Jump to content

Fanfics e Remakes


Bugiga

Recommended Posts

Gabriel Maciel

Olha André, essa parte está boa dou um 7,0, deveria organizar melhor para ficar mais fácil a leitura, mas está ok viu. :D

Link to post
  • Replies 354
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

  • Don_aCHiles

    55

  • Chaves 1000

    27

  • Bruce Dubber

    18

  • Usagi White

    16

Chaves 1000

Fiz um roteiro de um episódio com uma história inédita, a partir da frase do Mestre Chespirito: "A Mistura de Mãe e Política, o Resultado é Sogra".

Lembrando que esta Tangamandápio do roteiro é diferente da cidade natal do Jaiminho, que é uma cidade pequena.

Quem quiser ler, aqui está:

Chapolin Colorado

A Mistura de Mãe e Política, o Resultado é Sogra

Roteiro original: Guilherme Aldeia de Souza

Ano: 1975

Personagens:

Roberto Gómez Bolaños – Chapolin Colorado

Ramón Valdés – Prefeito Faz Nada

Carlos Villagrán – Quase Nada

Maria Antonieta de las Nieves – Maria

Rubén Aguirre – Rubén

Edgar Vivar - Policial

Angelines Fernández – Sogra

Horacio Gómez – Bandido Qualquer

1º bloco:

Quase Nada e Bandido Qualquer estão na cadeia ouvindo o rádio do policial – BGM de fundo

Locutor do rádio: Infelizmente nós vamos interromper este programa por causa de uma mensagem do nosso prefeito. [risadas de fundo] Não vou dizer mais nada, pois sei que ninguém vai escutar mesmo. [risadas de fundo]

Quase Nada: Temos que escutar este prefeito... Eu pensei que isso aqui era uma cadeia, e não uma sala de tortura. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Pelo menos nós não vamos ter que ver os rostos dos nossos "companheiros" na televisão.

Quase Nada: "Companheiros" mesmo, pois são ladrões de carteirinha. [risadas de fundo]

O prefeito Faz Nada inicia um discurso nos meios de comunicação (televisão e rádio)

Prefeito Faz Nada: Cidadãos Tangamandapianos. Antes de mais nada, quero dizer que finalmente fiz uma coisa para a nossa cidade. [risadas de fundo] Aprovei uma lei em que todos os presos vão cumprir um prazo maior de detenção, e só faço isso por causa de um bandido que me ameaçou, pois se eu não tivesse sido ameaçado, eu voltaria ao meu antigo trabalho, que é de não fazer nada. [risadas de fundo] Obrigado a todos.

O discurso do prefeito termina

Locutor do rádio: Horário político é chato demais e... [risadas de fundo] Já estamos de volta? Bem...

Quase Nada: Você ouviu isso? Vamos ter que ficar mais tempo na cadeia.

Bandido Qualquer: Pois é.

Policial: É isso mesmo que vocês ouviram. Vão ficar mais tempo na cadeia.

Quase Nada: Quanto tempo mais nós vamos ficar, além dos 40 anos de cadeia que já temos que cumprir?

Policial: Deixa eu ver... 10, 20... Mais 40 anos. [risadas de fundo]

Quase Nada: 40 anos?!

Bandido Qualquer: O bom é que até lá a minha sogra já vai estar morta. [risadas de fundo]

Quase Nada: Isso deve estar errado!

Policial: Tem razão. Não são 40 anos, são 20, 50... 60 anos. [risadas de fundo]

Quase Nada: 60?!

Bandido Qualquer: Até lá eu vou estar morto. [risadas de fundo]

Quase Nada: Mas tinha dito 40 anos!

Policial: É que eu tenho problema para contar. [risadas de fundo]

[Transição de cenas]

Uma dona de casa, que viu a mensagem na televisão, fica indignada com o discurso do prefeito, pois ele não está fazendo nada para melhorar a educação da cidade, a saúde, a poluição, entre outras coisas.

Maria: Não pode ser. Ele só pensa nele! Não faz nada para melhorar a nossa cidade! Não tem jeito mesmo.

Neste momento, ela começa a fazer uma conta. Uma passeata do prefeito ocorre na cidade, aproveitando para fazer a sua campanha

Prefeito Faz Nada: Votem 25! Votem 25! Votem 25!

Maria: Somando 10 com...

Prefeito Faz Nada: Votem 25!

Maria: ...12...

Prefeito Faz Nada: Votem 25!

Com toda esta campanha, ela fica confusa e acaba errando a conta

Maria: ...é igual a 25. [risadas de fundo] Eu odeio este prefeito! Como eu... Oh, e agora, quem poderá me ajudar?

Chapolin aparece na janela da casa dela

Chapolin Colorado: Eu!

Maria: O Chapolin Colorado!

Chapolin Colorado: Não contavam com a minha astúcia! Sigam-me os bons!

Chapolin leva um tombo ao pular para dentro da casa

[risadas de fundo]

Maria: Chapolin, você está bem?

Chapolin Colorado: Claro que sim. Todos os meus movimentos são friamente calculados. [risadas de fundo]

Maria: Ainda bem. Chapolin, eu preciso muito da sua ajuda!

Chapolin Colorado: Para isso eu estou aqui.

Maria: Na verdade, a cidade toda precisa da sua ajuda

Chapolin Colorado: Para isso eu não estou aqui. [risadas de fundo]

Chapolin caminha para sair de casa, mas Maria impede ele

Maria: Chapolin, nós precisamos de sua ajuda e...

Chapolin Colorado: Eu sei. Como herói eu devo enfrentar todos os tipos de problemas.

Maria: Obrigada, Chapolin!

Chapolin Colorado: Bem, o que eu devo fazer para ajudar?

Maria: Bom... Se canditar a prefeito para nossa cidade. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Se candidatando como prefeito? Eu prefiro morrer. [risadas de fundo]

Maria: Mas como prefeito, eu sei que você vai conseguir acabar com os problemas da nossa cidade.

Chapolin Colorado: Sim, mas vou ter uma péssima identidade. [risadas de fundo] Ou você já viu algum político honesto?

Maria: Não, mas você vai ajudar nós contra este prefeito, não vai?

Chapolin Colorado: Claro que sim, mas agindo como herói. O que ele faz de errado?

Maria: Nada.

Chapolin Colorado: Se ele não faz nada de errado, então por que reclama dele, ora? [risadas de fundo]

Maria: Quando eu disse nada, eu me referia ao fato de que é isso que ele faz de errado, ou seja, não faz nada para melhorar a nossa cidade, e só pensa no bem estar dele.

Chapolin Colorado: Suspeitei desde o princípio. [risadas de fundo] Bom, quais são os problemas que esta cidade enfrenta?

Maria: Veja nesta edição deste jornal. Aí fala os problemas da nossa cidade.

Chapolin Colorado: Vejamos: Chapolin Colorado é o pior herói do mundo, se que é que pode chamar aquilo de herói [risadas de fundo]

Chapolin fica muito nervoso com que acabou de ler

Chapolin Colorado: Que palhaçada é essa!?

Maria: Me desculpe, Chapolin! É esta edição do jornal que mostra os problemas.

Chapolin Colorado: Vamos ver: Chapolin Colorado não chega nem aos pés do Super Homem, ainda mais com uma estatuta de anão de circo [risadas de fundo]

Chapolin fica mais nervoso ainda

Chapolin Colorado: Outra vez!?

Maria: Eu me enganei novamente...

Chapolin Colorado: Sim, sim, sim, mas pode me dizer o que o Super Homem tem que eu não tenho?

Maria: A força, a inteligência... [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Se aproveitam de minha nobreza. [risadas de fundo]

Maria: Bom, Chapolin...

Chapolin Colorado: Está bem, está bem. Quer me fazer o favor de dizer quem é o dono deste jornal?

Maria: É o meu marido.

Chapolin Colorado: Ah, sim. Então pode chamar ele aqui agora mesmo que eu vou mostrar a minha força.

Maria: Acontece que ele está no trabalho.

Chapolin Colorado: Pois eu espero ele.

Maria: Olha, Chapolin, você quer ver os problemas da nossa cidade sim ou não?

Chapolin Colorado: Sim, mas sem críticas a mim.

Maria: Desta vez é a edição certa do jornal.

Chapolin Colorado: Ainda bem, pois... Silêncio! Silêncio! Minhas anteninhas de vinil estão detectando a presença do inimigo! Vou fulminá-lo a golpes com a minha marreta biônica!

Rubén, marido de Maria, chega em casa

Rubén: Olá, meu amor!

Chapolin dá um golpe nele com a marreta biônica, e ele acaba desmaiando

[risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Não contavam com a minha astúcia!

Maria: Ele não é nenhum inimigo, Chapolin!

Rubén começa a se levantar com a ajuda de Maria

Chapolin Colorado: Nossa! Então quem é?

Maria: É o meu marido.

