Jump to content
Sign in to follow this  
Bugiga

Fanfics e Remakes

Recommended Posts

Alan1509

A MOEDA PERDIDA NO RESTAURANTE (feito por Seu Furtado)

Ano: 1995

Personagens: Chaves, Nhonho, Dona Florinda e Pópis.

Sinopse: Nhonho perde uma moeda no Restaurante e começa a procurar.

Plano no restaurante. Chaves está varrendo o chão. Nhonho chega afobado e correndo.

NHONHO - O que está fazendo Chaves?

CHAVES - Ora, não vê que estou varrendo?!

NHONHO - Sim... ei Chaves você viu uma moeda de 30 mangos? Eu acho que está aqui.

CHAVES - Não!

NHONHO - Vou procurar, está bem Chavinho?

CHAVES - Zás, zás, e a gente procurava, e a gente achava e zás!

NHONHO - Tá, tá, vamos procurar!

Chaves e Nhonho começam a procurar a moeda. Pópis está entrando no restauarante.

PÓPIS - Tia Florinda?

CHAVES - Sua tia saiu Pópis.

PÓPIS - Está bem. O que estão fazendo?

CHAVES - Estamos pro... estamos brincando de esconde-esconde!

PÓPIS - Está mentindo! O que estão procurando?

CHAVES - A moeda perdida, não, não, a perdida da moeda!

NHONHO - Chaves, como você é burro, era segredo!

CHAVES - Pois, pois...

NHONHO - Cala a boca, Chaves. (Nhonho faz uma cara de enjoado) Ai, ai, acho aquelas empanadas não fizeram bem (ele corre para o banheiro)!

PÓPIS - Vamos continuar procurando, Chaves. Mas você sabe que eu também perdi uma moeda de 30 mangos?

CHAVES - Vamos procurar!

PÓPIS - Achei!

CHAVES - Achou?

PÓPIS - Mas não diz pro Nhonho está bem!

CHAVES - Tá!

Pópis sai do restaurante. Nhonho volta do banheiro.

NHONHO - E então Chaves achou minha moeda?

CHAVES - Sim, digo não!

NHONHO - Como?

CHAVES - Não!

NHONHO - Bom Chaves, quando você achar me chama?

CHAVES - Sim, a Pópis também achou uma moeda.

NHONHO - É? De quanto era?

CHAVES - 30 mangos!

NHONHO - Ai Chaves, era a minha moeda?

CHAVES - É?

NHONHO - Sim, e eu ia te dar a moeda pra comprar um.. sanduíche de presunto. Tenta tirar a moeda da Pópis!

CHAVES - Zás, zás, e a gente tirava a moeda, e a gente comprava o sanduíche e zás!

Pópis entra no restaurante

NHONHO - Pergunta pra ela assim: qual é o animal que tira o mel da flor?

CHAVES - Qual?

NHONHO - O que te acerta o cheirador! Faz isso na Pópis.

CHAVES - Tá bom! Pópis?

PÓPIS - Eu.

CHAVES - Qual é o animal que tira o mel da flor?

PÓPIS - O que te acerta o cheirador!

CHAVES - Nhonho, você viu.

NHONHO - Sim, sim Chaves. Agora pergunta: qual é o menor animal do mundo?

CHAVES - A formiga.

NHONHO - Que te acerta na barriga! Fala isso pra Pópis!

CHAVES - Tá legal! Pópis, qual é o menor animal do mundo?

PÓPIS - O besouro.

CHAVES - Não, assim não dá!

PÓPIS - Eu pergunto então. Qual é o menor animal do mundo?

CHAVES - A formiga!

PÓPIS - Que te acerta na barriga!

Dona Florinda entra no restaurante.

FLORINDA - Eu vi tudo Pópis! Agora você vai ver quem vai contar tudo pra sua mãe!

PÓPIS - Não tia!

FLORINDA - Vamos!

Florinda e Pópis saem. Nhonho e Chaves ficam com cara de bobos.

ACABA A ESQUETE

Por que não usou a Chiquinha? Ficou extremamente esquisito a Pópis dando uma de esperta. Seria mais fácil a Pópis ter perdido a moeda e o Nhonho tê-la encontrado, entendeu?

E no final, a Dona Florinda batendo na Pópis, ficou muito estranho também. Você poderia ter elaborado outro final, de sua autoria

Share this post


Link to post
MVNS

Gostei MVNS, muito fictícia :P

Nota 9,5

Dois erros aqui:

"Seu Madruga: Porquê será?"

PS.: Não se usa o "porque" com acento no começo de frase e muito menos o "porque" junto :joinha:

PS.: "Quico e Chaves: Oh, e agora, quem pdoerá nos ajudar?" → poderá*

Quico: He,he, errar é humano não?

:P

Share this post


Link to post
Gustavo-CH

Chaves

O atropelamento - remake 1979 - Carlos Villagran volta ao elenco, Ramon Valdez continua fora por problemas de saúde

Era noite no restaurante de Dona Florinda; Chaves, Chiquinha e Quico estão sentados em cadeiras próximas a uma mesa do restaurante de Dona Florinda, que estava observando os garotos que já estavam impacientes:

Chaves: Já quero ir...

Chiquinha: E eu também...

Quico: Já é muito tarde...

Dona Florinda: É exatamente por isso que não posso deixar irem sozinhos...

Chaves: Por que se a vizinhança é muito perto?

Dona Florinda: Sim, mas você está aqui por trabalhar comigo e devo responder por você...

Chaves: Você deve responder por mim?

Dona Florinda: Claro.

Quico: Olha Chaves, você acha que nos pode acontecer algo?

Chaves olha para Dona Florinda, não respondendo o garoto:

Quico: Chaves...

O bochechudo chamava outra vez. Desta vez Chaves olha para Quico:

Quico: Estou falando!

Chaves: Não acaba de ouvir que a Dona Florinda deve responder por mim?

Dona Florinda: Ai Chaves... Quero dizer que eu sou responsável pelo que aconteça com você...

Chiquinha: Sim, é verdade. E o que acontece comigo não importa se me arranquem um braço, né?

Dona Florinda: Não é isso, não é que não trabalha aqui que não devo vigia-la.

Chiquinha: Obrigada.

Dona Florinda: Também devo cuidar de você...

Chiquinha: Então o que espera para nos acompanhar até a vizinhança!?

Chiquinha e os outros já estavam cansados de esperar para que Dona Florinda fechasse o restaurante e, fosse todos de volta a vila:

Dona Florinda: É que vem ai o Professor Girafales...

Chaves, Chiquinha e Quico: Uuuhh...

Sabiam que não iriam embora tão cedo:

Dona Florinda: Ele não vai delongar... Não entendo porque ele está demorando.

Chiquinha: Pelo calor que está fazendo...

Dona Florinda: O que tem haver o calor?

Chiquinha: O calor cansa os corpos...

Quico: E se um carro o atropelou?

Dona Florinda: Não! Ai Quico, você deve ver que... Você deve ver que o que acontece é que...

Quico: Sim mamãe, mas é que...

Dona Florinda: Já! Já! Ele pode estar na escola corrigindo os trabalhos de vocês...

Chaves: Se for corrigir não vai passar toda noite...

Chiquinha: Isso, isso, isso!

Dona Florinda: Além disso, a escola não é mais que 3 quadras daqui...

Quico: Sim, mas na primeira quadra há uma senhora muito bela... E, bom...

Dona Florinda: Err, então... Acho que devo procurá-lo.

Chaves: E nós três vamos para a vizinhança...

Dona Florinda: Não! Não! Vocês esperam aqui!

Chaves, Chiquinha e Quico: Nããão...

Dona Florinda: Sim...

Chaves, Chiquinha e Quico: Nããão...

Dona Florinda: Sim!

Chaves, Chiquinha e Quico: Nããão...

Dona Florinda: Calem-se! Calem-se! Calem-se! Vocês me deixam louca!

