerado, uma vez que o Capitão sai quase sem um arranhão, entretanto isso não afeta em nada o bom andamento do filme.

Uma mudança que caiu muito bem, a meu ver, foi no uniforme. A nova versão é mais adaptada para alguém que está fazendo missões secretas e não uma bandeira ambulante como no filme dos Vingadores.

captain_america_the_winter_soldier_2014-

Além disso, a Marvel já começou a pincelar as suas ideias para a fase 3 nos cinemas. Em uma cena um dos personagens menciona a existência de Stephen Strange, ou melhor, dizendo Doutor Estranho. O filme também menciona os acontecimentos pós Vingadores e você vê o quão os roteiristas e executivos estão engajados e criar um universo bem estruturado. Tudo isso faz com que a Marvel tenha um bom filme consiga alavancar ainda mais um dos seus personagens chave. O que antes, me parecia, ficar tudo nas mãos do Homem de Ferro.

E para fechar, se tratando de Marvel não perca a cena pós-créditos que terá ligação direta com Vingadores 2 – A Era de Ultron. Há também outra cena após todo o crédito do filme, mas não chega a ser nada demais.

avengers-age-of-ultron-w640.jpg?resize=6

Fonte: Iniciativa Nerd

http://www.iniciativanerd.com.br/capitao-america-2-o-soldado-invernal-resenha/

Edited by chavesmaniaco1002
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Clark Kent

Resenha que fiz semana passada do livro O Xangô de Baker Street e me rendeu uma nota 10 em Leitura e produção de textos:

Em seu livro O Xangô de Baker Street, publicado pela editora Companhia das Letras em 1995, o escritor, humorista e também apresentador de televisão José Eugênio Soares, mais conhecido como Jô Soares, conta em 24 capítulos, distribuídos em 350 páginas, uma história acerca do famoso detetive Sherlock Holmes.

A obra apresenta um divertido, cativante e envolvente romance policial decorrido na até então capital brasileira Rio de Janeiro, datada no ano de 1886. Com o misterioso desaparecimento de um precioso violino, um Stradivarius, presente do imperador Dom Pedro II para a baronesa Maria Luíza, o detetive inglês Sherlock Holmes, recomendado pela prestigiada atriz francesa Sarah Bernhardt que se apresentara no Brasil, e juntamente com seu parceiro de aventuras doutor Watson, é convocado para viajar do Reino Unido às terras brasileiras para investigar e solucionar o caso.

E ao mesmo tempo, surge a tenebrosa notícia de uma prostituta que fora assassinada, teve as orelhas cortadas e ainda uma corda de violino foi encontrada junto ao seu corpo, provavelmente deixada pelo assassino. Isso faz com que o delegado Mello Pimenta se una aos dois detetives para ganharem mais força e procurarem a pessoa por trás dos dois casos.

O autor utiliza uma linguagem bastante coerente e detalhista na narração do desenvolvimento da trama, fácil de ser compreendida e assim podendo agradar a todas as faixas etárias e até a outros gostos. Em alguns momentos também apresenta uma certa ironia, sempre tentando deixar a história ainda mais agradável e prender a atenção do leitor. Jô Soares transmite os fatos misturando suspense e mistério com comédia.

Merece destaque a junção e a diversificação de alguns personagens conhecidos da ciência histórica com personagens fictícios. Alguns aspectos e costumes típicos do povo brasileiro, como feijoada, vatapá, caipirinha, entre outros, também são apresentados ao longo dos acontecimentos e aventuras nas ruas atrás de respostas para o mistério, deixando assim a cultura nacional bem imposta em meio ao livro.

De uma visão geral, deu pra ver um livro da literatura brasileira um pouco extenso e extremista, que mistura gêneros e culturas diferentes em um cenário bastante diversificado. O comunicador Jô Soares consegue conduzi-lo muito bem do início ao fim, deixando aquela vontade nos leitores de saber o que acontecerá no próximo capítulo, colocando mistérios em cima de mais mistérios e os revelando com sabedoria. Sem dúvidas uma grande obra.

Referência

SOARES, Jô. O Xangô de Baker Street. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Edited by Rodrigo370
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

Já fiz várias resenhas de filmes e livros para a Faculdade, depois posto algumas aqui. :D

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Chambón

Rodrigo, sério que você achou mesmo esse negócio ''divertido, cativante e envolvente'' e composto por ''uma linguagem bastante coerente e detalhista na narração do desenvolvimento da trama, fácil de ser compreendida e assim podendo agradar a todas as faixas etárias e até a outros gostos''? :P

Bom, eu vi o filme e achei de uma loucura sem pé nem cabeça. Na verdade, até tem um certo sentido sim, mas é tanto material jogado ao público, junto com o ritmo extremamente lento, que você nem consegue juntar os fatos e fazer uma análise justa.