Chapolin dá um golpe nele novamente, que acaba desmaiando outra vez

[risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Vamos ver se agora para de me criticar!

[risadas de fundo]

Fim do primeiro bloco – BGM de fundo

2º bloco

Rubén se levanta depois do golpe da marreta biônica do Chapolin – BGM de fundo

Rubén: Chapolin, por que você me bateu?

Chapolin Colorado: Por causa das críticas que eu recebi de você.

Rubén: Críticas?

Chapolin Colorado: Sim. Estão publicadas no seu jornal.

Rubén: Chapolin, não fui eu que fiz aquelas críticas.

Chapolin Colorado: Ah, sei, foi a minha vovozinha. [risadas de fundo]

Rubén: Eu só sou o dono do jornal. Quem fez estas críticas foram os redatores.

Chapolin Colorado: Sim, mas você concordou.

Rubén: Se eu não concordasse, o jornal não iria vender que nem água. [risadas de fundo]

Chapolin se irrita e dá mais um golpe nele com a marreta

[risadas de fundo]

Maria: Acho melhor acabar com esta discussão. Eu creio que o Chapolin veio aqui para solucionar os problemas da nossa cidade.

Chapolin Colorado: Isso mesmo. Me dá um jornal para eu ler.

Maria: Toma.

Chapolin Colorado: Vamos ver: Trânsito torna Tangamandápio um verdadeiro caos. Se este é o problema, então por que não passam a andar de avião? [risadas de fundo]

Maria: Ai, Chapolin. Continua lendo.

Chapolin Colorado: Poluição aumenta cada vez mais em Tangamandápio. Por que não passam a morar em uma fazenda? [risadas de fundo] Para tudo tem uma solução.

Maria: Eu até que gostaria de morar em uma fazenda, mas o meu marido não gosta de ficar longe da cidade grande.

Rubén: É que eu tenho o meu jornal.

Chapolin Colorado: Claro. Não vai perder a chande de me criticar. [risadas de fundo]

Maria: Não vão brigar novamente. Eu gostaria muito de morar na fazenda da minha mãe.

Rubén: Está vendo, Chapolin. É mais um motivo que não quero morar em uma fazenda. [risadas de fundo] Ninguém aguenta a minha sogra. [risadas de fundo]

Maria: É assim. Então se nós não vamos morar com a minha mãe, ela vai morar com a gente.

Rubén: O que!?

Maria: Isso mesmo. Mãe, maezinha, pode sair.

A mãe de Maria sai do quarto e vai para sala

Sogra: Minha filhinha linda! Que bom que eu estou aqui com você e...

Ela olha para o Rubén

Sogra: Só você. [risadas de fundo]

Rubén: Está vendo, Chapolin. Ela me odeia!

Chapolin olha com uma cara de bravo para Rubén

Chapolin Colorado: E não é só ela que te odeia. [risadas de fundo]

A mãe de Maria olha para o Chapolin

Sogra: Minha filha, o que esta joaninha gigante está fazendo aqui? [risadas de fundo] Eu adoraria colocá-la como imã na minha geladeira. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Minha senhora, eu não sou nenhuma joaninha. Eu sou o Chapolin Colorado.

A mãe de Maria, depois de ouvir quem é o Chapolin, acaba cochilando na poltrona

Sogra: Minha filha, você já teve melhores visitas. [risadas de fundo]

Maria: Mamãe, não fale assim com o Chapolin, ele veio resolver os problemas que a nossa cidade efrenta, graças a este prefeito de segunda.

Chapolin Colorado: Tem razão...

A passeata começa a fazer muito barulho. Chapolin olha pela janela

Chapolin Colorado: Como ele gosta de uma baderna. [risadas de fundo] E é muito cara de pau para fazer uma passeata desta, sendo que todos odeiam ele.

Neste momento, Chapolin recebe uma “tomatada” no rosto

[risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Cara de pau e ouvido biônico. [risadas de fundo]

Maria: Está vendo como ele é, Chapolin.

Rubén: Ora, só por causa de um tomate?

Sogra: Você é muito puxa-saco deste prefeitinho, seu tonto!

Ela bate em Rubén com a sua bengala

[risadas de fundo]

Rubén: O que isso?

Maria: Mamãe, tenha calma.

Rubén: Meu amor, quantos segundo a sua mãe vai ficar com a gente? [risadas de fundo]

Maria: Ela vai ficar com a gente até você parar de ser um puxa-saco deste prefeito, que só fica publicando em seu jornal a favor dele.

Chapolin Colorado: Acho melhor eu ia falar de uma vez com este prefeito.

Maria: Isso, Chapolin!

Todos saiam de casa para a rua

Chapolin Colorado: Ele já está fazendo campanha eleitoral? A eleição não vai ser daqui a sete meses?

Rubén: Sim, Chapolin, mas é que ele é adiantado.

Maria: Adiantado em campanha, mas atrasado em ideias para melhorar a nossa cidade.

Chapolin Colorado: Então você é um tremedo puxa-saco, hein? [risadas de fundo]

A mãe de Maria bate novamente em Rubén com a sua bengala

Sogra: Só sabe fazer coisa errada.

Rubén: É mesmo. Não sei o que eu estou fazendo aqui com a senhora [risadas de fundo]

[Transição de cenas]

Na cadeia, Quase Nada e Bandio Qualquer estão indignados com a atitude do prefeito

Quase Nada: Escute aqui, policial. Eu não vou cumprir estes mais 60 anos de cadeia.

Policial: Desobedecendo a lei... Mais 80 anos. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Acho melhor você ficar quieto.

Quase Nada: Policial, você está de brincadeira, não está?

Policial: Estou.

O policial começa a rir. Quase Nada olha com cara de bravo para ele

[risadas de fundo]

Quase Nada: Este prefeito não faz nada. Faz jus ao nome dele. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Concordo plenamente.

Policial: Mas ele criou esta lei, portanto, ele fez uma coisa.

Quase Nada: Mas beneficiou a gente?

Policial: Não.

Quase Nada: Então.

Policial: Faz sentido. [risadas de fundo] Entretanto, está beneficiando a população.

Quase Nada: Ora, você acha que isso está beneficiando a população?

Bandido Qualquer: Está beneficiando o prefeito, isso sim.

Quase Nada: Extamente. Por que ele não aumente a seguração, por exemplo? Beneficiaria a população, e digo isso com toda certeza, como reconhecimento do meu trabalho. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: E eu aposto que o seu salário deve ser muito baixo por causa deste prefeito.

Policial: E é mesmo.

Bandido Qualquer: Está vendo.

Policial: Mas só o que eu ganho para ouvir ladrões reclamando já vale como um salário grande. [risadas de fundo]

O policial se afasta dando uma risada

Bandido Qualquer: Eu vou falar umas palvras bem feias para ele e vai começar agora...

Quase Nada: É melhor deixar a Tv no mudo.

Quase Nada pega um controle remoto do nada e deixa o aúdio no mudo

[risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Por que fez isso?

Quase Nada: Estamos em um horário que não se deve dizer estas coisas. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Está certo.

Fim do segundo bloco – BGM de fundo

3º bloco

Chapolin e todos estão perto do prefeito Faz Nada – BGM de fundo

Prefeito Faz Nada: Votem em Prefeito Faz Nada! Votem 25! Votem em Prefeito Faz Nada! Votem 25!

Todas pessoas começam a vaiar. Ele responde ironicamente

Prefeito Faz Nada: A desvalorização de vocês contribui para o meu sucesso. [risadas de fundo]

Maria: Me dá vervoso o jeito que ele trata todos nós!

Rubén: Meu amor, pode ser que ele mude...

A mãe de Maria fica irritada e bate nele com a bengala

Rubén: Ai!

[risadas de fundo]

Sogra: Este também me dá nervoso de tanta besteira que sai da boca dele! Parece até um esgoto! [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: “Palma”, “palma”, não “priemos” “cânico”! Vou resolver isso agora mesmo!

Maria: Isso, Chapolin!

Prefeito Faz Nada: Se toda esta gente soubesse que eu não estou nem ligando para estas vaias... Mas como não estão sabendo, deixem vaiarem até ficarem cansado. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Então você é o destruidor desta cidade?

Ele responde com toda tranquilidade

Prefeito Faz Nada: Sim...

Maria: E ele admite ainda?

[risadas de fundo]

Prefeito Faz Nada: Digo, digo...

Chapolin Colorado: Pois vai se despedindo de seu cargo de prefeito.

Prefeito Faz Nada: E por que?!

Chapolin Colorado: Porque eu estou aqui!

Prefeito Daz Nada: Ah! É o pior herói do mundo! [risadas de fundo] Se é que se pode chamar de herói. [risadas de fundo] Eu li isso em um jornal. [risadas de fundo]

Chapolin olha com cara de bravo para Rubén

Rubén: O que foi?

Chapolin Colorado: Seu... Esqueça. O meu negócio é com você, prefeito, que não faz nada!

