Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Victor235

ELEIÇÕES 2018

Recommended Posts

Victor235

Notícias e debates sobre as próximas eleições nacionais e estaduais.

Cardozo ganha força e ala do PT já articula candidatura em SP

Estadão Conteúdo
04.09.16 - 08h44

O impeachment de Dilma Rousseff agravou ainda mais a crise no PT e jogou os holofotes sobre um rearranjo de forças no partido, hoje ameaçado por uma debandada. Após quase nove meses de uma batalha no Congresso, José Eduardo Cardozo, advogado de Dilma, sai fortalecido do processo e, a depender do cenário, pode se credenciar para futuras disputas.

De ministro da Justiça achincalhado pela direção do PT – para quem o “grupo do Zé Eduardo” era tão pequeno que cabia numa Kombi -, o relator do projeto da Ficha Limpa passou a ter o nome lembrado para eventual candidatura ao governo de São Paulo, em 2018. No momento em que os principais líderes petistas foram atingidos por escândalos de corrupção, Cardozo chegou a ser aplaudido por parte dos passageiros de um voo de Brasília a São Paulo, na noite de sexta-feira.

“Eu não tenho a menor vontade de continuar na vida política”, disse o ex-ministro, que também foi titular da Advocacia Geral da União. “Em 2010, escrevi uma carta aos meus eleitores, na qual dizia que não seria mais candidato a deputado enquanto o sistema político não mudasse. Tenho vergonha desse sistema.” No PT, Cardozo integra a corrente Mensagem ao Partido. O grupo não detém a hegemonia interna e cada vez mais se opõe à tendência Construindo um Novo Brasil, comandada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Pressionado por Lula e pela cúpula do PT, sob o argumento de não controlar a Polícia Federal quando estava à frente do Ministério da Justiça, Cardozo ganhou a “redenção” ao defender Dilma. Perdeu a causa no Senado, mas conquistou prestígio. É de sua autoria a narrativa do “golpe” e a ideia de fatiar o julgamento da então presidente, estratégia que a livrou da proibição de exercer cargos públicos.

A decisão de preservar direitos de Dilma rachou a base do governo, que recorreu ao Supremo Tribunal Federal. Nos bastidores, Cardozo avalia que, se o Supremo acatar o mandado de segurança impetrado por aliados do presidente Michel Temer, também terá de reavaliar a existência de crime de responsabilidade por parte da petista. “O PT falseia a história”, reagiu o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP).

Confidência. Depois do período de quarentena, Cardozo vai se associar ao escritório Celso Cordeiro e Marco Aurélio de Carvalho Advogados, em São Paulo, e abrirá outro, em Brasília, para atuar em tribunais superiores.

A história que deu a ele protagonismo, porém, fez Lula perder capital político. Com a agonia de Dilma, ele também se desidratou. Alvo da Lava Jato, o “criador” da presidente cassada confidenciou a amigos que se arrependeu de não ter dito à sucessora que deveria ser ele o candidato ao Planalto, em 2014. Na quarta-feira, o ex-presidente acompanhou o discurso da despedida de Dilma, no Palácio da Alvorada, e parecia perplexo. “Nem no pior pesadelo poderia imaginar o que está acontecendo conosco”, lamentou ele, mais uma vez. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ISTOÉ/ESTADÃO CONTEÚDO

Editado por Victor235

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
E.R

(Com alguns bandidos na disputa)
 

 
PRESIDENTE - BRASIL - 2018 :

Imagem

. Geraldo Alckmin (PSB)
. Lula (PT)
. Marina Silva (Rede)
. Jair Bolsonaro (PSC)
. Aécio Neves (PSDB) - Com o apoio do PMDB.
. Ciro Gomes (PDT)
. Álvaro Dias (PV) 
. Ronaldo Caiado (DEM)
. Luciana Genro (PSOL)



--
 

 
Imagem
RIO DE JANEIRO - 2018 :

GOVERNADOR
. Eduardo Paes (PMDB)
. Romário (PSB) - Com o apoio do PRB e do PSC
. Marcelo Freixo (PSOL)

SENADOR
. Índio da Costa (PSD) - Com o apoio do PRB e do PSC
. Rodrigo Maia (DEM) - Com o apoio do PMDB