Edited by Chambón

Share this post


Link to post
Share on other sites
Clark Kent

kkkkkkkkkk nem sabia que tinha filme. Mas de qualquer maneira filme e livro na maioria das vezes são bem diferentes.


Já fiz várias resenhas de filmes e livros para a Faculdade, depois posto algumas aqui. :D

Manda ae :D

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

Resenha que fiz em junho de 2013, baseada no filme O Corcunda de Notre Dame, só que a versão de 1997, @Chambón e @Bruce Dubber . :P Também me rendeu um 10, @Rodrigo370. :)

MEDAK, Peter. O Corcunda de Notre Dame. EUA: John Fasano, 1997. [Filme-vídeo].

Filmado em 1997, “O Corcunda de Notre Dame” baseia-se na obra (de mesmo nome) do renomado dramaturgo Victor Hugo. A história do filme remonta à França, no período da idade média, e retrata a história de Quasímodo, um corcunda desprezado, que desafia o clero e as autoridades, para salvar a vida de uma cigana, Esmeralda.

Do início ao fim, o enredo do filme é baseado nos dogmas e rituais da Igreja da época, e de onde podem ser extraídas as mais diversas críticas sociais. Logo de início, já é demonstrada a perseguição tenebrosa às ciganas. Na Idade das “Trevas” era muito comum esse tipo de ação do clero aos considerados “inferiores” da sociedade, como os ciganos e as bruxas.

O padre Frollo, aquele que adotou o corcunda quando criança, é um típico religioso da Idade Média. Rígido e sério, busca por diversos meios à salvação, inclusive através de penitências ao seu próprio corpo. No entanto, sua índole é má, e é capaz de cometer até assassinatos, para conseguir seus ideais. Ele ama em segredo à bela cigana Esmeralda, mas crê que esse amor é vindo do “inferno”, pois como padre, não pode se envolver com uma mulher. Ao invés de reconhecer sua fraqueza, ele tenta resolver o problema da pior maneira possível, ao tentar matá-la.

Numa sociedade manipulada pela Igreja, eram poucos os que sabiam ler, afinal, os livros eram restritos ao clero. Esse fato começou a ficar insustentável, quando a primeira imprensa chegou à França. A Igreja queria a todo custo evitar que livros chegassem à mão do povo, mas isso não foi possível. Esse fato pode ser exemplificado, quando o padre Frollo matou um homem, pelo simples fato de estar lendo um livro.

Esmeralda, ao ser acusada de assassinato injustamente, é salva milagrosamente pelo corcunda, que a deixa em segurança na torre da Igreja, de onde ele é sineiro. Durante esse intervalo, todo o povo cigano estava nas ruas, entregando panfletos (a prensa já estava difundida secretamente), e implorando pela absolvição da cigana. Este fato é interessantíssimo, afinal, no fim do século XV, os livros e o conhecimento começaram a adentrar no seio da sociedade, e isto começou a gerar a revolta da população, o que ocasionaria anos depois, a chamada “Reforma Protestante”.

A manipulação da religião começou a decair, quando Quasímodo, conheceu a verdadeira identidade do padre Frollo, e o povo começou a se desiludir com o clero. Independentemente do destino que teve Esmeralda e o corcunda, a revolução em massa que aconteceu, mudou os rumos da época, e sem dúvida, da História. A “Idade das Trevas”, que passou a ser chamada de “Idade da Luz” foi fruto desta longa revolução. Seus efeitos podem ser sentidos ainda hoje.

O filme aborda de maneira fantástica o quanto o “falso moralismo”, sustentado por muito tempo pela Igreja, pode ser perigoso. De maneira singular, também apresenta o conhecimento como a fuga para a liberdade. Quanto mais conhecimento a população possuir, menos enganada será. A mistura de romance, aventura e História em seu enredo, são os ingredientes que a torna uma excelente produção.

Edited by JoelJunior15
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
chavesmaniaco1002

Eu só conhecia o filme da Disney mesmo.. :muttley::muttley:

Boa resenha, acho que vou começar a fazer.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruce Dubber

Cara, eu costumava escrever muitas resenhas para o meu antigo blog, o "Covil do Batman". Era decente no mínimo. Tinha bastante comentário bobo e piada infeliz, mas dava pro gasto.

Eu gostava muito de escrever apesar dos pesares. Com o tempo ficando mais escasso acabei perdendo o pique e larguei tudo de mão. Talvez eu volte algum dia, vontade eu tenho..

Edited by Bruce Dubber

Share this post


Link to post
Share on other sites
Usagi White

O Bruce se criticando. Mas vai fundo ! Te dou força.

Eu não consigo fazer rezinhas, pelo menos algo resumido pois eu não sou de poucas palavras,principalmente se eu me empolgo :D e isso sem contar que eu gosto de dar minha opinião pessoal, mas tento não ferir ninguém . Eu prefiro fazer criticas. Será que tem espaço para isso aqui?

