Jump to content
Sign in to follow this  
E.R

GOOGLE

Recommended Posts

Professor Girafales

Não.Isso já foi confirmado no cobranças.Eu não clico mais de uma vez.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Don_aCHiles

Não.Isso já foi confirmado no cobranças.Eu não clico mais de uma vez.

Pois aqui nunca aconteceu isso. ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Professor Girafales

Deve ser porque seu windows é diferente do meu.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Don_aCHiles

Deve ser porque seu windows é diferente do meu.

Apesar de realmente serem diferentes, não creio que seja esse o caso. ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Professor Girafales

Apesar de realmente serem diferentes, não creio que seja esse o caso. ;)

Então não deu. :P

Mais garanto que só clico uma vez.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Victor235

Busca especializada desafia o Google

http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios-tecnologia,busca-especializada-desafia-o-google,149729,0.htm

Acho que o domínio do Google não será facilmente derrubado por causa de buscas específicas alternativas. A parcela que usa o Google como fonte primária é bem maior. Muita gente usa o Google até pra "nada", por exemplo, querem acessar esse fórum, e invés de digitar o endereço digitam "fuch" ou "forumch" no Google.

Sobre esse assunto, existe também aquele sistema de busca que realiza equações e talz, não lembro o nome agora.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Seu Furtado

Busca especializada é diferente de busca comum. Se eu quero saber um café próximo de mim, vou naqueles sites de serviços e lá encontro facilmente (ex: Hagah). Tem gente que tem preguiça de procurar, isso é verdade. Preguiça de debater, preguiça de procurar... só sabe curtir e postar. Estamos formando a geração Homer Simpson de internautas com o advento do Facebook.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Victor235

Eu uso esse Hagah. É o site com o melhor guia de programação de TV por assinatura.

Tá, os guias são iguais, visto que as emissoras mandam. Mas a organização e facilidade desse site é muito boa.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Victor235
NOTÍCIAS
Conheça alternativas ao Google para buscas privadas
Empresa tem sido acusada de colaborar com governo dos EUA para vazamento de informação de usuários
19 de Julho de 2013 | 17:00h


20120416175633.jpg
Reprodução

Em tempos de NSA e Prism, qualquer grande empresa de tecnologia está sob suspeita de colaboração com o governo com o programa de vigilância do governo dos Estados Unidos, vazando as informações de seus usuários.

A BBC Brasil organizou uma lista de buscadores que servem como uma alternativa à maior página de buscas do mundo. Selecionamos aqueles que prometem manter os dados dos usuários em sigilo.

DuckDuckGo
Em tempos de desconfiança sobre a privacidade na internet, a popularidade do DuckDuckGo tem aumentado e batido recordes. Seu sistema de buscas se baseia na privacidade do usuário e a empresa garante que nenhuma das buscas pode ser rastreada até chegar na pessoa responsável por ela.

O buscador diz não criar cookies para seus usuários e, por isso, não apresenta publicidade direcionada, o que é positivo, de acordo com a visão dos criadores, que afirmam que este sistema evita que o usuário fique preso a uma bolha de filtros.

StartPage
Gosta do Google, mas teme suas políticas de privacidade? A StartPage pode ser uma alternativa viável, que usa o motor de buscas do Google, mas impede que o usuário seja identificado pela empresa pela utilização de cookies.

É uma boa alternativa para quem quer se manter privado, mas ele tem uma desvantagem em relação ao Google por não oferecer resultados personalizados, o que é talvez o motivo da liderança de mercado.

Yacy
Para quem não confia em um servidor central para suas buscas, a alternativa é o YaCy, software de código aberto que utiliza tecnologia P2P para encontrar o resultado para pesquisas. Ou seja: em vez de seus próprios servidores, ele usa o computador dos usuários para achar as páginas procuradas.

Por não ser controlado por uma empresa e não ter como objetivo o lucro, ele não exibe publicidade e também não pode ser censurado. Ele também é capaz de indexar conteúdo de locais onde os buscadores comuns não chegam, como a rede Tor.