DEPUTADO FEDERAL

(alguns políticos que deverão ser candidatos)
. Otávio Leite (PSDB)
. Alessandro Molon (Rede)
. Chico Alencar (PSOL)
. Miro Teixeira (Rede) 
. Jean Wyllys (PSOL) 

DEPUTADO ESTADUAL

(alguns políticos que deverão ser candidatos)
. Wagner Montes (PRB)
. Carlos Roberto Osório (PSDB)
. Pedro Fernandes (SD)
. Tio Carlos (SD)



--
 

 
Imagem

SÃO PAULO - 2018 :

GOVERNADOR
. José Serra (PSDB) - Com o apoio do PMDB
. Fernando Haddad (PT)
. Luiza Erundina (PSOL)

SENADOR
. Eduardo Suplicy (PT)
. Aloysio Nunes (PSDB)
. Marta (PMDB)

DEPUTADO FEDERAL
(alguns políticos que deverão ser candidatos)
. Celso Russomano (PRB)
. José Eduardo Cardozo (PT)
. Eduardo Bolsonaro (PSC)
. Alexandre Padilha (PT)
. Marco Feliciano (PSC)
. Major Olímpio (PDT)
. Mara Gabrilli (PSDB)
. Arlindo Chinaglia (PT)
. Bruna Furlan (PSDB)
. Baleia Rossi (PMDB)
. Ricardo Tripoli (PSDB)
. Walter Feldman (PSB)
. Fernando Holiday (DEM)



--
 

 
Imagem

MINAS GERAIS - 2018 :

GOVERNADOR
. Márcio Lacerda (PSB)
. Antonio Anastasia (PSDB)
. Vanessa Portugal (PSTU)

SENADOR
. Leonardo Quintão (PMDB)
. Patrus Ananias (PT)



--
 

 
Imagem

RIO GRANDE DO SUL - 2018 :

GOVERNADOR
. Eduardo Leite (PSDB)
. Jairo Jorge (PDT)
. Roberto Robaina (PSOL)
. José Ivo Sartori (PMDB)

SENADOR
. Ana Amélia (PP)
. Paulo Paim (PT)
. Germano Rigotto (PMDB)



--
 

 
Imagem
BAHIA - 2018 :

GOVERNADOR
. Rui Costa (PT) 
. ACM Neto (DEM)

SENADOR
. Paulo Souto (DEM) 
. Lídice da Mata (PSB) 

--

Imagem

PERNAMBUCO - 2018 :

GOVERNADOR
. Paulo Câmara (PSB)
. João Paulo (PT)
. Armando Monteiro (PTB)

SENADOR
. Jarbas Vasconcelos (PMDB)
. Bruno Araújo (PSDB)

--

Imagem

ESPÍRITO SANTO - 2018 :

GOVERNADOR
. Paulo Hartung (PMDB) 
. Amaro Neto (SD) 
. Renato Casagrande (PSB) 

SENADOR
. Magno Malta (PR) 
. Ricardo Ferraço (PMDB) 

--

Imagem

PARANÁ - 2018 :

GOVERNADOR
. Ricardo Barros (PP) 
. Gustavo Fruet (PDT) 
. Ratinho Júnior (PSD) 
. Valdir Rossoni (PSDB)

SENADOR
. Beto Richa (PSDB) 
. Ney Leprevost (PSD)



--
 

 
Imagem

SANTA CATARINA - 2018 :

GOVERNADOR
. Dário Berger (PMDB) 
. Ângela Amin (PP) 
. Gelson Merísio (PSD)
. Angela Albino (PC do B)

SENADOR
. Paulo Bauer (PSDB) 
. Raimundo Colombo (PSD)

--

Imagem

DISTRITO FEDERAL - 2018 :

GOVERNADOR
. Rodrigo Rollemberg (PSB) 
. Alberto Fraga (DEM) 
. Izalci Lucas (PSDB)
. Ronaldo Fonseca (PROS) 

SENADOR
. Rogério Rosso (PSD) 
. Cristovam Buarque (PPS) 

--

Imagem

GOIÁS - 2018 :

GOVERNADOR
. José Eliton (PSDB)
. Daniel Vilela (PMDB)
. Paulo Garcia (PT)

SENADOR
. Pedro Chaves (PMDB)
. Vilmar Rocha (PSD) 

--

Imagem
MATO GROSSO DO SUL - 2018 :