Prefeito Faz Nada: Como eu não faço nada? E esta lei que eu aprovei?

Chapolin Colorado: Mas não beneficia a população. Você tinha que melhorar a edução, a saúde, entre outras coisas.

Prefeiro Faz Nada: Eu também sou a população, portanto, ela foi beneficiada. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Você não tem jeito mesmo.

Na delegacia, o policial percebe que está acontecendo alguma coisa com o prefeito e vai lá ver

Policial: Eu vou ver o que está acontecendo com o prefeito.

Bandido Qualquer: Vai e desaparece! [risadas de fundo]

Quase Nada: Seu gordo! [risadas de fundo]

O policial chega para ter esclarecimentos sobre o que está acontecendo

Policial: O que se passa aqui? Você está bem prefeito?

Prefeito Faz Nada: Estou, é esta coisa aqui que está me pertubando. [risadas de fundo]

Chapolin fica bravo com ele

Chapolin Colorado: Eu só não te bato, pois tenho consciência sobre o que pode acontecer.

Maria: Não, Chapolin! Bate nele!

Sogra: É isso mesmo, Chapolin! Vai com tudo, camarada. [risadas de fundo]

Rubén: Eu não sei o que dizer, pois a qualquer momento eu posso receber uma pancada. [risadas de fundo]

Sogra: Ainda bem que está ciente sobre o que esta bengalinha pode fazer. [risadas de fundo]

Maria: Chapolin, este policial é outro puxa-saco!

Chapolin Colorado: Puxa-saco? Esta aí puxa até um caminhão com esta barrigona. [risadas de fundo]

Prefeito Faz Nada: Olha, é melhor sair, pois está atrapalhando a minha campanha.

Chapolin Colorado: Campanha? Você acha que o povo vai votar em você?

Prefeito Faz Nada: Claro que não! Mas você sabe, Chapolin, a roubalheira rola solta. [risadas de fundo]

O prefeito começa a rir e Chapolin decide dá uma pancada nele com a marreta biônica

[risadas de fundo]

Policial: Você não pode fazer isso!

Chapolin Colorado: Mas ele só faz coisa errada! Por acaso você trabalha frequentemente?

Prefeito Faz Nada: Não, só no dia 1º de Janeiro, 7 de Setembro, 15 de Novembro... [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Todos estes dias são feriados!

Prefeito Faz Nada: Reclama com quem fez o calendário. [risadas de fundo]

Maria: Vamos, Chapolin! Mostre para ele o que esta cidade enfrenta!

Chapolin Colorado: Exatamente! A qualquer momento pode acontecer um acidente de trânsito, problema que esta cidade enfrenta.

Neste momento acontece uma batida entre duas ambulâncias. O prefeiro fica sem jeito

Prefeito Faz Nada: Que coisa, não? [risadas de fundo]

Rubén: Alguém tem que ajudar as pessoas da batida.

Chapolin Colorado: Isso mesmo, ou será que as ambulâncias desta cidade não funcionam? Outra coisa que pode acontecer é uma pessoa sofrer porblemas por causa da poluição, problema que a cidade enfrenta.

Neste momento, um homem começa a ter problemas com a poluição

Homem da rua: Ai, meu Deus! Não estou nem conseguinfo respirar!

Prefeito Faz Nada: Você é mesmo um bocudo, Chapolin! [risadas de fundo]

Maria: Está vendo, prefeito. O que você tem a dizer sobre isso/

Prefeito Faz Nada: Bom... é que...

Chapolin Colorado: Será que não tem nenhuma ambulância para ajudar aquele homem?

Policial: Sabe o que que é, Chapolin, as únicas ambulâncias desta cidade, são justamente aquelas que bateram uma contra a outra. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Estão vendo, povo. O que vocês acham de eu colocar este prefeito na cadeia?

Maria: É isso aí, Chapolin!

Todos as pessoas gritam de alegria

Prefeito Faz Nada: E você, Senhor Policial? Não vai fazer nada?

Policial: Vou. O senhor vai para cadeia. [risadas de fundo]

Prefeito Faz Nada: O que!?

Policial: Mudei para o lado certo.

[risadas de fundo]

[Transição de cenas]

O prefeiro aparece na mesma cela do Quase Nada e do Bandido Qualquer

Quase Nada: Veja quem está aqui, Bandido Qualquer?

Bandido Qualquer: Sim, eu já vi, Quase Nada.

Prefeito Faz Nada: Não é melhor a gente conversar, hein?

Quase Nada: Mais 60 anos de cadeia, prefeito?

[risadas de fundo]

Claques de pancada

Policial: Nossa!

[Transição de cenas]

Maria: Fantástico, Chapolin! Você enfrentou ele e agora esperamos que o vice-prefeito seja decente em seu novo cargo. Todos estão contentes, graças ao Chapolin Colorado!

Chapolin Colorado: Não contavam com a minha astúcia!

Rubén: Vou publicar no meu jornal, o confronto do Chapolin com o ex-prefeito.

Chapolin Colorado: Pelo menos você mudou.

Rubén: Claro!

Sogra: Sim, agora vamos entrar em casa e descansar um pouco.

Rubén: Querida, você não disse que sua mãe ia ficar com nós até eu mudar de ideia sobre o meu jornal?

Maria: Se você mudou de ideia, eu também posso mudar, não? [risadas de fundo]

Rubén: Chapolin, me ajuda! Vou morar com a minha sogra!

A mãe de Maria fica brava e dá uma pancada nele com a bengala

Rubén: Ai!

[risadas de fundo]

Sogra: Vamos entrando logo!

Chapolin Colorado: Paciência... Sigam-me os bons!

FIM

Link to post
Chaves 1000

O que vocês acharam do meu episódio "A Mistura de Mãe e Política, o Resultado é Sogra"?

Link to post
Don_aCHiles

Esta é a minha primeira fanfic. Vejam se está boa:

Chapolin – O Cheque

O episódio começa mostrando uma rua movimentada de uma cidadezinha interiorana. Várias pessoas passam de um lado para o outro. Um homem passa a cavalo. Ramón e Florinda se aproximam, e param na frente de um mercado.

Ramón: _Bom, chegamos.

Florinda:_Ah, eu nem sei por que concordei em vir com você. Você não tem dinheiro algum.

R (tirando um cheque do bolso):_Não importa, minha filha, não importa. Pagarei com este cheque!

F:_Onde você arranjou este cheque?

R:_Bom, um homem estava me devendo e me pagou com este cheque. E é com ele que iremos fazer as compras.

F:_Isso é algo que eu não posso engolir.

R:_Mas é claro que não. Estamos passando dificuldades mas não é pra tanto. Digo, vai comer o cheque?

F:_O que eu quero dizer é que não posso crer que este cheque tenha fundos.

R:_Bom, não tem mesmo. Mas o importante é podermos comprar comida. Ou prefere morrer de fome?

F:_Claro que não. Mas já ouvi rumores de que o dono dessa venda não recebe cheques.

R:_Não importa. Vou pedir com jeitinho e ele não terá como recusar. E depois, o pior que pode acontecer é ele dizer não.

Neste instante, um homem (Horácio G. Bolaños) com a roupa toda rasgada é arremessado da janela da venda.

R:_O que houve?

Horácio:_É que eu tentei passar um cheque para o dono da venda, mas não sabia que ele iria se zangar tanto!

R:_ Nossa!

Horácio se levanta e vai embora.

Ramón e Florinda ficam muito assustados e invocam o Chapolin:

Ramón e Florinda:_Oh, e agora quem poderá nos defender?

De dentro de um barril sai o Chapolin:

Chapolin:_Eu!

Ramón e Florinda:_O Chapolin Colorado!

C:_Não contavam com a minha astúcia!

Chapolim vai sair do barril e toma um de seus clássicos tombos.

F:_Você se machucou, Chapolim?

C:_Não, fiz isso intencionalmente pra sair do barril. Todos os meus movimentos são friamente calculados.

R:_Sim, claro...

C:_E você, quem é? Hã?

F:_Este é meu pai, Chapolin.

C:_Hi, hi. Então você puxou bastante a sua mãe, há, há.

R:_Que que foi, que que foi, que que há? Ela nem se parece com a mãe. Ela tem a minha cara!

C:_Ele está bêbado?

Chapolin e Ramón começam a discutir.

F:_Chega! Assim não estamos resolvendo o problema.

C:_Tem razão. Afinal, para que me chamaram?

R:_É que eu estou duro, Polegar.

C:_Claro. Isso é comum na sua idade. Mas se você se alongar um pouco...Eu por exemplo me alongo todos os dias e nunca tive esse tipo de problema.

F:_O que meu pai quer dizer é que estamos quebrados.

C:_Bom, então deviam procurar um médico pra engessar. Eu recomendaria o Doutor Chapatin.

R:_O que estamos dizendo é que não temos nenhum dinheiro.