Chaves, Chiquinha e Quico: Ta bom, mas não se irrite!

Chaves: E, se a senhora também for atropelada por um carro?

Dona Florinda: Ai... Esquece!

Dona Florinda saiu do restaurante para buscar ao professor:

Chiquinha: Já foi embora a Dona Florinda, vamos ir...

Chiquinha pegou Chaves pelo seu braço, estava disposta à ir embora dali:

Quico: Não vão!

Chiquinha: Por que não, Quico?

Quico: Por que quando ser grande quero ser o que manda no trabalho...

Chaves: E...?

Quico: E o que vai acontecer se só aprender a obedecer?

Professor Girafales entra no restaurante:

Professor Girafales: Boa noite, boa noite!

Quico: Minha mamãe foi procurá-lo na escola.

Professor Girafales: Puxa...

Chiquinha: Vou procurá-la pra você...

A garota foi apressada até a porta do restaurante

Professor Girafales: Não...!

O mestre puxou a garota pelo braço:

Professor Girafales: E muito menos correndo! Não sabe que nessa cidade uma pessoa é atropelada a cada 20 minutos?

Chaves: Puxa, como deve ta o coitado...

Professor Girafales: Não, não, não, Chaves...

O professor gargalhou:

Professor Girafales: A uma pessoa aleatória atropela um carro à cada 20 minutos...

Quico: Ah! Entendi! Então esperamos que atropele uma pessoa, saímos 19 minutos para a rua e...

Professor Girafales: Não, não... Tampouco é assim, Quico...

Chaves: Mas professor, eu já sai muitas vezes para a rua e nunca fui atropelado por um carro...

Professor Girafales: Chaves não sou eu quem diz! São as estatísticas!

Quico: E devemos dar ouvidos à essas velhas mentirosas?

Professor Girafales: Que velhas mentirosas?

Quico: Ora, as estatísticas!

Professor Girafales zangado com o garoto, se aproxima dele:

Quico: As “canibalisticas”...?

O homem alto continuava calado e zangado, ainda próximo ao garoto, que tentava acertar:

Quico: As bruxas que nem a Dona Clotilde, isso sim! ... Não?

O mestre de classe ainda não dizia nada ao menino:

Quico: As velhinhas do asilo público!? Não deu!

Professor Girafales: As estatísticas não são senhoras, nem bruxas e muito menos velhas canibali... Cani... Canibalist...

Quico: Canibalisticas!

Professor Girafales: Também não, e nem bruxas! Escutem crianças, a estatística é a ciência que pesquisa acidentes, e analisa sua quantidade e freqüência para estabelecer leis que permitam soluções racionáveis.

As crianças ficam boquiabertas, não entendendo nada que o professor havia lhes falado:

Professor Girafales: E você sabia Chiquinha... Que cada vez que o Chavinho respira, morre uma pessoa no mundo?

Chaves: Mas, eu num posso parar de respirar! Porque se não quem vai morrer será eu...

Professor Girafales: Ah, esqueçam! Bem, esperem aqui eu vou... É, eu vou... Não demoro!

Professor Girafales caminha até a porta do banheiro e muda a placa de “mulheres” para “cavalheiros”, abrindo e entrando para o toilet:

Chiquinha: Chaves, Quico! Para nos divertimos que tal brincarmos de atropelados?

Chaves: Zás! Zás! E nós brincávamos de atropelados, e zás! Zás!

Quico: Ta legal!!!

Chiquinha: Viu, eu estava dirigindo por ai alegremente e atropelava o Chaves, depois...

Chaves: Não, não, não, não, não... Eu estava dirigindo e te atropelo.

Chiquinha: De nenhuma maneira eu vou, quero ser a motorista.

Chaves: Não, eu quero ser o motorista.

Chiquinha: Não, eu quero ser a motorista!

Chaves: Não, eu quero ser o motorista!!

Chiquinha: Não, eu quero ser a motorista!!!

Chaves: Não, eu...

Quico se irrita ao extremo:

Quico: Ai! Calem-se! Calem-se! Calem-se! Vocês me deixam louco!!

Chiquinha: Cala a boca cara de lua cheia.

A menina empurrou a mesa para cima de Quico, que foi atingido por trás:

Quico: Aaaaaai!!!!!!!!

O menino irritado pega uma vassoura e corre atrás de Chiquinha que foge em direção à cozinha do restaurante aos berros, sendo perseguida pelo filho de Dona Florinda. A mãe do garoto entra no restaurante assustada com os gritos e se aproxima de Chaves para lhe perguntar o que havia acontecido:

Dona Florinda: O que houve, Chavinho!?

Chaves: Atropelaram o Quico.

Dona Florinda: Ah, não! Meu tesouro! Minha relíquia! Eu sabia que isso iria acontecer!

Professor Girafales assustado sai do banheiro para saber o que estava ocorrendo ali:

Professor Girafales: O que foi Dona Florinda?

Dona Florinda: Atropelou seu filho, professor! Digo, atropelaram o Quico! O que faremos?

Professor Girafales: Bom, vou até o orelhão e ligar para a cruz vermelha!

Dona Florinda: Viu Chaves!? Eu disse claramente que não podia sair na rua pra...

A valentona do 14 muda a direção dos seus olhos para a cozinha o restaurante, vendo seu filho Quico que estava de costas para ela:

Quico: E da próxima vez, Chiquinha. Vai ser bem pior!

Chiquinha: Ué! Ué! Ué! Ué! Ué!

Chiquinha saiu chorando de dentro da cozinha, fazendo Dona Florinda ficar aliviada. Passou um tempo e todas as crianças estavam no centro da recepção do restaurante, levando sermões de Dona Florinda:

Dona Florinda: E você Chaves, por que não me disse que se tratava de uma brincadeira?

Chaves: Porque a senhora num me “preguntou”...

Dona Florinda: Vou buscar o Mestre Lingui... Digo, o professor Girafales e vou explicar tudo...

Dona Florinda andou até a porta do restaurante, porém parou para dizer mais algumas coisas para as crianças da vizinhança:

Dona Florinda: E vocês esperem aqui!

Todas as crianças: Está bem!

Quico: A culpa de tudo é sua, Chiquinha por ter me atropelado de verdade, ô!

Chiquinha: Mas, mas... Era para parecer que foi atropelado de verdade. Pois é, pois é, pois é...

Quico: Ah, ta... Então que tal você me sujar com aquele molho de tomate que está ali na cozinha!?

Chaves: Isso, isso, isso, isso! Traga-a!

Quico foi correndo até a cozinha, permanecendo lá em busca do molho de tomate. Enquanto isso, Chaves e Chiquinha continuavam na recepção:

Chiquinha: Vamos seguir você e eu jogando, Chaves! Bom, então... Eu sou a cruz vermelha!

Chaves: E eu a cruz azul!

Chiquinha: Não, não Chavinho... Melhor você ser o agente de transito...

Chaves: Isso, isso, isso, isso! Que chegava em minha moto e ia e...

Chiquinha: Bom, você tem a moto e eu fico com a sirene da ambulância...

Chiquinha gritou imitando o barulho de uma sirene de ambulância e Chaves imitou o barulho de uma moto que dá partida. Professor Girafales entra no restaurante e vai falar com Chaves (que já havia parado de fazer o barulho da moto) e se assusta com o grito de Chiquinha imitando a ambulância:

Professor Girafales: Já, já, já... Chiquinha. Já passou, Chiquinha... Eu sei quanto é duro perder um amigo, mas segue a vida...

Chiquinha: Hein?

Professor Girafales: Chaves, pode-me dizer onde está o corpo?

Chaves: Debaixo da cabeça.

Professor Girafales: Que? Estou me referindo ao corpo de Quico.

Chaves: Também, o que acha que o Quico tem debaixo da cabeça? Aquele pescoção dele?