GOVERNADOR
. Reinaldo Azambuja (PSDB) 
. Nelson Trad Filho (PTB) 
. Zeca do PT (PT) 

SENADOR
. Murilo Zauith (PSB)
. Rose Modesto (PSDB) 
. Waldemir Moka (PMDB) 

--

Imagem
MATO GROSSO - 2018 :

GOVERNADOR
. Pedro Taques (PSDB) 
. Wellington Fagundes (PR) 

SENADOR
. Wilson Santos (PSDB)
. Adilton Sachetti (PSB)



 

 
Imagem
CEARÁ - 2018 :

GOVERNADOR
. Cid Gomes (PDT)
. Capitão Wagner (PR) 
. Luizianne Lins (PT) 

SENADOR
. Camilo Santana
. Mendonça Filho (DEM) 

--

Imagem

PARÁ - 2018 :

GOVERNADOR
. Helder Barbalho (PMDB) 
. Paulo Rocha (PT) 
. Edmilson Rodrigues (PSOL)

SENADOR
. Simão Jatene (PSDB) 

--

Imagem

AMAZONAS - 2018 :

GOVERNADOR
. Eduardo Braga (PMDB) 
. Omar Aziz (PSD) 

SENADOR
. Arthur Neto (PSDB) 
. Silas Câmara (PRB) 
. Vanessa Grazziotin (PC do B)



--
 

 
Imagem

ACRE - 2018 :

GOVERNADOR
. Marcus Alexandre (PT)
. Gladson Cameli (PP) 
. Eliane Sinhasique (PMDB) 

SENADOR
. Tião Viana (PT)
. Sérgio Petecão (PSD) 
. Alan Rick (PRB) 

--

Imagem

ALAGOAS - 2018 :

GOVERNADOR
. Rui Palmeira (PSDB)
. Renan Filho (PMDB) 

SENADOR
. Maurício Quintella (PR) 
. Benedito de Lira (PP) 
. Ronaldo Lessa (PDT) 

--

Imagem

RORAIMA - 2018 :

GOVERNADOR
. Telmário Mota (PDT)
. Teresa (PMDB)

SENADOR
. Shéridan (PSDB)
. Ângela Portela (PT)



--
 

 
Imagem

AMAPÁ - 2018 :

GOVERNADOR
. Randolfe Rodrigues (Rede) 
. Waldez Góes (PDT) 
. Davi Alcolumbre (DEM) 

SENADOR
. João Capiberibe (PSB) 
. Roberto Góes (PDT) 

--

Imagem

MARANHÃO - 2018 :

GOVERNADOR
. Flávio Dino (PC do B) 
. Roberto Rocha (PSB) 

SENADOR
. Eduardo Braide (PMN)
. Edison Lobão (PMDB) 
. José Sarney Filho (PV) 

--

Imagem

PIAUÍ - 2018 :

GOVERNADOR
. Wellington Dias (PT) 
. Elmano Férrer (PTB)

SENADOR
. Marcelo Castro (PMDB) 
. Dr. Pessoa (PSD) 

--

Imagem

RIO GRANDE DO NORTE - 2016 :

GOVERNADOR
. Robinson Faria (PSD) 
. Fátima Bezerra (PT) 

SENADOR
. Cláudio Santos



--
 

 
Imagem

PARAÍBA - 2018 :

GOVERNADOR
. Cássio Cunha Lima (PSDB) 
. Wilson Santiago (PTB) 
. Vital do Rêgo (PMDB)

SENADOR
. Ricardo Coutinho (PSB) 
. Raimundo Lira (PMDB) 

--

Imagem

SERGIPE - 2018 :

GOVERNADOR
. Eduardo Amorim (PSC) 
. Valadares Filho (PSB) 
. João Alves (DEM) 

SENADOR
. Jackson Barreto (PMDB) 
. André Moura (PSC)

--

Imagem

TOCANTINS - 2018 :

GOVERNADOR
. Marcelo Miranda (PMDB) 
. Ataides Oliveira (PSDB)

SENADOR
. Carlos Gaguim (PMDB) 
. Vicentinho Alves (PR)

--

Imagem

RONDÔNIA - 2018 :

GOVERNADOR
. Acir Gurgacz (PDT)
. Mariana Carvalho (PSDB)
. Mauro de Carvalho (PP) 
. Mauro Nazif (PSB) 
. Marinha Raupp (PMDB) 