C:_Aaahhh. E?

F:_E precisamos comprar comida. Só que só temos um cheque. E o último que tentou dar um cheque para o dono da venda apanhou feio.

Chapolin fica com medo e arruma um pretexto pra sair e ir embora.

C:_Acabo de me lembrar que é hora do meu almoço.

F:_Chapolin, se você ir agora o dono da venda vai pensar que você fugiu dele.

C:_Pois fique sabendo que o Chapolin Colorado jamais fugiu de pessoa alguma.

R:_Então por que você estava indo agora?

C:_Bom, por que... por que era hora do meu almoço. E na cláusula número 3459 do Regulamento Geral do Sindicato Universal dos Súper Heróis Latino-americanos diz claramente que o Super Herói tem o direito de cumprir 1 hora de almoço sem ser incomodado.

F:_Bom, eu ainda tenho pescoço de frango.

C:_Ué, mas você pode usar um cachecol que ninguém vai notar.

F:_Eu ainda tenho pescoço de frango pra comer.

R:_Ora, já basta! Eu deveria ter chamado o Super Homem, que na certa já teria resolvido o problema.

C:_Em primeiro lugar, fique sabendo que o Super Homem não poderia ter vindo porque está de férias, hospedado num SPA para perder peso. E em segundo lugar, Eu sou o Chapolin Colorado, e o Chapolim Colorado ajuda a qualquer um, a qualquer hora e em qualquer lugar!

F:_Então você vai nos ajudar?

C:_Mas é claro que sim. Podem considerar o problema resolvido.

R:_Eu me pergunto se será tão fácil como você diz.

Continua...

E então, pessoal? Gostaram? Acham que eu devo terminá-la?

Gostei muito Achavo, nota 10.

Sim, você deve continua-la. :joia:

Só tem alguns erros de ortografia, porque em alguns casos vocês escreveu "Chapolin" com "m" de "mula".

Parabéns. :aplausos:

Fiz um roteiro de um episódio com uma história inédita, a partir da frase do Mestre Chespirito: "A Mistura de Mãe e Política, o Resultado é Sogra".

Lembrando que esta Tangamandápio do roteiro é diferente da cidade natal do Jaiminho, que é uma cidade pequena.

Quem quiser ler, aqui está:

Chapolin Colorado

A Mistura de Mãe e Política, o Resultado é Sogra

Roteiro original: Guilherme Aldeia de Souza

Ano: 1975

Personagens:

Roberto Gómez Bolaños – Chapolin Colorado

Ramón Valdés – Prefeito Faz Nada

Carlos Villagrán – Quase Nada

Maria Antonieta de las Nieves – Maria

Rubén Aguirre – Rubén

Edgar Vivar - Policial

Angelines Fernández – Sogra

Horacio Gómez – Bandido Qualquer

1º bloco:

Quase Nada e Bandido Qualquer estão na cadeia ouvindo o rádio do policial – BGM de fundo

Locutor do rádio: Infelizmente nós vamos interromper este programa por causa de uma mensagem do nosso prefeito. [risadas de fundo] Não vou dizer mais nada, pois sei que ninguém vai escutar mesmo. [risadas de fundo]

Quase Nada: Temos que escutar este prefeito... Eu pensei que isso aqui era uma cadeia, e não uma sala de tortura. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Pelo menos nós não vamos ter que ver os rostos dos nossos "companheiros" na televisão.

Quase Nada: "Companheiros" mesmo, pois são ladrões de carteirinha. [risadas de fundo]

O prefeito Faz Nada inicia um discurso nos meios de comunicação (televisão e rádio)

Prefeito Faz Nada: Cidadãos Tangamandapianos. Antes de mais nada, quero dizer que finalmente fiz uma coisa para a nossa cidade. [risadas de fundo] Aprovei uma lei em que todos os presos vão cumprir um prazo maior de detenção, e só faço isso por causa de um bandido que me ameaçou, pois se eu não tivesse sido ameaçado, eu voltaria ao meu antigo trabalho, que é de não fazer nada. [risadas de fundo] Obrigado a todos.

O discurso do prefeito termina

Locutor do rádio: Horário político é chato demais e... [risadas de fundo] Já estamos de volta? Bem...

Quase Nada: Você ouviu isso? Vamos ter que ficar mais tempo na cadeia.

Bandido Qualquer: Pois é.

Policial: É isso mesmo que vocês ouviram. Vão ficar mais tempo na cadeia.

Quase Nada: Quanto tempo mais nós vamos ficar, além dos 40 anos de cadeia que já temos que cumprir?

Policial: Deixa eu ver... 10, 20... Mais 40 anos. [risadas de fundo]

Quase Nada: 40 anos?!

Bandido Qualquer: O bom é que até lá a minha sogra já vai estar morta. [risadas de fundo]

Quase Nada: Isso deve estar errado!

Policial: Tem razão. Não são 40 anos, são 20, 50... 60 anos. [risadas de fundo]

Quase Nada: 60?!

Bandido Qualquer: Até lá eu vou estar morto. [risadas de fundo]

Quase Nada: Mas tinha dito 40 anos!

Policial: É que eu tenho problema para contar. [risadas de fundo]

[Transição de cenas]

Uma dona de casa, que viu a mensagem na televisão, fica indignada com o discurso do prefeito, pois ele não está fazendo nada para melhorar a educação da cidade, a saúde, a poluição, entre outras coisas.

Maria: Não pode ser. Ele só pensa nele! Não faz nada para melhorar a nossa cidade! Não tem jeito mesmo.

Neste momento, ela começa a fazer uma conta. Uma passeata do prefeito ocorre na cidade, aproveitando para fazer a sua campanha

Prefeito Faz Nada: Votem 25! Votem 25! Votem 25!

Maria: Somando 10 com...

Prefeito Faz Nada: Votem 25!

Maria: ...12...

Prefeito Faz Nada: Votem 25!

Com toda esta campanha, ela fica confusa e acaba errando a conta

Maria: ...é igual a 25. [risadas de fundo] Eu odeio este prefeito! Como eu... Oh, e agora, quem poderá me ajudar?

Chapolin aparece na janela da casa dela

Chapolin Colorado: Eu!

Maria: O Chapolin Colorado!

Chapolin Colorado: Não contavam com a minha astúcia! Sigam-me os bons!

Chapolin leva um tombo ao pular para dentro da casa

[risadas de fundo]

Maria: Chapolin, você está bem?

Chapolin Colorado: Claro que sim. Todos os meus movimentos são friamente calculados. [risadas de fundo]

Maria: Ainda bem. Chapolin, eu preciso muito da sua ajuda!

Chapolin Colorado: Para isso eu estou aqui.

Maria: Na verdade, a cidade toda precisa da sua ajuda

Chapolin Colorado: Para isso eu não estou aqui. [risadas de fundo]

Chapolin caminha para sair de casa, mas Maria impede ele

Maria: Chapolin, nós precisamos de sua ajuda e...

Chapolin Colorado: Eu sei. Como herói eu devo enfrentar todos os tipos de problemas.

Maria: Obrigada, Chapolin!

Chapolin Colorado: Bem, o que eu devo fazer para ajudar?

Maria: Bom... Se canditar a prefeito para nossa cidade. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Se candidatando como prefeito? Eu prefiro morrer. [risadas de fundo]

Maria: Mas como prefeito, eu sei que você vai conseguir acabar com os problemas da nossa cidade.

Chapolin Colorado: Sim, mas vou ter uma péssima identidade. [risadas de fundo] Ou você já viu algum político honesto?

Maria: Não, mas você vai ajudar nós contra este prefeito, não vai?

Chapolin Colorado: Claro que sim, mas agindo como herói. O que ele faz de errado?

Maria: Nada.

Chapolin Colorado: Se ele não faz nada de errado, então por que reclama dele, ora? [risadas de fundo]

Maria: Quando eu disse nada, eu me referia ao fato de que é isso que ele faz de errado, ou seja, não faz nada para melhorar a nossa cidade, e só pensa no bem estar dele.

Chapolin Colorado: Suspeitei desde o princípio. [risadas de fundo] Bom, quais são os problemas que esta cidade enfrenta?

Maria: Veja nesta edição deste jornal. Aí fala os problemas da nossa cidade.

Chapolin Colorado: Vejamos: Chapolin Colorado é o pior herói do mundo, se que é que pode chamar aquilo de herói [risadas de fundo]

Chapolin fica muito nervoso com que acabou de ler

Chapolin Colorado: Que palhaçada é essa!?

Maria: Me desculpe, Chapolin! É esta edição do jornal que mostra os problemas.

Chapolin Colorado: Vamos ver: Chapolin Colorado não chega nem aos pés do Super Homem, ainda mais com uma estatuta de anão de circo [risadas de fundo]

Chapolin fica mais nervoso ainda

Chapolin Colorado: Outra vez!?

Maria: Eu me enganei novamente...