Quico: Eu to ouvindo, hein!

Quico gritou já detrás do balcão:

Professor Girafales: Não dê importância, que falta de... Não foi atropelado!?

Chiquinha: Sim, de brincadeira...

Professor Girafales: Eu os mato!

Chaves: Estamos brincando de verdade, mas não tanto!

O garoto bochechudo continuava atrás do balcão sem dizer nada:

Professor Girafales: Onde está Dona Florinda?

Chiquinha: Foi buscar o senhor pela rua...

Professor Girafales: Volto depois, e vocês não se movam daqui!

O mestre de classe novamente saiu do restaurante, dessa vez em busca de Dona Florinda:

Quico: Já, já, já...

Quico saiu detrás do balcão e com o molho de tomate na mão chegou próximo às outras crianças:

Quico: Aqui está o molho de tomate...

Chiquinha: Bom, bom! Anda! Finja-se de atropelado!

Quico se deitou no chão do restaurante com os braços e as pernas abertos:

Chiquinha: Muito bem Quico, onde quer que eu coloque!?

Quico: Primeiro nos meus bracinhos! Hihihihi! Muito, muito, muito! Mais!

A garota continuava a colocar mais molho de tomate no menino, até encher de molho toda o terninho do menino:

Chiquinha: Quico ficou muito bom!

Dona Florinda entra neste exato momento ao restaurante e desmaia assustada com a cena:

Chaves: Chiquinha, a Dona Florinda também está brincando de atropelados?

Chiquinha: Que brincando o que!

A garota se agacha tentando reanimar a velha e sem querer deixa cair molho de tomate encima da roupa da mãe de Quico:

Chiquinha: Ai, perdão Dona Florinda!

A mulher continuava desmaiada, Professor Girafales entra no restaurante falando com Chaves:

Professor Girafales: Onde está Dona Florinda? Eu estou procurando por toda a parte...

O mestre disse, não notando que sua amada estava ali desmaiada:

Professor Girafales: Pode-me dizer onde está?

Chaves apontou o dedo em direção de Dona Florinda, avisando o professor onde estava a mulher. Professor Girafales vê e fica desesperado:

Professor Girafales: Ai, a Dona Florinda não está brincando!? Ou está!? O telefone! O telefone!!!

O pedagogo saiu desesperado pela porta do restaurante. Quico vendo toda a situação se senta no chão, não estando mais deitado como antes:

Chiquinha: Professor, cuidado com o carro!!!!!!!!

Se ouve um carro derrapando e o barulho dele atingindo Girafales.As crianças ficam impressionadas com a cena. No outro dia, Professor Girafales, com a perna engessada, estava sentado na cadeira do restaurante e Dona Florinda estava lhe servindo uma xícara de café. Haviam pessoas ali que pelo jeito nem sabiam da situação:

Dona Florinda: Aqui está, professor...

Dona Florinda serviu a xícara, Professor Girafales agradeceu. As crianças estavam próximas à porta observando a situação:

Quico: Ou seja, os adultos tampouco devem sair correndo pela rua...

Chiquinha: Mas é claro que não, a culpa não foi do Professor Girafales... Sim das estatísticas!

Chaves: Isso, isso, isso, isso!

E assim se encerra o episódio.

Edited by Gustavo-CH

Share this post


Link to post
Seu Furtado

Por que não usou a Chiquinha? Ficou extremamente esquisito a Pópis dando uma de esperta. Seria mais fácil a Pópis ter perdido a moeda e o Nhonho tê-la encontrado, entendeu?

E no final, a Dona Florinda batendo na Pópis, ficou muito estranho também. Você poderia ter elaborado outro final, de sua autoria

Ok, obrigado pela opinião Alan.

Não coloquei a Chiquinha pois aí a Maria Antonieta já teria saído do programa Chespirito pra fazer Aquí está la Chilindrina.

Share this post


Link to post
Don_aCHiles

Chaves

O atropelamento - remake 1979 - Carlos Villagran volta ao elenco, Ramon Valdez continua fora por problemas de saúde

Era noite no restaurante de Dona Florinda; Chaves, Chiquinha e Quico estão sentados em cadeiras próximas a uma mesa do restaurante de Dona Florinda, que estava observando os garotos que já estavam impacientes:

Chaves: Já quero ir...

Chiquinha: E eu também...

Quico: Já é muito tarde...

Dona Florinda: É exatamente por isso que não posso deixar irem sozinhos...

Chaves: Por que se a vizinhança é muito perto?

Dona Florinda: Sim, mas você está aqui por trabalhar comigo e devo responder por você...

Chaves: Você deve responder por mim?

Dona Florinda: Claro.

Quico: Olha Chaves, você acha que nos pode acontecer algo?

Chaves olha para Dona Florinda, não respondendo o garoto:

Quico: Chaves...

O bochechudo chamava outra vez. Desta vez Chaves olha para Quico:

Quico: Estou falando!

Chaves: Não acaba de ouvir que a Dona Florinda deve responder por mim?

Dona Florinda: Ai Chaves... Quero dizer que eu sou responsável pelo que aconteça com você...

Chiquinha: Sim, é verdade. E o que acontece comigo não importa se me arranquem um braço, né?

Dona Florinda: Não é isso, não é que não trabalha aqui que não devo vigia-la.

Chiquinha: Obrigada.

Dona Florinda: Também devo cuidar de você...

Chiquinha: Então o que espera para nos acompanhar até a vizinhança!?

Chiquinha e os outros já estavam cansados de esperar para que Dona Florinda fechasse o restaurante e, fosse todos de volta a vila:

Dona Florinda: É que vem ai o Professor Girafales...

Chaves, Chiquinha e Quico: Uuuhh...

Sabiam que não iriam embora tão cedo:

Dona Florinda: Ele não vai delongar... Não entendo porque ele está demorando.

Chiquinha: Pelo calor que está fazendo...

Dona Florinda: O que tem haver o calor?

Chiquinha: O calor cansa os corpos...

Quico: E se um carro o atropelou?

Dona Florinda: Não! Ai Quico, você deve ver que... Você deve ver que o que acontece é que...

Quico: Sim mamãe, mas é que...

Dona Florinda: Já! Já! Ele pode estar na escola corrigindo os trabalhos de vocês...

Chaves: Se for corrigir não vai passar toda noite...

Chiquinha: Isso, isso, isso!

Dona Florinda: Além disso, a escola não é mais que 3 quadras daqui...

Quico: Sim, mas na primeira quadra há uma senhora muito bela... E, bom...

Dona Florinda: Err, então... Acho que devo procurá-lo.

Chaves: E nós três vamos para a vizinhança...

Dona Florinda: Não! Não! Vocês esperam aqui!

Chaves, Chiquinha e Quico: Nããão...

Dona Florinda: Sim...

Chaves, Chiquinha e Quico: Nããão...

Dona Florinda: Sim!

Chaves, Chiquinha e Quico: Nããão...

Dona Florinda: Calem-se! Calem-se! Calem-se! Vocês me deixam louca!

Chaves, Chiquinha e Quico: Ta bom, mas não se irrite!

Chaves: E, se a senhora também atropele um carro?

Dona Florinda: Ai... Esquece!

Dona Florinda saiu do restaurante para buscar ao professor:

Chiquinha: Já foi embora a Dona Florinda, vamos ir...

Chiquinha pegou Chaves pelo seu braço, estava disposta à ir embora dali:

Quico: Não vão!

Chiquinha: Por que não, Quico?

Quico: Por que quando ser grande quero ser o que manda no trabalho...

Chaves: E...?

Quico: E o que vai acontecer se só aprender a obedecer?

Professor Girafales entra no restaurante:

Professor Girafales: Boa noite, boa noite!

Quico: Minha mamãe foi procurá-lo na escola.

Professor Girafales: Puxa...

Chiquinha: Vou procurá-la pra você...