SENADOR
. Confúcio Moura (PMDB) 
. Marcos Rogério (DEM)
. Jaqueline Cassol (PR)
  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
JF CHmaníaco

Oremos :bispo: 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Monchito

E como o povão tem memória de rato elege o Lula de novo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235

Bomba:

Políticos reagem contra “emenda Lula” para 2018

Relator da reforma política na Câmara incluiu no seu parecer artigos que proíbem a prisão de políticos até oito meses antes da eleição

Por Estadão Conteúdo
16 jul 2017, 09h52

Imagem
Lula: A medida pode valer já para a eleição de 2018 (Nacho Doce/Reuters)

Brasília – Políticos repercutiram a informação revelada pela Coluna do Estadão de que o relator da reforma política na Câmara dos Deputados, Vicente Cândido (PT-SP), incluiu no seu parecer artigos que proíbem a prisão de políticos até oito meses antes da eleição. A medida pode valer já para a eleição de 2018 se for aprovada até setembro pelo Congresso e foi apelidada de “Emenda Lula”.

“Vamos derrotar o Lula na eleição e, depois, pôr o Luiz Inácio na prisão”, afirmou o prefeito João Doria (PSDB). Pelo Twitter, a senadora Ana Amélia (PP-RS) escreveu: “Quando a sociedade exige uma reforma política moralizadora, é inaceitável e provocadora a manobra para livrar Lula e outros políticos da inelegibilidade nas eleições de 2018”.

O relator da reforma política na Câmara se defendeu. “Tem muita exploração da política por parte de promotores, juízes e delegados. Então é para evitar que, no ano que vem, em especial, haja exploração dessa natureza”, disse Cândido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

EXAME / ESTADÃO CONTEÚDO

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Leandro Villagrán
15 horas atrás, Victor235 disse:

Bomba:

Políticos reagem contra “emenda Lula” para 2018

Relator da reforma política na Câmara incluiu no seu parecer artigos que proíbem a prisão de políticos até oito meses antes da eleição

Por Estadão Conteúdo
16 jul 2017, 09h52

Imagem
Lula: A medida pode valer já para a eleição de 2018 (Nacho Doce/Reuters)

Brasília – Políticos repercutiram a informação revelada pela Coluna do Estadão de que o relator da reforma política na Câmara dos Deputados, Vicente Cândido (PT-SP), incluiu no seu parecer artigos que proíbem a prisão de políticos até oito meses antes da eleição. A medida pode valer já para a eleição de 2018 se for aprovada até setembro pelo Congresso e foi apelidada de “Emenda Lula”.

“Vamos derrotar o Lula na eleição e, depois, pôr o Luiz Inácio na prisão”, afirmou o prefeito João Doria (PSDB). Pelo Twitter, a senadora Ana Amélia (PP-RS) escreveu: “Quando a sociedade exige uma reforma política moralizadora, é inaceitável e provocadora a manobra para livrar Lula e outros políticos da inelegibilidade nas eleições de 2018”.

O relator da reforma política na Câmara se defendeu. “Tem muita exploração da política por parte de promotores, juízes e delegados. Então é para evitar que, no ano que vem, em especial, haja exploração dessa natureza”, disse Cândido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

EXAME / ESTADÃO CONTEÚDO

Que pais é esse? pelo amor de deus né, tomara que isso não acontença e esse sujeito seja preso
BOLSONARO2018

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235

O Lula ou o deputado? :P 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
JoelJunior15

Parece até piada isso kkkkkkk O maior bandido do país sempre acha um meio de se safar.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Giovani Santos

Esse país é uma piada mesmo, e coisas piores podemos esperar, disso não tenho dúvidas. :closedeyes: 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235
Eleições 2018: Candidatos na pista

A um ano da largada oficial, quatro políticos já estão na corrida pelo Planalto: Lula, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Alvaro Dias

Por Edoardo Ghirotto
22 jul 2017, 08h00

montagem-presidenciaveis1.jpg?quality=70
Lula, Bolsonaro, Ciro e Alvaro Dias, que já se declararam pré-candidatos à Presidência da República em 2018 (AP/VEJA/Folhapress/Agência o Globo)

O Brasil está a menos de um ano das convenções partidárias que lançarão os próximos candidatos à Presidência da República. As siglas políticas poderão se reunir entre 20 de julho e 5 de agosto de 2018 para definir as chapas que deverão ser inscritas até o dia 15 de agosto. O primeiro turno das eleições será em 7 de outubro.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já está em campanha. O petista, sentenciado pelo juiz federal Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão no âmbito da Operação Lava Jato, só poderá se lançar como candidato se não for condenado em segunda instância.