Chapolin Colorado: Sim, sim, sim, mas pode me dizer o que o Super Homem tem que eu não tenho?

Maria: A força, a inteligência... [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Se aproveitam de minha nobreza. [risadas de fundo]

Maria: Bom, Chapolin...

Chapolin Colorado: Está bem, está bem. Quer me fazer o favor de dizer quem é o dono deste jornal?

Maria: É o meu marido.

Chapolin Colorado: Ah, sim. Então pode chamar ele aqui agora mesmo que eu vou mostrar a minha força.

Maria: Acontece que ele está no trabalho.

Chapolin Colorado: Pois eu espero ele.

Maria: Olha, Chapolin, você quer ver os problemas da nossa cidade sim ou não?

Chapolin Colorado: Sim, mas sem críticas a mim.

Maria: Desta vez é a edição certa do jornal.

Chapolin Colorado: Ainda bem, pois... Silêncio! Silêncio! Minhas anteninhas de vinil estão detectando a presença do inimigo! Vou fulminá-lo a golpes com a minha marreta biônica!

Rubén, marido de Maria, chega em casa

Rubén: Olá, meu amor!

Chapolin dá um golpe nele com a marreta biônica, e ele acaba desmaiando

[risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Não contavam com a minha astúcia!

Maria: Ele não é nenhum inimigo, Chapolin!

Rubén começa a se levantar com a ajuda de Maria

Chapolin Colorado: Nossa! Então quem é?

Maria: É o meu marido.

Chapolin dá um golpe nele novamente, que acaba desmaiando outra vez

[risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Vamos ver se agora para de me criticar!

[risadas de fundo]

Fim do primeiro bloco – BGM de fundo

2º bloco

Rubén se levanta depois do golpe da marreta biônica do Chapolin – BGM de fundo

Rubén: Chapolin, por que você me bateu?

Chapolin Colorado: Por causa das críticas que eu recebi de você.

Rubén: Críticas?

Chapolin Colorado: Sim. Estão publicadas no seu jornal.

Rubén: Chapolin, não fui eu que fiz aquelas críticas.

Chapolin Colorado: Ah, sei, foi a minha vovozinha. [risadas de fundo]

Rubén: Eu só sou o dono do jornal. Quem fez estas críticas foram os redatores.

Chapolin Colorado: Sim, mas você concordou.

Rubén: Se eu não concordasse, o jornal não iria vender que nem água. [risadas de fundo]

Chapolin se irrita e dá mais um golpe nele com a marreta

[risadas de fundo]

Maria: Acho melhor acabar com esta discussão. Eu creio que o Chapolin veio aqui para solucionar os problemas da nossa cidade.

Chapolin Colorado: Isso mesmo. Me dá um jornal para eu ler.

Maria: Toma.

Chapolin Colorado: Vamos ver: Trânsito torna Tangamandápio um verdadeiro caos. Se este é o problema, então por que não passam a andar de avião? [risadas de fundo]

Maria: Ai, Chapolin. Continua lendo.

Chapolin Colorado: Poluição aumenta cada vez mais em Tangamandápio. Por que não passam a morar em uma fazenda? [risadas de fundo] Para tudo tem uma solução.

Maria: Eu até que gostaria de morar em uma fazenda, mas o meu marido não gosta de ficar longe da cidade grande.

Rubén: É que eu tenho o meu jornal.

Chapolin Colorado: Claro. Não vai perder a chande de me criticar. [risadas de fundo]

Maria: Não vão brigar novamente. Eu gostaria muito de morar na fazenda da minha mãe.

Rubén: Está vendo, Chapolin. É mais um motivo que não quero morar em uma fazenda. [risadas de fundo] Ninguém aguenta a minha sogra. [risadas de fundo]

Maria: É assim. Então se nós não vamos morar com a minha mãe, ela vai morar com a gente.

Rubén: O que!?

Maria: Isso mesmo. Mãe, maezinha, pode sair.

A mãe de Maria sai do quarto e vai para sala

Sogra: Minha filhinha linda! Que bom que eu estou aqui com você e...

Ela olha para o Rubén

Sogra: Só você. [risadas de fundo]

Rubén: Está vendo, Chapolin. Ela me odeia!

Chapolin olha com uma cara de bravo para Rubén

Chapolin Colorado: E não é só ela que te odeia. [risadas de fundo]

A mãe de Maria olha para o Chapolin

Sogra: Minha filha, o que esta joaninha gigante está fazendo aqui? [risadas de fundo] Eu adoraria colocá-la como imã na minha geladeira. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Minha senhora, eu não sou nenhuma joaninha. Eu sou o Chapolin Colorado.

A mãe de Maria, depois de ouvir quem é o Chapolin, acaba cochilando na poltrona

Sogra: Minha filha, você já teve melhores visitas. [risadas de fundo]

Maria: Mamãe, não fale assim com o Chapolin, ele veio resolver os problemas que a nossa cidade efrenta, graças a este prefeito de segunda.

Chapolin Colorado: Tem razão...

A passeata começa a fazer muito barulho. Chapolin olha pela janela

Chapolin Colorado: Como ele gosta de uma baderna. [risadas de fundo] E é muito cara de pau para fazer uma passeata desta, sendo que todos odeiam ele.

Neste momento, Chapolin recebe uma “tomatada” no rosto

[risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Cara de pau e ouvido biônico. [risadas de fundo]

Maria: Está vendo como ele é, Chapolin.

Rubén: Ora, só por causa de um tomate?

Sogra: Você é muito puxa-saco deste prefeitinho, seu tonto!

Ela bate em Rubén com a sua bengala

[risadas de fundo]

Rubén: O que isso?

Maria: Mamãe, tenha calma.

Rubén: Meu amor, quantos segundo a sua mãe vai ficar com a gente? [risadas de fundo]

Maria: Ela vai ficar com a gente até você parar de ser um puxa-saco deste prefeito, que só fica publicando em seu jornal a favor dele.

Chapolin Colorado: Acho melhor eu ia falar de uma vez com este prefeito.

Maria: Isso, Chapolin!

Todos saiam de casa para a rua

Chapolin Colorado: Ele já está fazendo campanha eleitoral? A eleição não vai ser daqui a sete meses?

Rubén: Sim, Chapolin, mas é que ele é adiantado.

Maria: Adiantado em campanha, mas atrasado em ideias para melhorar a nossa cidade.

Chapolin Colorado: Então você é um tremedo puxa-saco, hein? [risadas de fundo]

A mãe de Maria bate novamente em Rubén com a sua bengala

Sogra: Só sabe fazer coisa errada.

Rubén: É mesmo. Não sei o que eu estou fazendo aqui com a senhora [risadas de fundo]

[Transição de cenas]

Na cadeia, Quase Nada e Bandio Qualquer estão indignados com a atitude do prefeito

Quase Nada: Escute aqui, policial. Eu não vou cumprir estes mais 60 anos de cadeia.

Policial: Desobedecendo a lei... Mais 80 anos. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Acho melhor você ficar quieto.

Quase Nada: Policial, você está de brincadeira, não está?

Policial: Estou.

O policial começa a rir. Quase Nada olha com cara de bravo para ele

[risadas de fundo]

Quase Nada: Este prefeito não faz nada. Faz jus ao nome dele. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Concordo plenamente.

Policial: Mas ele criou esta lei, portanto, ele fez uma coisa.

Quase Nada: Mas beneficiou a gente?

Policial: Não.

Quase Nada: Então.

Policial: Faz sentido. [risadas de fundo] Entretanto, está beneficiando a população.

Quase Nada: Ora, você acha que isso está beneficiando a população?

Bandido Qualquer: Está beneficiando o prefeito, isso sim.

Quase Nada: Extamente. Por que ele não aumente a seguração, por exemplo? Beneficiaria a população, e digo isso com toda certeza, como reconhecimento do meu trabalho. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: E eu aposto que o seu salário deve ser muito baixo por causa deste prefeito.

Policial: E é mesmo.

Bandido Qualquer: Está vendo.

Policial: Mas só o que eu ganho para ouvir ladrões reclamando já vale como um salário grande. [risadas de fundo]

O policial se afasta dando uma risada

Bandido Qualquer: Eu vou falar umas palvras bem feias para ele e vai começar agora...

Quase Nada: É melhor deixar a Tv no mudo.

Quase Nada pega um controle remoto do nada e deixa o aúdio no mudo

[risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Por que fez isso?

Quase Nada: Estamos em um horário que não se deve dizer estas coisas. [risadas de fundo]

Bandido Qualquer: Está certo.

Fim do segundo bloco – BGM de fundo

3º bloco

Chapolin e todos estão perto do prefeito Faz Nada – BGM de fundo

Prefeito Faz Nada: Votem em Prefeito Faz Nada! Votem 25! Votem em Prefeito Faz Nada! Votem 25!