Edited by Usagi chan

Share this post


Link to post
Share on other sites
Clark Kent
Eu prefiro fazer criticas. Será que tem espaço para isso aqui?

Então faça resenhas criticas :thanksjap:

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Usagi White

Mais serve de algum filme antigo que eu vi a muito tempo? Pq faz tempo q não vejo filme algum.

De qualquer forma vou ver se consigo fazer um resumo de algum,só para me testar. Se bem q acredito q ficará grande demais para um resumo. Posso até acabar colocando spoiler :P

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

Um pessoal do curso de pedagogia pediu pra mim fazer uma resenha baseada no filme "Anjos e Demônios". É meio estranho essa galera que é da área de humanas não saber escrever resenhas, mas como a grana era boa eu fiz. Lá vai! :P

 

HOWARD, Ron. Anjos e Demônios. EUA: Dan Brown, 2009. [Filme-vídeo].

 

                  Filmado em 2008, mas só lançado em 2009, “Anjos e Demônios” baseia-se na obra (de mesmo nome) do renomado escritor Dan Brown. A história do filme mostra o papado e tudo o que está ligado à Igreja Católica sob uma ótima bem diferente do que normalmente é visto.
                  A trama é um tanto impactante e traz ao telespectador uma porção de “novos conhecimentos” nas mais diversas áreas possíveis. O tema principal do filme é voltado à contrafação entre ciência e religião, sendo essa, inclusive, a causa do assassinato do Prof. Vetra, que além de físico era um padre católico, contrariando todas as expectativas impostas pela Igreja Católica. O padre supracitado tinha a convicção plena de que religião e ciência podiam andar de mãos dadas.
                  É importante salientar que a vinda do professor de simbologia Langdon só se deu devido ao assassinato do padre, o que nos mostra, entre outras coisas, que o desenrolar da história está baseado inteiramente nesse fato.
                  O professor Langdon traz um contraponto interessantíssimo na história da película. Ele, declaradamente, não acredita em Deus, mas decide ajudar interessado no material que disporia para escrever futuros livros e artigos acadêmicos. O mesmo relaciona-se o tempo inteiro com Vittoria Vetra (filha do padre morto), e sempre que é surpreendido por alguma pergunta de cunho religioso é enfático ao afirmar que é um acadêmico e não crê na fé.
                  A dualidade entre fé e ciência está tão bem representada no filme que até mesmo no atentado que os quatro cardeais sofreram foram representados os quatro elementos básicos da natureza: ar, água, fogo e terra. Esse é mais um indício que nem sempre religião significa oposição à ciência.
                  Na história há uma preocupação a todo custo (por parte dos cardeais), de passar uma visão de ordem e decência no Vaticano. Isso é evidenciado no fato de que, mesmo com ameaças de bombas, a mídia não foi informada do fato. O autor da história quis passar uma mensagem de que até num lugar que é símbolo supremo da religião há falhas e decisões que são tomadas às escondidas. Esse, talvez, seja o principal motivo do filme não ter sido muito bem recebido pela Igreja Católica e ser considerado uma blasfêmia por parte dos fiéis.
                 A classe de conservadores, que até hoje existe, é muito bem representada na trama pelo Camerlengo Patrick McKenna, que é capaz de planejar a morte de muitas pessoas ao seu redor (inclusive de seu pai adotivo), pelo simples fato de acreditar que a ciência nunca deveria ser unida à religião. O mais intrigante de tudo é de que ele acreditava veementemente que aquela era a vontade de Deus e de que ele era o Salvador do Vaticano.
                 Em muitos momentos a narrativa lembra o que aconteceu na época da Reforma Protestante, em que muitas pessoas morreram simplesmente por discordarem da Igreja Católica. Uma coisa interessante é que a todo o momento é citado Galileu Galilei, o pai da ciência moderna, que era declaradamente cristão. Lembremo-nos que Galileu foi condenado à morte por ter ideias que contrariavam a autoridade suprema da Igreja, e no filme, da mesma forma que aconteceu com Galileu, todos aqueles que tentaram desafiar a autoridade suprema de “Deus” foram cruelmente mortos, inclusive até o papa.
                  O filme aborda de maneira fantástica o quanto o “falso moralismo” sustentado pela Igreja é algo concreto e real. Isso é claramente visto nas cenas finais do filme, em que um novo papa foi eleito e uma história totalmente falsa foi criada para justificar a morte dos cardeais e do Camerlengo. Essa é uma representação fiel da famosa frase de Maquiavel “Os fins justificam os meios”, em que na visão deles valia tudo em nome de Deus, inclusive, mentir e ludibriar a mente das pessoas.
                  Dan Brown foi muito feliz ao representar no enredo algo que é pouco explorado, mas que é uma realidade: a dualidade entre ciência e religião. De maneira singular, ele apresenta o quão perigoso podem ser os conservadores e a possibilidade de união das duas forças supracitadas. São esses os ingredientes que torna “Anjos e Demônios” uma grande produção.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...