Outro político que já está na corrida é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que deve trocar de partido e tem se portado como um antagonista à candidatura de Lula. Ele terá até o dia 7 de abril para estar filiado a uma sigla. Também já estão na pista o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o senador Alvaro Dias (Podemos-PR).

A ex-senadora Marina Silva não tornou oficial sua pré-candidatura, mas a Rede – partido que preside – trabalha internamente com os cenários que ela terá de enfrentar para não perder a terceira eleição consecutiva – chegou em terceiro lugar em 2010 e 2014. No PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, conseguirá se lançar na disputa se barrar o crescimento do prefeito paulistano, João Doria, e superar a tímida concorrência do senador José Serra (SP).

Há ainda surpresas que podem aparecer na disputa, entre elas o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, que conversa com a Rede e o PSB, o atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e o senador Cristovam Buarque (PPS-DF). Já o PMDB, o maior partido do país, deve entrar em mais uma eleição sem ter uma indicação própria ao Planalto.

Lula

lula-20170720-028.jpg?quality=70&strip=i
O ex-presidente Lula lidera a corrida para o Planalto com 30% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha de junho (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 71 anos, é a única opção que permite ao PT sonhar com o retorno ao Palácio do Planalto. A última pesquisa Datafolha, de 26 de junho, mostrou que o petista tem 30% das intenções de voto no primeiro turno – Bolsonaro, segundo colocado, soma 16%. A candidatura depende, no entanto, da decisão que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) emitirá sobre a condenação do petista em primeira instância.

Se o TRF4 validar a decisão de Moro antes de 15 de agosto, prazo final para o registro de candidaturas, o ex-presidente será enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficará inelegível. Caso a decisão seja proferida após a data limite, Lula ficará com a candidatura pendente de uma decisão judicial.

Há alas dentro do PT que defendem um boicote do partido às eleições caso Lula seja impedido de concorrer, sob a alegação de que o pleito seria fraudulento. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, principal alternativa do partido à candidatura do ex-presidente, contabilizou apenas 3% das intenções de voto na última pesquisa Datafolha. Outro cenário possível para a sigla seria declarar apoio à candidatura do pedetista Ciro Gomes.

Ciro Gomes

ciro-gomes-2017-732.jpg?quality=70&strip
O pedetista Ciro Gomes quer conquistar os votos de eleitores que se identificam com bandeiras de esquerda (Chico Peixoto/Estadão Conteúdo)

A pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República foi anunciada pelo PDT em dezembro de 2015. Desde então, o ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula viaja pelo país e investe em declarações controversas para ganhar terreno entre os eleitores de esquerda. Em março, Ciro afirmou que receberia a “turma” do juiz Sergio Moro “na bala” para não ter de cumprir uma eventual ordem de prisão. Em outra ocasião, o ex-governador do Ceará e ex-ministro disse que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), era um “farsante”.

Ciro, de 59 anos, vinha dizendo que não se candidataria à Presidência caso Lula estivesse no páreo, mas aos poucos tem mudado o tom de suas declarações. Na terça-feira, ele fez diversas críticas ao ex-presidente e o responsabilizou pela crise política do país. “Lula é sombra de mangueira. Não nasce nada embaixo. Está errado”, disse o pedetista ao jornal Valor Econômico.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, disse que Ciro precisará honrar o compromisso firmado com a legenda. “Ele terá de acatar a decisão do partido. Tivemos em março a nossa convenção nacional, e a candidatura do Ciro foi confirmada por ampla maioria. É pouquíssimo provável que haja uma desistência, porque ele passa a ser um instrumento da unidade coletiva. Isso é preponderante diante de sua vontade pessoal.”

Lupi disse que a experiência de Ciro será um diferencial para conquistar o eleitorado, sobretudo a parcela que ficará “órfã” caso Lula seja impedido de concorrer. “Não creio que o país partirá para uma aventura. A população quer alguém que conheça a máquina e que já tenha sido testado. Podem ter ocorrido polêmicas e afirmações mais ásperas por onde o Ciro passou, mas nunca houve corrupção. Essa mazela ele não tem em seu histórico.”