A garota foi apressada até a porta do restaurante

Professor Girafales: Não...!

O mestre puxou a garota pelo braço:

Professor Girafales: E muito menos correndo! Não sabe que nessa cidade uma pessoa é atropelada a cada 20 minutos?

Chaves: Puxa, como deve ta o coitado...

Professor Girafales: Não, não, não, Chaves...

O professor gargalhou:

Professor Girafales: A uma pessoa aleatória atropela um carro à cada 20 minutos...

Quico: Ah! Entendi! Então esperamos que atropele uma pessoa, saímos 19 minutos para a rua e...

Professor Girafales: Não, não... Tampouco é assim, Quico...

Chaves: Mas professor, eu já sai muitas vezes para a rua e nunca fui atropelado por um carro...

Professor Girafales: Chaves não sou eu quem diz! São as estatísticas!

Quico: E devemos dar ouvidos à essas velhas mentirosas?

Professor Girafales: Que velhas mentirosas?

Quico: Ora, as estatísticas!

Professor Girafales zangado com o garoto, se aproxima dele:

Quico: As “canibalisticas”...?

O homem alto continuava calado e zangado, ainda próximo ao garoto, que tentava acertar:

Quico: As bruxas que nem a Dona Clotilde, isso sim! ... Não?

O mestre de classe ainda não dizia nada ao menino:

Quico: As velhinhas do asilo público!? Não deu!

Professor Girafales: As estatísticas não são senhoras, nem bruxas e muito menos velhas canibali... Cani... Canibalist...

Quico: Canibalisticas!

Professor Girafales: Também não, e nem bruxas! Escutem crianças, a estatística é a ciência que pesquisa acidentes, e analisa sua quantidade e freqüência para estabelecer leis que permitam soluções racionáveis.

As crianças ficam boquiabertas, não entendendo nada que o professor havia lhes falado:

Professor Girafales: E você sabia Chiquinha... Que cada vez que o Chavinho respira, morre uma pessoa no mundo?

Chaves: Mas, eu num posso parar de respirar! Porque se não quem vai morrer será eu...

Professor Girafales: Ah, esqueçam! Bem, esperem aqui eu vou... É, eu vou... Não demoro!

Professor Girafales caminha até a porta do banheiro e muda a placa de “mulheres” para “cavalheiros”, abrindo e entrando para o toilett:

Chiquinha: Chaves, Quico! Para nos divertimos que tal brincarmos de atropelados?

Chaves: Zás! Zás! E nós brincávamos de atropelados, e zás! Zás!

Quico: Ta legal!!!

Chiquinha: Viu, eu estava dirigindo por ai alegremente e atropelava o Chaves, depois...

Chaves: Não, não, não, não, não... Eu estava dirigindo e te atropelo.

Chiquinha: De nenhuma maneira eu vou, quero ser a motorista.

Chaves: Não, eu quero ser o motorista.

Chiquinha: Não, eu quero ser a motorista!

Chaves: Não, eu quero ser o motorista!!

Chiquinha: Não, eu quero ser a motorista!!!

Chaves: Não, eu...

Quico se irrita ao extremo:

Quico: Ai! Calem-se! Calem-se! Calem-se! Vocês me deixam louco!!

Chiquinha: Cala a boca cara de lua cheia.

A menina empurrou a mesa para cima de Quico, que foi atingido por trás:

Quico: Aaaaaai!!!!!!!!

O menino irritado pega uma vassoura e corre atrás de Chiquinha que foge em direção à cozinha do restaurante aos berros, sendo perseguida pelo filho de Dona Florinda. A mãe do garoto entra no restaurante assustada com os gritos e se aproxima de Chaves para lhe perguntar o que havia acontecido:

Dona Florinda: O que houve, Chavinho!?

Chaves: Atropelaram o Quico.

Dona Florinda: Ah, não! Meu tesouro! Minha relíquia! Eu sabia que isso iria acontecer!

Professor Girafales assustado sai do banheiro para saber o que estava ocorrendo ali:

Professor Girafales: O que foi Dona Florinda?

Dona Florinda: Atropelou seu filho, professor! Digo, atropelaram o Quico! O que faremos?

Professor Girafales: Bom, vou até o orelhão e ligar para a cruz vermelha!

Dona Florinda: Viu Chaves!? Eu disse claramente que não podia sair na rua pra...

A valentona do 14 muda a direção dos seus olhos para a cozinha o restaurante, vendo seu filho Quico que estava de costas para ela:

Quico: E da próxima vez, Chiquinha. Vai ser bem pior!

Chiquinha: Ué! Ué! Ué! Ué! Ué!

Chiquinha saiu chorando de dentro da cozinha, fazendo Dona Florinda ficar aliviada. Passou um tempo e todas as crianças estavam no centro da recepção do restaurante, levando sermões de Dona Florinda:

Dona Florinda: E você Chaves, por que não me disse que se tratava de uma brincadeira?

Chaves: Porque a senhora num me “preguntou”...

Dona Florinda: Vou buscar o Mestre Lingui... Digo, o professor Girafales e vou explicar tudo...

Dona Florinda andou até a porta do restaurante, porém parou para dizer mais algumas coisas para as crianças da vizinhança:

Dona Florinda: E vocês esperem aqui!

Todas as crianças: Está bem!

Quico: A culpa de tudo é sua, Chiquinha por ter me atropelado de verdade, ô!

Chiquinha: Mas, mas... Era para parecer que foi atropelado de verdade. Pois é, pois é, pois é...

Quico: Ah, ta... Então que tal você me sujar com aquele molho de tomate que está ali na cozinha!?

Chaves: Isso, isso, isso, isso! Traga-a!

Quico foi correndo até a cozinha, permanecendo lá em busca do molho de tomate. Enquanto isso, Chaves e Chiquinha continuavam na recepção:

Chiquinha: Vamos seguir você e eu jogando, Chaves! Bom, então... Eu sou a cruz vermelha!

Chaves: E eu a cruz azul!

Chiquinha: Não, não Chavinho... Melhor você ser o agente de transito...

Chaves: Isso, isso, isso, isso! Que chegava em minha moto e ia e...

Chiquinha: Bom, você tem a moto e eu fico com a sirene da ambulância...

Chiquinha gritou imitando o barulho de uma sirene de ambulância e Chaves imitou o barulho de uma moto que dá partida. Professor Girafales entra no restaurante e vai falar com Chaves (que já havia parado de fazer o barulho da moto) e se assusta com o grito de Chiquinha imitando a ambulância:

Professor Girafales: Já, já, já... Chiquinha. Já passou, Chiquinha... Eu sei quanto é duro perder um amigo, mas segue a vida...

Chiquinha: Hein?

Professor Girafales: Chaves, pode-me dizer onde está o corpo?

Chaves: Debaixo da cabeça.

Professor Girafales: Que? Estou me referindo ao corpo de Quico.

Chaves: Também, o que acha que o Quico tem debaixo da cabeça? Aquele pescoção dele?

Quico: Eu to ouvindo, hein!

Quico gritou já detrás do balcão:

Professor Girafales: Não dê importância, que falta de... Não foi atropelado!?

Chiquinha: Sim, de brincadeira...

Professor Girafales: Eu os mato!

Chaves: Estamos brincando de verdade, mas não tanto!

O garoto bochechudo continuava atrás do balcão sem dizer nada:

Professor Girafales: Onde está Dona Florinda?

Chiquinha: Foi buscar o senhor pela rua...

Professor Girafales: Volto depois, e vocês não se movam daqui!

O mestre de classe novamente saiu do restaurante, dessa vez em busca de Dona Florinda:

Quico: Já, já, já...

Quico saiu detrás do balcão e com o molho de tomate na mão chegou próximo às outras crianças:

Quico: Aqui está o molho de tomate...

Chiquinha: Bom, bom! Anda! Finja-se de atropelado!