Todas pessoas começam a vaiar. Ele responde ironicamente

Prefeito Faz Nada: A desvalorização de vocês contribui para o meu sucesso. [risadas de fundo]

Maria: Me dá vervoso o jeito que ele trata todos nós!

Rubén: Meu amor, pode ser que ele mude...

A mãe de Maria fica irritada e bate nele com a bengala

Rubén: Ai!

[risadas de fundo]

Sogra: Este também me dá nervoso de tanta besteira que sai da boca dele! Parece até um esgoto! [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: “Palma”, “palma”, não “priemos” “cânico”! Vou resolver isso agora mesmo!

Maria: Isso, Chapolin!

Prefeito Faz Nada: Se toda esta gente soubesse que eu não estou nem ligando para estas vaias... Mas como não estão sabendo, deixem vaiarem até ficarem cansado. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Então você é o destruidor desta cidade?

Ele responde com toda tranquilidade

Prefeito Faz Nada: Sim...

Maria: E ele admite ainda?

[risadas de fundo]

Prefeito Faz Nada: Digo, digo...

Chapolin Colorado: Pois vai se despedindo de seu cargo de prefeito.

Prefeito Faz Nada: E por que?!

Chapolin Colorado: Porque eu estou aqui!

Prefeito Daz Nada: Ah! É o pior herói do mundo! [risadas de fundo] Se é que se pode chamar de herói. [risadas de fundo] Eu li isso em um jornal. [risadas de fundo]

Chapolin olha com cara de bravo para Rubén

Rubén: O que foi?

Chapolin Colorado: Seu... Esqueça. O meu negócio é com você, prefeito, que não faz nada!

Prefeito Faz Nada: Como eu não faço nada? E esta lei que eu aprovei?

Chapolin Colorado: Mas não beneficia a população. Você tinha que melhorar a edução, a saúde, entre outras coisas.

Prefeiro Faz Nada: Eu também sou a população, portanto, ela foi beneficiada. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Você não tem jeito mesmo.

Na delegacia, o policial percebe que está acontecendo alguma coisa com o prefeito e vai lá ver

Policial: Eu vou ver o que está acontecendo com o prefeito.

Bandido Qualquer: Vai e desaparece! [risadas de fundo]

Quase Nada: Seu gordo! [risadas de fundo]

O policial chega para ter esclarecimentos sobre o que está acontecendo

Policial: O que se passa aqui? Você está bem prefeito?

Prefeito Faz Nada: Estou, é esta coisa aqui que está me pertubando. [risadas de fundo]

Chapolin fica bravo com ele

Chapolin Colorado: Eu só não te bato, pois tenho consciência sobre o que pode acontecer.

Maria: Não, Chapolin! Bate nele!

Sogra: É isso mesmo, Chapolin! Vai com tudo, camarada. [risadas de fundo]

Rubén: Eu não sei o que dizer, pois a qualquer momento eu posso receber uma pancada. [risadas de fundo]

Sogra: Ainda bem que está ciente sobre o que esta bengalinha pode fazer. [risadas de fundo]

Maria: Chapolin, este policial é outro puxa-saco!

Chapolin Colorado: Puxa-saco? Esta aí puxa até um caminhão com esta barrigona. [risadas de fundo]

Prefeito Faz Nada: Olha, é melhor sair, pois está atrapalhando a minha campanha.

Chapolin Colorado: Campanha? Você acha que o povo vai votar em você?

Prefeito Faz Nada: Claro que não! Mas você sabe, Chapolin, a roubalheira rola solta. [risadas de fundo]

O prefeito começa a rir e Chapolin decide dá uma pancada nele com a marreta biônica

[risadas de fundo]

Policial: Você não pode fazer isso!

Chapolin Colorado: Mas ele só faz coisa errada! Por acaso você trabalha frequentemente?

Prefeito Faz Nada: Não, só no dia 1º de Janeiro, 7 de Setembro, 15 de Novembro... [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Todos estes dias são feriados!

Prefeito Faz Nada: Reclama com quem fez o calendário. [risadas de fundo]

Maria: Vamos, Chapolin! Mostre para ele o que esta cidade enfrenta!

Chapolin Colorado: Exatamente! A qualquer momento pode acontecer um acidente de trânsito, problema que esta cidade enfrenta.

Neste momento acontece uma batida entre duas ambulâncias. O prefeiro fica sem jeito

Prefeito Faz Nada: Que coisa, não? [risadas de fundo]

Rubén: Alguém tem que ajudar as pessoas da batida.

Chapolin Colorado: Isso mesmo, ou será que as ambulâncias desta cidade não funcionam? Outra coisa que pode acontecer é uma pessoa sofrer porblemas por causa da poluição, problema que a cidade enfrenta.

Neste momento, um homem começa a ter problemas com a poluição

Homem da rua: Ai, meu Deus! Não estou nem conseguinfo respirar!

Prefeito Faz Nada: Você é mesmo um bocudo, Chapolin! [risadas de fundo]

Maria: Está vendo, prefeito. O que você tem a dizer sobre isso/

Prefeito Faz Nada: Bom... é que...

Chapolin Colorado: Será que não tem nenhuma ambulância para ajudar aquele homem?

Policial: Sabe o que que é, Chapolin, as únicas ambulâncias desta cidade, são justamente aquelas que bateram uma contra a outra. [risadas de fundo]

Chapolin Colorado: Estão vendo, povo. O que vocês acham de eu colocar este prefeito na cadeia?

Maria: É isso aí, Chapolin!

Todos as pessoas gritam de alegria

Prefeito Faz Nada: E você, Senhor Policial? Não vai fazer nada?

Policial: Vou. O senhor vai para cadeia. [risadas de fundo]

Prefeito Faz Nada: O que!?

Policial: Mudei para o lado certo.

[risadas de fundo]

[Transição de cenas]

O prefeiro aparece na mesma cela do Quase Nada e do Bandido Qualquer

Quase Nada: Veja quem está aqui, Bandido Qualquer?

Bandido Qualquer: Sim, eu já vi, Quase Nada.

Prefeito Faz Nada: Não é melhor a gente conversar, hein?

Quase Nada: Mais 60 anos de cadeia, prefeito?

[risadas de fundo]

Claques de pancada

Policial: Nossa!

[Transição de cenas]

Maria: Fantástico, Chapolin! Você enfrentou ele e agora esperamos que o vice-prefeito seja decente em seu novo cargo. Todos estão contentes, graças ao Chapolin Colorado!

Chapolin Colorado: Não contavam com a minha astúcia!

Rubén: Vou publicar no meu jornal, o confronto do Chapolin com o ex-prefeito.

Chapolin Colorado: Pelo menos você mudou.

Rubén: Claro!

Sogra: Sim, agora vamos entrar em casa e descansar um pouco.

Rubén: Querida, você não disse que sua mãe ia ficar com nós até eu mudar de ideia sobre o meu jornal?

Maria: Se você mudou de ideia, eu também posso mudar, não? [risadas de fundo]

Rubén: Chapolin, me ajuda! Vou morar com a minha sogra!

A mãe de Maria fica brava e dá uma pancada nele com a bengala

Rubén: Ai!

[risadas de fundo]

Sogra: Vamos entrando logo!

Chapolin Colorado: Paciência... Sigam-me os bons!

FIM

husahsuuahsuhusauhau

Muito bom Guilherme, nota 10, parabéns. :aplausos:

Teve dois erros aqui:

"Rubén: Meu amor, quantos segundo a sua mãe vai ficar com a gente? [risadas de fundo]"

Faltou acrescentar o "s", no final de "segundo" :joinha:

E:

"Maria: Me dá vervoso o jeito que ele trata todos nós!"

Não seria "nervoso"?

:joinha:

Até a próxima. :joia:

Link to post
Chaves 1000

Que bom que você gostou, Aquiles! :joia:

Vou corrigir estes erros.

EDIT: Não dá para corrigir, pois não tem a opção de "editar". Eu poderia excluir o post e fazer outro, mas pelo menos deu para entender.

Edited by Chaves 1000
Link to post
JoãoNeto RGB

Ola Galera do FUCH, estou Estreando aqui nesse Topico, com Meu Primeiro Fanficks.

Vamos ver se Gostaram.

Ano: 1973

Personagens: Seu Madruga, Chaves, Dona Flrinda, Kiko e Chiquinha.

Escrito por: João Neto

O Revolvinho Do Chaves

Seu Madruga está colhendo os Pezinhos da planta, enquanto Chaves vai passando:

Seu M.- Chavinho, quer ganhar uma Moeda ?

Chav.- Zás Zás, e eu Ganhava e Comprava, zás e zás, o que devo fazer ??

Seu M.- Apenas regar os Pezinhos.

Chav.- Claro, senhor.

Chaves rega os pés do Seu Madruga, ele Fica bravo.

Enquanto isso Kiko passa Cantarolando.

Chav.- Kiko, Kiko, olha Seu Madruga está dando uma Moeda pra quem Regar os Pezinhos e eu Consegui!