OLHAR DIGITAL

Links na matéria: http://olhardigital.uol.com.br/produtos/digital_news/noticias/conheca-alternativas-ao-google-para-buscas-privadas

Share this post


Link to post
Share on other sites
Clark Kent

Aplicativo do Google Maps mostra acidente no trânsito em tempo real

google-maps.jpg

O Google começa nesta terça-feira (20) a integrar as funções da empresa israelense recém-adquirida Waze ao aplicativo Maps.

Usuários brasileiros do app serão os primeiros a terem acesso à alteração, junto dos de países como Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Equador, França, Alemanha, México, Panamá, Peru, Reino Unido e Suíça.

Com isso, informações captadas pelo Waze, como os acidentes de trânsito, interrupções nas vias devido a obras e estradas fechadas, serão exibidos em tempo real diretamente no Google Maps.

Esta melhora no serviço do Google Maps acontece após a recente aquisição em junho do aplicativo de trânsito e navegação para dispositivos móveis Waze por parte do Google, que conta com uma plataforma social na qual os usuários acrescentam informações sobre os incidentes nas estradas.

Já o Waze receberá duas novas ferramentas. A primeira delas é que versão do aplicativo para o sistema operacional do Google, o Android, será atualizada para incluir uma barra de pesquisa do buscador. Segundo a companhia, os trajetos de navegação exibirão mais opções de resultados.

Além disso, o Waze agora será integrado ao Google Street View, para construir itinerários que exibam imagens do trajeto.

O Google adquiriu o Waze no último dia 11 de junho por US$ 1,3 bilhão. O aplicativo conta com 49 milhões de usuários no mundo todo e combina a integração de distintas fontes de informação e navegação com a contribuição dos usuários.

G1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Victor235
NOTÍCIAS
Yahoo! supera Google nos EUA pela primeira vez desde 2008
Por Redação Olhar Digital - em 22/08/2013 às 09h00

http://img1.olhardigital.uol.com.br/area_logada/imagem.php?id=308966
(Foto: Yahoo!)

A consultoria comScore liberou nesta quarta-feira, 21, números interessantes sobre o tráfego de internet nos Estados Unidos. Pela primeira vez, desde abril 2008, o Google perdeu o posto de site mais acessado.

A pesquisa mensal mostra que quem tomou a posição foi o Yahoo!, que sempre flutuou entre o segundo e terceiro lugar, mas nunca havia assumido o topo.

Segundo os números liberados pela comScore, os sites do Yahoo! tiveram 196,6 milhões de visitantes únicos no mês de julho, contra 192,3 milhões das páginas do Google.

O resultado acontece apenas dois meses após a compra do Tumblr. Contudo, o fato não deve ter a ver com o resultado inédito, já que a consultoria considera o serviço de blogs recém-adquirido pelo Yahoo! como uma entidade própria, que ficou no 38º lugar do ranking, com 38,4 milhões de visitantes únicos.
OLHAR DIGITAL

Share this post


Link to post
Share on other sites
Victor235
NOTÍCIAS
Google será investigado no Brasil por práticas anticompetitivas
Por Redação Olhar Digital - em 11/10/2013 às 14h30

http://img1.olhardigital.uol.com.br/area_logada/imagem.php?id=373065
(Foto: Reprodução)

inShare5
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu três investigações contra o Google Inc. e o Google Brasil por supostas práticas anticompetitivas, após acusações apresentadas pela E-Commerce Media Group, dona dos sites Buscapé e Bondfaro, e pela Microsoft.

Um dos processos investiga se a gigante de buscas americana estaria privilegiando indevidamente o Google Shopping ante outros mecanismos de comparação de preços, tanto nos resultados comuns (busca orgânica) quanto entre os links patrocinados. A análise do Cade também vai avaliar se o buscador está adotando "mecanismos" para confundir o usuário na identificação dos resultados de pesquisas.

Outra linha de investigação tratará do "scraping" ("raspagem"), método pelo qual o Google estaria se apropriando de conteúdo de sites rivais. Comentários de clientes sobre a qualidade de produtos ou lojas, reunidos pelo Buscapé e pelo Bondfaro, estariam sendo usados indevidamente pelo Google Shopping.

A E-Commerce Media Group alega que o Google Search permite a veiculação de anúncios com foto pelo Google Shopping, mas não por sites concorrentes de comparação de preços. A empresa também informa que a americana teria recusado a venda de espaço publicitário com imagem ao Buscapé e que, posteriormente, exigiu dados comercialmente sensíveis para permitir a divulgação.