Quico se deitou no chão do restaurante com os braços e as pernas abertos:

Chiquinha: Muito bem Quico, onde quer que eu coloque!?

Quico: Primeiro nos meus bracinhos! Hihihihi! Muito, muito, muito! Mais!

A garota continuava a colocar mais molho de tomate no menino, até encher de molho toda o terninho do menino:

Chiquinha: Quico ficou muito bom!

Dona Florinda entra neste exato momento ao restaurante e desmaia assustada com a cena:

Chaves: Chiquinha, a Dona Florinda também está brincando de atropelados?

Chiquinha: Que brincando o que!

A garota se agacha tentando reanimar a velha e sem querer deixa cair molho de tomate encima da roupa da mãe de Quico:

Chiquinha: Ai, perdão Dona Florinda!

A mulher continuava desmaiada, Professor Girafales entra no restaurante falando com Chaves:

Professor Girafales: Onde está Dona Florinda? Eu estou procurando por toda a parte...

O mestre disse, não notando que sua amada estava ali desmaiada:

Professor Girafales: Pode-me dizer onde está?

Chaves apontou o dedo em direção de Dona Florinda, avisando o professor onde estava a mulher. Professor Girafales vê e fica desesperado:

Professor Girafales: Ai, a Dona Florinda não está brincando!? Ou está!? O telefone! O telefone!!!

O pedagogo saiu desesperado pela porta do restaurante. Quico vendo toda a situação se senta no chão, não estando mais deitado como antes:

Chiquinha: Professor, cuidado com o carro!!!!!!!!

Se ouve um carro derrapando e o barulho dele atingindo Girafales.As crianças ficam impressionadas com a cena. No outro dia, Professor Girafales, com a perna engessada, estava sentado na cadeira do restaurante e Dona Florinda estava lhe servindo uma xícara de café. Haviam pessoas ali que pelo jeito nem sabiam da situação:

Dona Florinda: Aqui está, professor...

Dona Florinda serviu a xícara, Professor Girafales agradeceu. As crianças estavam próximas à porta observando a situação:

Quico: Ou seja, os adultos tampouco devem sair correndo pela rua...

Chiquinha: Mas é claro que não, a culpa não foi do Professor Girafales... Sim das estatísticas!

Chaves: Isso, isso, isso, isso!

E assim se encerra o episódio.

Caramba, eu adorei esse remake, com certeza nota 10,0

Você é quem mais faz remakes com perfeição, agora em criatividade com certeza é o Chaves1000, que por falar nisso faz tempo que não faz uma fic aqui :triste:

Parabéns Gustavo :joia:

Ah e tem dois erros aqui:

"Chaves: E, se a senhora também atropele um carro?"

O correto é: "Chaves: E, se a senhora também for atropelado por um carro?" :joinha:

"Professor Girafales caminha até a porta do banheiro e muda a placa de “mulheres” para “cavalheiros”, abrindo e entrando para o toilett:"

*toilet

:joinha:

Share this post


Link to post
Gustavo-CH

Caramba, eu adorei esse remake, com certeza nota 10,0

Você é quem mais faz remakes com perfeição, agora em criatividade com certeza é o Chaves1000, que por falar nisso faz tempo que não faz uma fic aqui :triste:

Parabéns Gustavo :joia:

Ah e tem dois erros aqui:

"Chaves: E, se a senhora também atropele um carro?"

O correto é: "Chaves: E, se a senhora também for atropelado por um carro?" :joinha:

"Professor Girafales caminha até a porta do banheiro e muda a placa de “mulheres” para “cavalheiros”, abrindo e entrando para o toilett:"

*toilet

:joinha:

Muito obrigado, o próximo não vai ser remake. Vai ser original, aliás, eu até agora fiz apenas 1 remake que foi esse. =]

Share this post


Link to post
Don_aCHiles

Muito obrigado, o próximo não vai ser remake. Vai ser original, aliás, eu até agora fiz apenas 1 remake que foi esse. =]

Mas só esse remake deu conta do recado já :D

Esperando o próximo. ^^

Share this post


Link to post
LucasPettine

Ua pergunta: eu posso inventar a história.. ou teim que ser igual nos episódios ?

Share this post


Link to post
Julio Madruga

Ua pergunta: eu posso inventar a história.. ou teim que ser igual nos episódios ?

Pode ser qualquer um dos dois. Vc pode inventar sua própria história ou fazer uma nova versão de outro episódio que já existe.

Share this post


Link to post
LucasPettine

Nome: Um dia de mestre

Personagens: Quico, Seu Madruga, Chaves, Chiquinha, Nhonho, Professor Girafales e Popis.

Onde: Escola do Professor Girafales.

Bloco 1

Uma tarde qualquer, seu Madruga vira Professor, para ensinar as crianças.

SM - Bom dia, crianças. Como vão vocês ?

Crianças - Bom dia, Seu Madruga.

SM - Bom, vamos começar com a aula de hoje, na matéria de álgebra.

SM - Bom, suponhamos que eu tenha 20 lápis, e eu tire 2. Com quantos lápis eu fico ?

Chaves - Fica com 20

PG - Não, Chaves. Seu Madruga quer dizer, se ele tem 20 lápis, e tira 2, ele fica com 18.

CH - Ahhh, sim. Então, se é assim, sim.

SM - Bom, continuando. Quico.

Qui - Sim, Seu Madruga ?

SM - Bom, suponhamos que você tenha 50 carrinhos, e dá um pro Chaves, com quantos você fica ?

Qui - Eu fico sem, oras. Seu Madruga (Olhando bravo pro Quico) Fico com todos.. Fico com nenhum ? Fico com 5 ? É, num deu.

SM - Bom, como você é burro, Quico, vamos passar pro Nhonho agora. Pra ver se tem algum inteligente aqui nessa sala. Nhonho ?

Nhonho: Sim, seu Madruga.

SM - Bom, suponha que você tenha 20 almondega, e o Quico lhe rouba uma, você fica com quantos ?

Nesse momento, Chaves os interrompe.

Ch - Ele fica gordo, que nem o Nhonho. hihihi..

Nhonho - Olha ele hein, Olha ele..

SM - Tá, tá, tá!! vamos continuar.

Nhonho - Fico com 19.

SM - Muito bem Nhonho, muito bem. Se continuar assim, vai se dar muito bem na vida, como eu.

Todos começam a rir.

SM - O que foi ? Contei alguma piada ?

PG - Não, Seu Madruga. Nenhuma. O senhor mesmo, é uma piada.. kkkkk'

Todos continuam rindo.

Intervalo.

2º bloco

PG - Bem, agora, vamos passar para a matéria de história. Bom, Nhonho, vem até aqui.

Nhonho - Sim, profe..

PG - Bom, suponhamos que o nariz do Nhonho seja o Brasil, e uma orelha seja os EUA. O que será a outra orelha ?

Pópis - Outra orelha ?

PG olha meio desconfiado pra Pópis.

PG - Que vergonha, Meu Deus! Que vergonha. Será que vocês não entendem nada de História ?

Continua na próxima parte.

Share this post


Link to post
Léoh Monteiru

Sketch: As Carambolas

Ano: 1983

Personagens: Chaves, Chiquinha, Pópis, Jaiminho, Dona Clotilde, Dona Florinda.

Bloco 1

(Chaves está jogando a terra do vaso no chão, e Pópis chega com um algodão doce na vila)

Pópis: Olha Chaves, eu tenho um algodão doce e não te dou!

Chaves: Eu não queria mesmo!

(Pópis come o algodão doce de um jeito que faça dar vontade no Chaves)

Pópis: Hum... Está tão gostoso... Isso que me tia Florinda tinha que dar pra comer na hora do almoço!

(Chaves se irrita e joga terra no algodão doce da Pópis, ela fica irritada)

Pópis: Você vai ver Chaves, vou contar tudo pra minha tia Florinda!