O presidente do partido diz não contar com a possibilidade de Haddad sair como vice-presidente na chapa encabeçada por Ciro. “Houve conversas paralelas e sondagens, mas considero particularmente difícil, porque o PT não desistirá da candidatura do Lula.”

Jair Bolsonaro

age20140211157.jpg?quality=70&strip=info
O deputado federal Jair Bolsonaro não definiu o partido que abrigará sua candidatura à Presidência (Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

O militar da reserva vinha externando o desejo de concorrer à Presidência desde 2014. Há 27 anos no Congresso, Jair Messias Bolsonaro, 62 anos, anunciou em março de 2016 a pré-candidatura pelo PSC, mas desavenças com o presidente da sigla, Pastor Everaldo, fizeram o deputado federal buscar um novo partido para se lançar ao cargo.

Bolsonaro afirma que o prazo limite para deixar o PSC é março de 2018, quando está marcada a próxima “janela partidária” – um projeto de reforma política pretende antecipar o prazo. O deputado já teve conversas com o PSDC, de José Maria Eymael, o PHS e o Muda Brasil, um projeto de partido capitaneado por Valdemar Costa Neto, condenado no Mensalão.

Apesar de flertar com siglas nanicas, Bolsonaro afirma que conseguirá vencer a eleição sem ter tempo de televisão nem fundo partidário. “As redes sociais terão um peso muito grande aqui no Brasil. Estou apostando que irá para o segundo turno quem tiver 22% das intenções de votos. O horário gratuito tem a sua importância, mas está perdendo força. Se eu for para o segundo turno, todo mundo estará em situação de igualdade.”

O deputado federal diz que a candidatura à Presidência é “uma missão de Deus” e que considera um “absurdo” ser classificado como um político de extrema direita por conta de seus posicionamentos conservadores e do apreço que nutre pela ditadura militar (1964-1985). A base de sua plataforma política, diz, será “diminuir a temperatura da questão da segurança no país”.

Alvaro Dias

alvaro-dias-2012-abr-176.jpg?quality=70&
O senador Alvaro Dias (PR) é a aposta do Podemos para as eleições presidenciais (Divulgação/Agência Brasil)

Eleito senador pela quarta vez em 2014, Alvaro Dias deixou o PSDB no ano passado para se filiar ao PV. Em maio, o político de 72 anos trocou novamente de partido e passou a integrar o quadro do Podemos, que foi autorizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a substituir o registro do PTN. Dias disse aceitou ser pré-candidato à Presidência após uma convocação de sua nova sigla.

Dias já foi vereador, deputado estadual e federal e governador do Paraná. Ele diz confiar no julgamento das “pessoas lúcidas” para não sofrer com o desgaste que atinge a classe política. “Espero que a população separe o joio do trigo e não generalize”, afirmou. “O politico modernizador não é aquele que tem pouca idade, mas aquele que tem a capacidade de fazer a leitura do dinamismo social e das mudanças que ocorrem na sociedade.”

O Podemos carrega o mesmo nome do partido de esquerda espanhol, mas, segundo Dias, terá um posicionamento político de centro e será liberal na economia. “A consulta popular nos indica que a maioria da população brasileira deseja isso”, disse o senador, que prefere identificar sua atual sigla como um movimento. “A Lava Jato completou a destruição dos partidos. Eles certamente serão julgados e condenados nas urnas.”

Rede

000_mvd6637029.jpg?quality=70&strip=info
A ex-senadora Marina Silva (Rede) deve concorrer à Presidência pela terceira vez consecutiva (NELSON ALMEIDA/AFP)

“Não temos outra alternativa que não seja Marina Silva. Ela é  nossa candidata a presidente e para quem eu trabalho nesse sentido”, disse o senador Randolfe Rodrigues (AP), a principal liderança da Rede no Congresso. A candidatura da ex-senadora de 59 anos é dada como certa pela sigla, mas Marina não manifestou publicamente o desejo de entrar na disputa pela terceira vez consecutiva.

Marina ficou em terceiro nas eleições de 2010 e 2014. Na última pesquisa Datafolha, ela somou 15% das intenções de voto e empatou tecnicamente com Bolsonaro na segunda colocação. Segundo Randolfe, a ex-senadora lançará uma candidatura “antissistêmica e contra o establishment que se tornou a política”.