Já a Microsoft, dona do buscador Bing, afirma em sua reclamação ao Cade que o contrato de prestação de serviços do Google AdWords contém restrições anticompetitivas. Segundo a companhia, o buscador impôs restrições que dificultam o gerenciamento de campanhas publicitárias simultaneamente no Google e em sites concorrentes, com o objetivo de desestimular anunciantes a também veicularem suas campanhas em serviços concorrentes.

Em resposta, o Google diz que vai cooperar com o CADE e afirma que investigações semelhantes feitas em outros países "não encontraram violações das leis vigentes". O Buscapé, por sua vez, disse que "reitera a importância do estabelecimento de um ambiente de negócios transparente e justo para todos os competidores, garantindo que o poder de decisão continue com a parte mais interessada neste processo, os consumidores." A empresa também ressaltou que confia na seriedade do órgão regulador para a condução dessa investigação.

Na semana passada, o Olhar Digital conversou com o Buscapé para entender as reclamações e saber mais sobre o FairSearch, grupo global que luta para mudar o algoritmo do Google. Saiba mais aqui.

As informações são da Reuters.
OLHAR DIGITAL

Share this post


Link to post
Share on other sites
Victor235
NOTÍCIAS
Vídeo de sexo no Orkut gera multa de R$ 50 mil ao Google
olhard_zpscf0e4e26.jpg
Por Redação Olhar Digital - em 28/11/2013 às 09h24

http://img1.olhardigital.uol.com.br/area_logada/imagem.php?id=418519
(Foto: Wikimedia Commons)

O Google terá de pagar R$ 50 mil a uma brasileira que teve imagens íntimas divulgadas no Orkut e, em razão disso, acabou demitida de seu emprego - a autora foi filmada fazendo sexo no trabalho, uma emissora de TV. A decisão partiu do STJ (Superior Tribunal de Justiça), conforme divulgado pelo Convergência Digital.

Embora tenha assinado a condenação, a relatora do processo, Nancy Andrighi, criticou situações como essa, em que o provedor do serviço - no caso, o Google - é visto como principal culpado pela divulgação.

“As vítimas muitas vezes relevam a conduta do autor direto do dano e se voltam exclusivamente contra o provedor, não propriamente por imputar-lhe a culpa pelo ocorrido, mas por mera conveniência, diante da facilidade de localizar a empresa e da certeza de indenização”, constatou ela.

A autora queria que qualquer menção ao seu nome desaparecesse dos serviços do Google, e a empresa até concordou, mas descumpriu o acerto várias vezes. O STJ concluiu, entretanto, que é impossível remover as páginas em que o vídeo da mulher estava publicado, por isso converteu a a obrigação em multa.

A relatora ressaltou que “apesar de a autora apontar que nunca teve a pretensão de ser indenizada, mas efetivamente de manter o sigilo de sua intimidade e vida sexual, ela se voltou apenas contra a Google, ignorando que outros serviços similares mantinham dezenas de milhares de resultados para os mesmos termos de busca”.
OLHAR DIGITAL

Share this post


Link to post
Share on other sites
JoelJunior15

NOTÍCIAS

Conteúdo do Google+ agora pode virar publicidade:

logo-google-astro-1.jpg

O Google anunciou hoje um novo formato publicitário que converterá o conteúdo do Google+ em anúncio, só que isso não será mostrado dentro da rede social, mas sim em sites que compõe a Google Display Network - em que estão 2 milhões de endereços.

Tudo o que for conteúdo público poderá ser transformado em propaganda: fotos, vídeos e até Hangouts. Eles são convertidos em banners animados e, então, mostrados num site comum.

"Isso faz marcas pensarem a internet toda como um fluxo social", explicou Eran Arkin, gerente de produtos do Google.

A Toyota americana e algumas marcas da Mondelez estão entre os pioneiros do formato; segundo Eran, essas empresas já notaram taxas de expansão 50% mais altas em termos de alcance de anúncios de mídia.

O Google coletará opiniões de marcas e usuários e planeja abrir o formato a mais anunciantes em breve - interessados podem se inscrever.

Fonte: Olhar Digital

Edited by JoelJunior15

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...