Kiko- Ahhhhhh, eu Tambem Consigo.

Kiko pega o Regador e molha os Pés do Seu7 Madruga, ele Estande a mão, pedindo a Moeda, e Seu madruga lhe dá um Beliscão.

Kiko- MAMÃÃÃEE

Dona F.- Mais, o que é que t´s acontecendo ??

Kiko- Me deu um Beliscão.

Dona Fl. - Tinha que Ser.

Ela dá-lhe uma Bofetada.

Dona F.- Vamos Tesouro e Não se mesture com essa gentalha.

Kiko- Gentalha, Gentalha PRULL

Dona Florinda e Kiko entram em Casa, e Seu Madruga entra também.

Enquanto isso Chiquinha sai de casa com algumas Bombinhas, Chaves vai entrando na Vila com um Revolvinho, Chiquinha esconde as Bombas.

Chav.- Olha, Chiquinha que eu Comprei e não te Dooou.

Chiquinha vira a cara, segundos depois ela olha pra Camera, pega uma Bombinha e joga no Chão, BOOOOOOOOOOM, Kiko que estava Saindo de casa, pensou que levou um Tiro de Chaves.

Dona Florinda e Seu Madruga sairam de casa, Assustados.

Seu M. e Dona F.- O Que aconteceu ???????

Os dois Vão até Kiko, sacodem, Balançam, Gritam, mais nada.

Seu Madruga vai até Chaves, e pergunta:

Seu M.- Chaves, o que aconteceu ?

Chav.- Atirei.

Seu M.- Que Atir... (ele olha pro Revolvér de Chaves) CHAVES, CHAAAVES, CHAVIINHO.

Chav.- Foi sem querer Querendo.

Seu M.- Foi sem querer Querendo (imitando Chaves) me dá isso aqui !

Kiko pôe a Mão na Cabeça, e vai se Levantando aos Poucos.

Dona F.- Tesouro o que Houv ???

Kiko- Me Acertou.

Dona F.- Tinha que Ser, tinha que ser.

PAVEET, ela dá um Tapa em Seu Madruga.

Dona F.- Vamos Kiko e não se misture com essa Gentalha.

Kiko - Gentalha, Gentalha PRUULL

Quando seu Madruga levou a Bofetada, o Revolvinho cai de sua Mão sem ele Perceber.

dONA F.- e da P´roxima Vez, vá acertar o Nariz da sua Vó.

Chav.- Seu Madruga, você já conseguiu acertar sua Vozinha ?

Seu M.- TOMA

Chav.- pi, pi ,pi, pi, pi, pi, pi ...

Enquanto toda essa Confusão, Chiquinha estava morrendo de rir na Escada.

Chav.- Do que Você está rindo ??

Chiq.- HAHAHAHAHA, o Kiko não levou tiro Nenhum.

Chav.- Como assim ?

Chiq.- HAHA, era minha Bombinhas, enuanto voce estava brincando com seu Revolvinho, eu joguei uma No Chão, e todos pensaram que Kiko levou um Tiro. HAHAHAHA

Chav.- Aham, então era Você a culpada de tudo.

Chiq.- Não chavinho, Não ... PAPAI !!

Chaves sai correndo atrás de Cgiquinha.

Enquanto Isso, a Camera volta Pro Centro do Patio e Amostra KIko segurando o Revolvér, fazendo sua Cara de Mal.

FIM

Edited by JoãoNeto RGB
Link to post
Gabriel Maciel

O Papagaio do Quico

---------------------------------------------

Ano: 1975

Personagens: Chaves (Roberto Gómez Bolaños); Seu Madruga (Ramón Valdez); Quico (Carlos Villagrán); Rúben Aguirre (Professor Girafales); Chiquinha (Maria Antonieta de las Nieves); Dona Florinda (Florinda Meza).

Redação: Gabriel Henrique

Dublagem: Maga, lote de 84.

----------------------------------------------

[Quico abre a porta de sua casa com uma cara triste, acompanhado de uma BGM suave]

- Chaves: Oi Quico!

- Quico: Oi Chaves... –diz desanimado.

-Chaves: O que foi, Quico ?

-Quico: Nada Chaves, é que agora eu não tenho mais ninguém pra brincar.

-Chaves: Ora, então brinque comigo !

-Quico: Não, eu preciso de um amigo mais agradecido !

-Chaves: Vê lá hein ? ! Vê lá ! Se você quer saber, eu sou um amigo muito agradecido.

-Quico: Agradecido nada... –e começa a discussão.

[Chiquinha que começa a espiar os meninos da janela, começa a rir]

-Chiquinha: Mais como vocês são tontos viu, ficam discutindo por uma coisinha à toa.

- Chaves e Quico: Quem é tonto? – dizem juntos indo até á janela do Seu Madruga.

-Chiquinha: Vocês dois !

-Chaves: Como assim Chiquinha... – e começam a discutir novamente.

[Chega o Seu Madruga pela porta]

-Seu Madruga: Crianças silêncio, por favor silêncio. Silêncio! - diz com um tom irritado

-Chaves: ...só porque você se parece com o tonto do seu pai.

-Seu Madruga: O que disse ?

-Chaves: Não nada, é que eu, eu... Estava falando do pai do Quico, é isso.

-Seu Madruga: Ah, claro pra puxar uma coisa bochechuda dessas não deve ser um pai tão maravilhoso quanto o Pelé, o Maradona...

-Quico: Mamãe !

-Dona Florinda: Quico, o que foi ? - chega correndo ao pátio.

-Quico: Mamãe, estou me chamando de tonto e feio !

- Dona Florinda: E o senhor se acha muito bonito, não ?

-Seu Madruga: Bem, a gente faz o que pode...

-Dona Florinda: Agora você vai ver... - chega o Professor Girafales ao pátio com uma jaulinha aberta e um buquê de flores.

[Dona Florinda e Professor Girafales entram em transe]

-Dona Florinda: Professor Girafales !

-Professor Girafales: Dona Florinda !

-Dona Florinda: Que milagre o senhor por aqui !

-Professor Girafales: Vim lhe trazer este humilde presentinho.

-Dona Florinda: Não gostaria de tomar uma xícara de café ?

-Professor Girafales: Não seria muito incômodo ?

-Dona Florinda: Claro que não, queria entrar.

-Professor Girafales: Primeiro a senhora.

-Dona Florinda: Ah, obrigada !

[e os dois saem de cena]

-Seu Madruga: E eu ainda fiquei sem os tapas ! –diz alegre.

-Quico: E eu sem o meu gentalha-gentalha. – diz desanimado.

[seu Madruga sai de cena em direção á rua]

-Chiquinha: Gente, será que eu fui a única que percebeu que o Professor Girafales estava com uma jaulinha aberta ?

-Quico: Sim Chiquinha, eu percebi, mas pra quê será que ele trouxe essa jaulinha ?

-Chaves: Bom, talvez ele tenha trazido para roubar algumas coisas da Dona Florinda.

-Chiquinha: Ah, mais tem uma coisa da Dona Florinda que ninguém pode roubar.

-Quico: O quê ninguém pode roubar da minha mamãe ?

-Chiquinha: Ora, o cérebro.

-Quico: E por quê ?

-Chiquinha: Se ao menos ela tivesse um.

-Quico: Ouviu esta, Chaves, se ao menos ela tivesse um e... O quê ?

-Chiquinha: Nada Quiquinho lindo, eu disse isso porque a sua mamãe não precisa de cérebro para fazer trabalhos muito importantes, como estender o varal da vila, lavar a louça e limpar o chão da casa... – diz ironicamente.

-Quico: O que será que ela quis dizer ?

-Chaves: Ao invés de discutir, porquê a gente não vai saber o que tinha nessa jaulinha do Professor, hein ?

-Quico: Isso! Como detetives policiais !

-Chiquinha: Que nada, você está mais pra cão farejador, Quico.

-Quico: Mais o pior não é isso.

-Chiquinha: Então o quê ?

-Quico: É que eu não entendi.

-Chaves: Então vamos tentar descobrir aonde está o que provavelmente caiu da jaulinha do mestre.

-Chiquinha: É, mais parece que aqui no pátio não caiu nada, vamos lá na rua então.

[os três se deparam com um pequeno papagaio verde-amarelo surpresos, encerrando o primeiro bloco com uma BGM alegre]

2° Bloco

-Chiquinha: Olha que fofura, como um animal desse pode estar jogado assim.

-Quico: Está falando de mim ?

-Chiquinha: Não, do papagaio. E também nem é tão bonito.

-Quico: Fala do papagaio ?

-Chiquinha: Não, de você. Mas também, não tem culpa de estar assim.

-Quico: Agora você fala de mim, não é ?

-Chiquinha: Claro que não, do papagaio...

-Chaves: Ai calem-se, calem-se, calem-se, que vocês me deixam louco ! - diz interrompendo a Chiquinha usando um tom imperativo.