Marina passou ilesa pelos escândalos de corrupção que devastaram Brasília, mas ouve cobranças para ser mais assertiva em seus posicionamentos. Randolfe afirma que as críticas são resultado da oposição feita pela Rede “aos dois pólos de poder, caracterizados por PT e PSDB”. “Alguém que se credencia dessa forma é atacado com mais intensidade. A Marina tem se manifestado no tempo dela, segundo a metodologia dela.”

Houve também especulações de que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa poderia ser o vice-presidente de Marina. “Joaquim tem o perfil que a Rede pretende, mas essa é uma decisão unilateral dele”, disse Randolfe. “Farei o que puder para Joaquim se filiar ao partido. Estou convencido de que uma eventual chapa com ele e Marina teria enormes chances de conquistar as eleições.”

PSDB

geraldo-alckmin-joao-doria-2017-1180.jpg
O prefeito de São Paulo, João Doria, jura lealdade a Geraldo Alckmin e diz não querer concorrer à Presidência (Danilo Verpa/Folhapress)

Assim como o PT, seu histórico adversário, o PSDB sofreu com a implicação dos seus principais quadros em escândalos de corrupção. O senador Aécio Neves (MG), derrotado no segundo turno das eleições de 2014 por Dilma Rousseff (PT), foi varrido para fora da disputa presidencial após se tornar alvo de nove inquéritos no STF. Entre as ações investigadas está o pedido de dois milhões de reais que o senador teria feito ao empresário Joesley Batista, da JBS.

A pré-candidatura será disputada entre o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin – candidato ao Planalto em 2006 –, e o prefeito paulistano, João Doria. O senador José Serra (SP) – candidato em 2002 e 2010 – não descarta concorrer ao cargo, mas as menções ao seu nome nas delações de executivos da Odebrecht diminuíram seu capital político.

Alckmin, de 64 anos, foi o único que externou a vontade de ser presidente da República. Também citado nas delações da Odebrecht, o governador se fortaleceu dentro do partido ao defender por diversas vezes o desembarque tucano da gestão de Michel Temer (PMDB). Ele repetiu por diversas vezes que o compromisso da sigla deveria ser apenas com as reformas políticas. “Defendi lá atrás que o PSDB não ocupasse cargos [no governo]”, disse Alckmin, cujo partido tem quatro ministérios no governo.

A candidatura de Doria, de 59 anos, passou a ser vista com bons olhos pelo fato de o prefeito ser um “outsider” que passou incólume por escândalos. Doria, que jura lealdade à candidatura de Alckmin – seu padrinho político –, tenta ampliar o seu alcance político com viagens pelo Brasil e declarações duras contra o ex-presidente Lula e o PT. Falta, no entanto, fortalecer a sua imagem dentro do partido para bater de frente com o governador paulista.

PMDB

michel-temer-2017-1896.jpg
O PMDB, do presidente Michel Temer, não deu mostras de que disputará o Planalto com candidato próprio (Cristiano Mariz/VEJA)

É o maior partido do Brasil, com sete governadores e as maiores bancadas na Câmara e no Senado. Também é a sigla do atual presidente da República, Michel Temer. Apesar dos números expressivos, o PMDB não deu mostras de que terá um candidato próprio à Presidência. “Ao longo dos anos, o PMDB ficou a reboque de partidos que não têm a sua história em troca de cargos e favores de governo”, disse o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto. “Rótulos de fisiologismo, clientelismo e outros piores grudaram no PMDB por isso.”

Rigotto declarou, em maio, que seria pré-candidato à Presidência pela sigla, mas diz ter feito o pronunciamento para mostrar que o PMDB tem nomes e condições de construir uma candidatura própria. “Eu não tenho mais mandato. Não tenho a visibilidade que um mandato dá”, afirmou. “Mas o PMDB tem que construir uma candidatura e empurrá-la com a força que o partido tem em todo Brasil, com bons tempos de rádio e televisão, para ser uma alternativa a todo esse processo político. Quem deve ser? É preciso buscar um nome nos próximos meses.”

Contra a proposta de Rigotto pesam os altos níveis de rejeição ao partido. Todas as lideranças do PMDB foram implicadas em escândalos, sendo que os ex-deputados federais Eduardo Cunha (RJ) e Henrique Eduardo Alves (RN) e o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral estão presos. Temer é alvo de denúncia por corrupção passiva, enquanto os senadores Renan Calheiros (AL) e Romero Jucá (RR) – presidente do partido – estão atolados em denúncias.