(Ela entra na casa da Dona Florinda)

(Jaiminho passa e Chaves joga terra na cara dele)

Jaiminho: Tinha que ser o Chaves!

Chaves: Foi sem querer querendo!

Jaiminho: Foi sem querer querendo (Imitando)...

(Jaiminho pega o vaso)

Jaiminho: Esses vasos não são para brincar, são para enfeitar a vila...

(Dona Florinda sai e vê Jaiminho com o vaso na mão)

Dona Florinda: Ah então foi você que jogou terra no algodão da Pópis, não é? Isso que dá viver com essa gentalha!

(Ela empina o nariz e sai)

Jaiminho: Viu só Chaves, tudo por culpa dessas suas brincadeiras...

Chaves: Mas eu não tava brincando não, eu queria plantar um pezinho de carambolas!

Jaiminho: Que Carambolas que nada! Guarde esse vaso ou senão vou te dar um cascudo!

(Jaiminho vai para sua casa e Chaves começa a chorar)

(Chiquinha entra)

Chiquinha: Chaves, porque está chorando?

Chaves: Porque o Jaiminho me mandou guardar o vaso que eu ia plantar carambolas!

Chiquinha: Ora Chaves não chora... Mas acontece que ao invés de você plantar carambolas, você está sujando o pátio todo olha só!

Chaves: Nem quero mais carambola também! Vou lá à venda comprar um sanduíche de presunto!

(Chaves tira uma quantia equivalente á dois reais do bolso)

(Chiquinha olha para o dinheiro e tem uma grande idéia)

Chiquinha: Olha Chaves, sabia que ao invés de você plantar carambolas, você pode plantar dinheiro?

Chaves: Verdade?

Chiquinha: Pois é Pois é Pois é!

Chaves: E como eu faço?

Chiquinha: Você tem que enterrar a moeda no vaso, e depois regar, é simples assim!

Chaves: Só Isso?

Chiquinha: Só!

Chaves: Mas porque você não planta uma na sua casa?

Chiquinha: Por que... Por que... Eu já plantei, mas não deu certo sabe... Mas o clima do pátio é bem melhor que o da minha casa!

Chaves: Ah!

(Dona Clotilde passa)

Dona Clotilde: Escuta Chaves, que bagunça de terra é essa?

Chaves: É que eu e a Chiquinha estamos plantando uma arvore de dinheiro!

Dona Clotilde: Uma arvore de dinheiro? Não me diga!

Chaves: Pois sim, lhe digo!

Dona Clotilde: Ah é? Pois Chiquinha diga a sua bisavó que na salada se põe vinagre não cachaça!

(Dona Clotilde sai)

(Chiquinha fica com cara de brava)

Bloco 2

(Chaves água o vaso)

Chaves: Pronto, já plantei a arvore de dinheiro! E agora o que eu faço?

Chiquinha: Bom... Você vai até o outro pátio e espera eu te chamar!

Chaves: Mas por quê?

Chiquinha: Porque é uma brincadeira nova!

Chaves: E o que acontece depois?

Chiquinha: Eu vou te explicar, mas você tem que ir lá primeiro!

Chaves: Zás e você me chamava, até que eu vinha e Zás!

Chiquinha: Sim! Então vá, vá!

(Chaves sai, Chiquinha prepara-se para pegar o dinheiro, mas ele volta)

Chaves: Vê se não vai demorar muito hein?

Chiquinha: Ta, mas vai pra lá!

(Ele sai, ela dá uma espiadinha, e prepara-se para pegar a moeda, quando o Chaves volta)

Chiquinha: E agora que?

Chaves: Pensei que você já tinha me chamado!

Chiquinha: Não, quando eu te chamar, vai ser bem alto!

Chaves: Ah!

Chiquinha: Ah (imitando)

(Chaves sai, Chiquinha tenta pegar a moeda, mas ele volta)

Chaves: Chiquinha...

Chiquinha: Ora Chaves, você quer brincar, sim ou não?

Chaves: Ta bom, quero!

Chiquinha: Então você tem que ficar lá!

(Chaves sai, Chiquinha pega a moeda)

Chiquinha: CHAVES!

Chaves: Oi!

Chiquinha: Já pode vir!

Chaves: E agora como continua a brincadeira?

Chiquinha: Perdi a vontade de brincar...

(Chiquinha vai pro lado da rua)

(Jaiminho passa)

Jaiminho: Chaves, eu já não te disse para guardar esse vaso?

Chaves: Mas é que...

Jaiminho: Não quero saber vai guardar esse vaso!

Chaves: É que...

Jaiminho: Vai guardar esse vaso...

Chaves: Mas...

Jaiminho: Vai guardar esse vaso!

(Jaiminho sai, Chaves fica irritado e sai chutando tudo e chuta a Pópis)

Pópis: Vai ver só Chaves, quando a minha tia Florinda chegar vou te acusar!

(Dona Florinda entra, mas Chaves não percebe)

Chaves: Pois saiba que eu não tenho medo daquela velha feia!

(Dona Florinda o cutuca)

Chaves: Espera... Daquela Velha Carcomida!

(Dona Florinda o cutuca)

Chaves: Espera... Não tenho medo da Velha Encrenqueira!

(Dona Florinda o cutuca)

Chaves: Espera e...

(Chaves olha)

Dona Florinda: Que disse Chaves?

Chaves: É que me escapuliu!

Dona Florinda: É que me escapuliu (imitando)! Só isso que se espera dessa gentalha!

(Dona Florinda entra na casa dela)

Chaves: Eu tenho que guardar esse vaso, se não o Jaiminho cara de cebola vai me bater, mas antes vou tirar minha moeda daqui!

(Ele começa a procurar a moeda, fazendo a maior sujeira)

Chaves: Mas a moeda não ta aqui!

Pópis: Não! Eu vi tudo da janela da casa da minha tia, a Chiquinha pegou o dinheiro!

(Chiquinha chega à vila com um algodão doce na mão)

Chiquinha: Olha Chaves, eu tenho um algodão doce e não te dou nem um pedacinho!

Chaves: Você não vai me dar um pedacinho, vai me dar é tudo!

(Ele toma o algodão dela)

Chaves: A Pópis me disse que você pegou a moeda no vaso!

Chiquinha: Tudo por culpa dessa intrometida da Pópis! Mas pode deixar, vou pedir dinheiro pra minha bisavó e vou comprar quantos algodões doces eu quiser!

(Chiquinha entra na casa dela)

Chaves: Agora eu tenho esse algodão doce sozinho, só pra mim!

(Pópis toma o algodão do Chaves)

Pópis: Você jogou terra no meu algodão hoje, portanto esse é meu!

(Chaves sai chorando, e Dona Clotilde passa com todos algodões doces do vendedor)

Dona Clotilde: Fiquei tão comovida em ver você plantar carambolas hoje, que decidi te dar um presente!Toma Chaves, aqui está todos esses algodões doces são pra você!

Chaves: Obrigado!

(Dona Clotilde entra, Chaves vê Pópis e Chiquinha olhando pros algodões doce e então decide dividir com elas)

Share this post


Link to post
Don_aCHiles

Nome: Um dia de mestre

Personagens: Quico, Seu Madruga, Chaves, Chiquinha, Nhonho, Professor Girafales e Popis.

Onde: Escola do Professor Girafales.

Bloco 1

Uma tarde qualquer, seu Madruga vira Professor, para ensinar as crianças.

SM - Bom dia, crianças. Como vão vocês ?

Crianças - Bom dia, Seu Madruga.

SM - Bom, vamos começar com a aula de hoje, na matéria de álgebra.

SM - Bom, suponhamos que eu tenha 20 lápis, e eu tire 2. Com quantos lápis eu fico ?

Chaves - Fica com 20

PG - Não, Chaves. Seu Madruga quer dizer, se ele tem 20 lápis, e tira 2, ele fica com 18.

CH - Ahhh, sim. Então, se é assim, sim.

SM - Bom, continuando. Quico.

Qui - Sim, Seu Madruga ?

SM - Bom, suponhamos que você tenha 50 carrinhos, e dá um pro Chaves, com quantos você fica ?

Qui - Eu fico sem, oras. Seu Madruga (Olhando bravo pro Quico) Fico com todos.. Fico com nenhum ? Fico com 5 ? É, num deu.

SM - Bom, como você é burro, Quico, vamos passar pro Nhonho agora. Pra ver se tem algum inteligente aqui nessa sala. Nhonho ?

Nhonho: Sim, seu Madruga.

SM - Bom, suponha que você tenha 20 almondega, e o Quico lhe rouba uma, você fica com quantos ?

Nesse momento, Chaves os interrompe.

Ch - Ele fica gordo, que nem o Nhonho. hihihi..

Nhonho - Olha ele hein, Olha ele..

SM - Tá, tá, tá!! vamos continuar.

Nhonho - Fico com 19.

SM - Muito bem Nhonho, muito bem. Se continuar assim, vai se dar muito bem na vida, como eu.

Todos começam a rir.

SM - O que foi ? Contei alguma piada ?

PG - Não, Seu Madruga. Nenhuma. O senhor mesmo, é uma piada.. kkkkk'

Todos continuam rindo.

Intervalo.

2º bloco

PG - Bem, agora, vamos passar para a matéria de história. Bom, Nhonho, vem até aqui.

Nhonho - Sim, profe..

PG - Bom, suponhamos que o nariz do Nhonho seja o Brasil, e uma orelha seja os EUA. O que será a outra orelha ?

Pópis - Outra orelha ?

PG olha meio desconfiado pra Pópis.

PG - Que vergonha, Meu Deus! Que vergonha. Será que vocês não entendem nada de História ?

Continua na próxima parte.

Não ficou ruim não, mas o SM dando aula é peso, e além disso a história começou sem "começo", se é que me entendeu.

Enfim, esperando a próxima parte :joia:

Nota 6.5. :aplausos:

Sketch: As Carambolas

Ano: 1983

Personagens: Chaves, Chiquinha, Pópis, Jaiminho, Dona Clotilde, Dona Florinda.

Bloco 1

(Chaves está jogando a terra do vaso no chão, e Pópis chega com um algodão doce na vila)

Pópis: Olha Chaves, eu tenho um algodão doce e não te dou!

Chaves: Eu não queria mesmo!

(Pópis come o algodão doce de um jeito que faça dar vontade no Chaves)

Pópis: Hum... Está tão gostoso... Isso que me tia Florinda tinha que dar pra comer na hora do almoço!

(Chaves se irrita e joga terra no algodão doce da Pópis, ela fica irritada)

Pópis: Você vai ver Chaves, vou contar tudo pra minha tia Florinda!

(Ela entra na casa da Dona Florinda)

(Jaiminho passa e Chaves joga terra na cara dele)

Jaiminho: Tinha que ser o Chaves!

Chaves: Foi sem querer querendo!

Jaiminho: Foi sem querer querendo (Imitando)...

(Jaiminho pega o vaso)

Jaiminho: Esses vasos não são para brincar, são para enfeitar a vila...

(Dona Florinda sai e vê Jaiminho com o vaso na mão)

Dona Florinda: Ah então foi você que jogou terra no algodão da Pópis, não é? Isso que dá viver com essa gentalha!

(Ela empina o nariz e sai)

Jaiminho: Viu só Chaves, tudo por culpa dessas suas brincadeiras...

Chaves: Mas eu não tava brincando não, eu queria plantar um pezinho de carambolas!

Jaiminho: Que Carambolas que nada! Guarde esse vaso ou senão vou te dar um cascudo!

(Jaiminho vai para sua casa e Chaves começa a chorar)

(Chiquinha entra)

Chiquinha: Chaves, porque está chorando?

Chaves: Porque o Jaiminho me mandou guardar o vaso que eu ia plantar carambolas!

Chiquinha: Ora Chaves não chora... Mas acontece que ao invés de você plantar carambolas, você está sujando o pátio todo olha só!

Chaves: Nem quero mais carambola também! Vou lá à venda comprar um sanduíche de presunto!

(Chaves tira uma quantia equivalente á dois reais do bolso)

(Chiquinha olha para o dinheiro e tem uma grande idéia)

Chiquinha: Olha Chaves, sabia que ao invés de você plantar carambolas, você pode plantar dinheiro?

Chaves: Verdade?

Chiquinha: Pois é Pois é Pois é!

Chaves: E como eu faço?

Chiquinha: Você tem que enterrar a moeda no vaso, e depois regar, é simples assim!

Chaves: Só Isso?

Chiquinha: Só!

Chaves: Mas porque você não planta uma na sua casa?

Chiquinha: Por que... Por que... Eu já plantei, mas não deu certo sabe... Mas o clima do pátio é bem melhor que o da minha casa!

Chaves: Ah!

(Dona Clotilde passa)

Dona Clotilde: Escuta Chaves, que bagunça de terra é essa?

Chaves: É que eu e a Chiquinha estamos plantando uma arvore de dinheiro!

Dona Clotilde: Uma arvore de dinheiro? Não me diga!

Chaves: Pois sim, lhe digo!

Dona Clotilde: Ah é? Pois Chiquinha diga a sua bisavó que na salada se põe vinagre não cachaça!

(Dona Clotilde sai)

(Chiquinha fica com cara de brava)

Bloco 2

(Chaves água o vaso)

Chaves: Pronto, já plantei a arvore de dinheiro! E agora o que eu faço?

Chiquinha: Bom... Você vai até o outro pátio e espera eu te chamar!

Chaves: Mas por quê?

Chiquinha: Porque é uma brincadeira nova!

Chaves: E o que acontece depois?

Chiquinha: Eu vou te explicar, mas você tem que ir lá primeiro!

Chaves: Zás e você me chamava, até que eu vinha e Zás!

Chiquinha: Sim! Então vá, vá!

(Chaves sai, Chiquinha prepara-se para pegar o dinheiro, mas ele volta)

Chaves: Vê se não vai demorar muito hein?

Chiquinha: Ta, mas vai pra lá!

(Ele sai, ela dá uma espiadinha, e prepara-se para pegar a moeda, quando o Chaves volta)

Chiquinha: E agora que?

Chaves: Pensei que você já tinha me chamado!

Chiquinha: Não, quando eu te chamar, vai ser bem alto!

Chaves: Ah!

Chiquinha: Ah (imitando)

(Chaves sai, Chiquinha tenta pegar a moeda, mas ele volta)

Chaves: Chiquinha...

Chiquinha: Ora Chaves, você quer brincar, sim ou não?

Chaves: Ta bom, quero!

Chiquinha: Então você tem que ficar lá!

(Chaves sai, Chiquinha pega a moeda)

Chiquinha: CHAVES!

Chaves: Oi!

Chiquinha: Já pode vir!

Chaves: E agora como continua a brincadeira?

Chiquinha: Perdi a vontade de brincar...

(Chiquinha vai pro lado da rua)

(Jaiminho passa)

Jaiminho: Chaves, eu já não te disse para guardar esse vaso?

Chaves: Mas é que...

Jaiminho: Não quero saber vai guardar esse vaso!

Chaves: É que...

Jaiminho: Vai guardar esse vaso...

Chaves: Mas...

Jaiminho: Vai guardar esse vaso!

(Jaiminho sai, Chaves fica irritado e sai chutando tudo e chuta a Pópis)

Pópis: Vai ver só Chaves, quando a minha tia Florinda chegar vou te acusar!

(Dona Florinda entra, mas Chaves não percebe)

Chaves: Pois saiba que eu não tenho medo daquela velha feia!

(Dona Florinda o cutuca)

Chaves: Espera... Daquela Velha Carcomida!