Surpresas

joaquim-barbosa-2014-335.jpg?quality=70&
O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa já conversou com a Rede e o PSB (Nelson Jr./SCO/STF/Divulgação)

Ser vice de Marina Silva não é a única opção para Joaquim Barbosa, de 62 anos, Além de ter conversado com a Rede, o ex-ministro do STF se reuniu com dirigentes do PSB. A oferta do partido socialista seria uma candidatura própria à Presidência. “A decisão de me candidatar ou não está na minha esfera de deliberação. Só que eu sou muito hesitante em relação a isso. Não sei se decidirei positivamente neste sentido”, disse Barbosa no início de junho.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de 71 anos, chegou a ser especulado como substituto de Temer em uma eventual eleição indireta. O PSD, partido ao qual Meirelles é filiado, não trata de nomes publicamente. Em nota, o presidente em exercício da sigla, Alfredo Cotait Neto, disse que a legenda “possui bons quadros e buscará lançar candidatura própria também na disputa presidencial”.

Já o senador Cristovam Buarque (DF), de 73 anos, disse que poderia repetir a candidatura presidencial que lançou em 2006 caso fosse do interesse do PPS. “Não vou pleitear, mas se o PPS quiser, estou disposto e pronto. Numa disputa em que vemos pesquisas com a cara do passado, com a cara de Lula e Bolsonaro, creio que qualquer político tem o direito de estar disponível para concorrer à Presidência”, disse. Cristovam afirmou que encontra simpatia para se candidatar à Presidência entre as bases do partido, mas nunca chegou a tratar do assunto com os dirigentes do PPS.

VEJA

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Victor235
"Papa-Capim" se filia ao PSD e pode concorrer em 2018

Pelo Facebook, a entrada de Dinho Kapp, que ficou famoso no WhatsApp, foi divulgada na página do presidente do partido em Alagoas, Maykon Beltrão
18:59 | 10/08/20170

papacapim.jpeg
(Foto: Reprodução/Facebook)

A mais de um ano para as eleições de 2018, surge um possível nome para concorrer ao parlamento alagoano: Cláudio dos Santos Nogueira, mais conhecido como Dinho Kapp, do bordão "Oh, Papa-Capim dos meus sonhos". Ele se filiou na última terça-feira, 8, ao Partido Social Democrático (PSD), legenda do ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.

Pelo Facebook, a entrada de Dinho Kapp, que ficou famoso no WhatsApp, foi divulgada na página do presidente do partido em Alagoas, Maykon Beltrão, que é irmão do ministro do Turismo Marx Beltrão.

Na cidade de alagoas existem exemplos similares. Lobão, músico e produtor de filmes pornôs, foi o vereador mais votado no pleito municipal de Maceió em 2016, atingindo quase 25 mil votos.

Confira o vídeo que viralizou:

O POVO Online

Editado por Victor235

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Don_aCHiles

Jogada de marketing, na boa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
E.R

PRESIDENTE - BRASIL - 2018 :

Imagem

. Lula (PT)
. Jair Bolsonaro (Patriota)
. Marina Silva (Rede)
. Álvaro Dias (Podemos)
. Ciro Gomes (PDT)
. Geraldo Alckmin (PSDB) 
. Henrique Meirelles (PSD)
. Guilherme Boullos (PSOL) 
. Luciano Huck (DEM) ou (Novo)

-

Imagem
RIO DE JANEIRO - 2018 :

GOVERNADOR
. Eduardo Paes (PMDB)
. Romário (Podemos)
. Índio da Costa (PSD)
. Bernardinho (Partido Novo)

SENADOR
. Chico Alencar (PSOL)
. Martha Rocha (PDT)

DEPUTADO FEDERAL

. Marcelo Freixo (PSOL)

. Otávio Leite (PSDB)

Imagem

SÃO PAULO - 2018 :

GOVERNADOR
. David Uip (PSDB) ou Luiz Felipe d’Avila (PSDB)
. Fernando Haddad (PT) ou Luiz Marinho (PT)
. Márcio França (PSB)
. Gilberto Kassab (PSD)
. Paulo Skaf (PMDB)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×