(Dona Florinda o cutuca)

Chaves: Espera... Não tenho medo da Velha Encrenqueira!

(Dona Florinda o cutuca)

Chaves: Espera e...

(Chaves olha)

Dona Florinda: Que disse Chaves?

Chaves: É que me escapuliu!

Dona Florinda: É que me escapuliu (imitando)! Só isso que se espera dessa gentalha!

(Dona Florinda entra na casa dela)

Chaves: Eu tenho que guardar esse vaso, se não o Jaiminho cara de cebola vai me bater, mas antes vou tirar minha moeda daqui!

(Ele começa a procurar a moeda, fazendo a maior sujeira)

Chaves: Mas a moeda não ta aqui!

Pópis: Não! Eu vi tudo da janela da casa da minha tia, a Chiquinha pegou o dinheiro!

(Chiquinha chega à vila com um algodão doce na mão)

Chiquinha: Olha Chaves, eu tenho um algodão doce e não te dou nem um pedacinho!

Chaves: Você não vai me dar um pedacinho, vai me dar é tudo!

(Ele toma o algodão dela)

Chaves: A Pópis me disse que você pegou a moeda no vaso!

Chiquinha: Tudo por culpa dessa intrometida da Pópis! Mas pode deixar, vou pedir dinheiro pra minha bisavó e vou comprar quantos algodões doces eu quiser!

(Chiquinha entra na casa dela)

Chaves: Agora eu tenho esse algodão doce sozinho, só pra mim!

(Pópis toma o algodão do Chaves)

Pópis: Você jogou terra no meu algodão hoje, portanto esse é meu!

(Chaves sai chorando, e Dona Clotilde passa com todos algodões doces do vendedor)

Dona Clotilde: Fiquei tão comovida em ver você plantar carambolas hoje, que decidi te dar um presente!Toma Chaves, aqui está todos esses algodões doces são pra você!

Chaves: Obrigado!

(Dona Clotilde entra, Chaves vê Pópis e Chiquinha olhando pros algodões doce e então decide dividir com elas)

Gostei Léoh, um final muito bom e diferente, não vi nenhum erro de ortografia :D

Nota 9.5 :joia:

Esperando o próximo.

Share this post


Link to post
Léoh Monteiru

Obrigado Don_aCHiles! :D

Vou escrever outras depois posto aqui!

Share this post


Link to post
Seu Furtado

Mais um remake feito por mim, de Ovos podres e moscas. Só que esse muda bastante a história:

ROUBANDO OMELETES

Ano: 1985

Elenco: Chespirito, Florinda Meza, Rubén Aguirre e Raul "Chato" Padilla.

Sinopse: Um mendigo está roubando as refeições de um casal, que vive com a janela aberta. O casal, dono da casa, acaba brigando porque um pensa que o outro está lhe tirando sarro. Mas a esposa decide chamar o Chapolin e ele consegue por um fim nisso tudo.

Plano na casa. Florinda está arrumando a mesa de jantar. Rubén vem apressado.

FLORINDA - Bom dia, meu tesouro!

RUBÉN - Bom dia, minha vida!

FLORINDA - Não vai tomar café da manhã?

RUBÉN - Não posso, tenho uma reunião hoje cedo com o meu chefe.

FLORINDA - Sim, mas...

[discussão]

Enquanto os dois discutem, um mendigo rouba o omelete que estava no prato sem eles perceberem.

FLORINDA - Você viu?

RUBÉN - O que?

FLORINDA - O omelete sumiu!

RUBÉN - Querida, eu já disse pra você ir ao psiquiatra!

FLORINDA - Eu juro que tinha feito um omelete pro café da manhã e ele estava aqui neste prato [Florinda pega o prato e mostra].

RUBÉN - Nossa!

FLORINDA - O que vou comer de café?

RUBÉN - Deixa que eu te ajudo a encontrar o omelete.

FLORINDA - Eu tenho uma ideia melhor.

RUBÉN - Qual?

FLORINDA - Chamar o Chapolin Colorado.

RUBÉN - Podia ser o Ligeirinho, o Super Homem, o Homem Aranha, por que logo o Chapolin?!

FLORINDA - Porque ele é o nosso herói da América!

RUBÉN - E cadê ele?

FLORINDA - Calma... Oh, e agora quem poderá nos ajudar?

Chapolin aparece na janela.

CHAPOLIN - Eu!

FLORINDA e RUBEN - O Chapolin Colorado!

CHAPOLIN - Não contavam com minha astúcia, sigam-me os bons! [ele pula da janela e cai sobre a mesa]

FIM DO PRIMEIRO BLOCO

INICIO DO SEGUNDO BLOCO

Chapolin anda pela sala. Florinda o acompanha. Rubén está sentado no sofá observando.

CHAPOLIN - Para quê me chamaram?

FLORINDA - Eu fiz um omelete para comermos no café da manhã e ele sumiu!

CHAPOLIN - Nossa! E o que aconteceu com o omelete?

FLORINDA - Ele sumiu!

CHAPOLIN - Quem sumiu?

FLORINDA - O omelete!

CHAPOLIN - E o que aconteceu com ele?

FLORINDA - Já chega!

RUBÉN - Eu falei pra chamar outro super-herói...

CHAPOLIN - E você cale-se! [barulhos] Minhas anteninhas estão detectando a presença do inimigo.

FLORINDA - E o que iremos fazer?

CHAPOLIN - Palma, palma, não priemos cânico! Eu tenho o plano! Você [aponta para Rubén] fica escondido perto da janela com um balde d'água. E você [falando pra Florinda] fica com um garfo esperando o bandido e garfeia ele quando for pegar o omelete.

FLORINDA - Isso, isso, isso.

Efeito de transição

FLORINDA - Está tudo pronto, Chapolin!

CHAPOLIN - Se escondam! E cadê aquele tonto?

RUBÉN - Aqui estou. Fui encher os baldes com água lá na torneira do quintal

Enquanto isso, o balde vaza.

RUBÉN - [pensando] Puxa, o balde está furado. Vou ter de encher de novo.

Ele sai. Vai encher o balde, só que coloca sem querer a mão na janela.

FLORINDA - Agora você vai ver!

Florinda dá uma garfada na mão de Rubén.

RUBÉN - Ai, ai, ai, ai!

FLORINDA - Rubén, o que faz aí?

RUBÉN - Estava enchendo o balde!

CHAPOLIN - Vem logo, tonto!

RUBÉN - Eu falei pra chamar outro super-herói.

Rubén entra dentro de casa com os baldes cheios.

FLORINDA - Aí vem o ladrão!

CHAPOLIN - Preparem-se!

MENDIGO - E agora vou pegar este omelete!

Florinda dá a garfada, Chapolin bate com a marreta bionica e Ruben joga os baldes d'agua.

MENDIGO - Ai, ai, ai, ai! Calma, eu só quero um prato de comida!

RUBÉN - Era só isso? Entre homem.

Efeito de transição.

FLORINDA - Viu só Chapolin? Ele só queria um prato de comida. Hoje em dia, há muita gente passando fome e mesmo assim, os seres humanos não lembram de uma coisa básica: "As boas pessoas devem amar aos seus semelhantes"!

O mendigo come feliz o prato de comida.

CHAPOLIN - É, eu vi.

RUBÉN - Eu falei pra chamar outro super-herói...

FIM DO EPISÓDIO

Share this post


Link to post
LucasPettine

Não ficou ruim não, mas o SM dando aula é peso, e além disso a história começou sem "começo", se é que me entendeu.

Enfim, esperando a próxima parte :joia:

Nota 6.5. :aplausos:

Gostei Léoh, um final muito bom e diferente, não vi nenhum erro de ortografia :D

Nota 9.5 :joia:

Esperando o próximo.

Obrigado :D.. Irei escrever amanhã e postarei aqi :D

Share this post


Link to post

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...