-Chiquinha e Quico: Ora, mas não se irrite.

-Chaves: Ninguém tem paciência comigo...

-Chiquinha: Galera, e agora o quê fazemos com este miserável animal ?

-Quico: Já sei, vamos contar piadas para ele.

-Chaves: Melhor não Quico, lembra semana retrasada, quando você ganhou seu gato, veio a bicicleta e passou por cima, e o gato fugiu só porquê você contou uma piada pra ele, e olha que esse sabe voar hein...

-Chiquinha: Foi mesmo, tanto que o mestre até teve que organizar o tal julgamento, lá e tudo.

-Quico: Mais eu fiquei curioso, em saber quem foi que estava paradão vendo a moça bonita.

-Chaves: Ora foi o...

-Professor Girafales: Chaves ! Chaves! – diz interrompendo o garoto.

-Chaves: Da onde veio essa voz ?

-Chiquinha: Acho que é do primeiro pátio.

[Chaves se desloca rapidamente para o primeiro pátio]

-Professor Girafales: Chaves, você viu algum animal andando por aí ?

-Chaves: Bom, se eu te responder você tira o meu recreio na escola o ano todo.

-Professor Girafales: Estou falando sério, você viu algum animal aqui na vila ?

-Chaves: Espera um pouquinho.

[Chaves sai do primeiro pátio, e volta á rua correndo]

-Chaves: Pessoal ! Pessoal !

-Chiquinha: O que foi, fala logo.

-Chaves: O professor está perguntando do animal.

-Chiquinha: Quico o mestre tá te chamando, vai logo.

-Quico: Ora o que é isso ?

-Chaves: E então, falamos ou não que achamos um papagaio ?

-Chiquinha: Bem, melhor não pois se caso ele pode querer fazer algo de ruim ao papagaio, como bater nele.

-Chaves: Ou cortar seu rabo.

-Chiquinha: E se ele quiser chicoteá-lo ?

-Chaves: Ou quem sabe até matá-lo.

-Chiquinha: E também tirar suas tripas.

-Chaves: E se ele quiser levá-la a panela, nossa... Mas também ele...

-Quico: Ai, calem-se, calem-se, calem-se, que assim vocês me assustam. - diz interrompendo

-Chiquinha: Bom Chaves, por precaução, diga que não achou nada, ok ?

-Chaves: Tá, eu vou, eu vou ! – diz em direção ao pátio.

-Professor Girafales: Então Chaves, achou o animal ?

-Chaves: Que animal ?

-Professor Girafales: Ora o que escapou dessa jaulinha, se eu não me engano, ele era uma espécie brasileira e...

-Chaves: Brasileira ? E os papagaios sabem falar português ?

-Professor Girafales: Ora, ora, e como você sabia que era um papagaio que estava nessa jaulinha aqui ?

-Chaves: Bom... Bom...

-Professor Girafales: Bem, Chaves, eu só vou perguntar uma vez, você viu o animal ?

-Chaves: O Quico ou o Seu Madruga ?

[chega o Seu Madruga na vila]

-Seu Madruga: O que que foi, que que foi, que que há ?

-Professor Girafales: Seu Madruga, Seu Madruga, por favor, o senhor viu um papagaio solto por aí ?

-Seu Madruga: Bom, há tantos locutores de rádio e comentaristas de futebol que a gente nem sabe...

-Professor Girafales: Não, não, não, eu estou falando sério, você viu ? – diz interrompendo.

-Seu Madruga: Não, não, aliás Professor, que milagre.

-Professor Girafales: O que disse ? – diz imperativamente.

[Chaves aproveita o meio-tempo e vai pra rua]

-Chiquinha: E aí você não foi cagueta não hein ?

-Chaves: Claro que não ! Acho melhor a gente voltar pro primeiro pátio viu.

-Chiquinha: Ah, que bobagem...

-Chaves: Mas acho que o Professor vai falar sobre suas notas para o seu pai.

-Chiquinha: E já vou indo ! – e vai correndo em direção ao pátio.

-Seu Madruga: Olha quem está aqui, Chiquinha, o Mestre Lingüiça.

-Professor Girafales: Tá, tá, tá tá, tá ! É esse exemplo que você dá a sua filha ?

-Chiquinha: Não esta eu aprendi na escola.

-Professor Girafales: O que ?

-Chiquinha: Bom, mas você veio visitar só a Dona Florinda, não ?

-Seu Madruga: Não, ele veio me falar as suas notas também.

-Chiquinha: Não acredite em nada do que ele disser !

-Seu Madruga: O que foi ?

[pula de cena, e as crianças estão na escada da vila com o papagaio]

-Chaves: E agora, o que será dele ?

-Quico: De quem ?

-Chiquinha: Do papagaio, burro.

-Quico: Ah...

-Chiquinha: Então vamos pensar numa idéia.

-Quico: Eu...

-Chiquinha: Não, não, isso não – diz interrompendo.

-Chaves: Bom, a gente...

-Chiquinha: Não Chaves – diz interrompendo.

-Quico: Mas seria legal se a gente...

-Chiquinha: Até parece Quico ! – diz interrompendo.

-Chaves: Seria bom se...

-Chiquinha: Não, isso... – diz interrompendo.

-Chaves: Chega Chiquinha, você fica nos interrompendo e interrompendo, e não nos deixa falar, que droga ! – diz interrompendo.

-Chiquinha: Vai lá, fala sua idéia então, bobão !

-Chaves: Eu acho que... que... eu já me esqueci...

-Chiquinha: Veja só que tontice, a minha idéia é melhor, seria bom se a gente escondesse o papagaio no barril do Chaves, e quando a poeira baixar, a gente dá um jeito, sacou ?

-Chaves: Sim, sim ! Mas agora tem um problema.

-Chiquinha: Qual ?

-Chaves: Quando o seu pai me bater, aonde eu me escondo ?

[Chiquinha e Quico fazem uma cara de insatisfação acompanhada de uma BGM rápida, encerrando o bloco]

3° Bloco

-Chiquinha: Chaves, já colocou o papagaio dentro do barril ?

-Chaves: Sim, está aqui.

-Chiquinha: Então vamos procurar uma gaiolinha para ele, pra que não escape – percebendo que o Quico não o acompanha, ela retorna a dizer – Quico, não vai acompanhar a gente ?

-Quico: Porque eu não me misturo com esta gentalha.

-Papagaio: Gentalha ! Gentalha !

-Quico: Mas como ele é tapado !

-Chaves: E besta pra perder tempo imitando uma coisa desta.

-Chiquinha: Vamos lá Quico, nem brigue com esse papagaio, ele não tem culpa de ser tão... tão... tão Quico.

-Quico: Olha Chiquinha, é bom parar, é bom parar hein ! ?

[e os dois saem em direção á rua enquanto aparecem a Dona Florinda e o Seu Madruga para estender a roupa]

-Papagaio: Velha coroca !

-Dona Florinda: O que o senhor disse ?

-Seu Madruga: Eu nada, eu nada...

-Papagaio: Velho sem vergonha !

-Seu Madruga: O quê a senhora disse ?

-Dona Florinda: Ora, eu não falei nada.

-Seu Madruga: Não falou nada... – diz baixinho resmungando.

-Papagaio: Velha feia !

-Dona Florinda: Agora você vai ver uma coisa ! – e dá um tapa em Seu Madruga.

[Quico vem correndo da rua até o pátio]

-Quico: Gent... Não mamãe agora é a sua vez ! – diz ofegante.

-Dona Florinda: Isso mesmo Quiquinho !

-Seu Madruga: É Quiquinho, isso mesmo.

-Dona Florinda: Vamos Quico, e não se junte mais com essa gentalha !

-Quico: Sim mamãe, gentalha, gentalha !

[Chiquinha e Chaves chegam da rua]

-Chiquinha: ...pra você ver como ele é estraga prazeres.

-Chaves: E burro, né ?

-Chiquinha: Tem razão, olha só pra ele, coitado.

-Seu Madruga: Ei, ei, ei, ei, ei, de quem vocês estão falando ?

-Chiquinha: Do Quico, ora essa ! E você estava pensando o que ?

-Seu Madruga: Não filhinha, eu não estava pensando em nada.

-Chiquinha: E depois reclama quando te dizem que é cabeça vazia...

-Seu Madruga: O que você disse ?

-Chiquinha: Não, eu nada papi.

-Seu Madruga: Que bom, porque se eu não me engano, a Dona Florinda me bateu por eu estar a xingando, porém olha, não tinha ninguém aqui por perto a essa hora, eu estou começando a achar que o papagaio em que o Professor Girafales está procurando está perto. Vocês o viram ?

[Chaves e Chiquinha se olham com cara de medo]

-Chaves: Cla-claro que não, não vimos nada nada. – diz nervoso

-Seu Madruga: Bom, se vocês o virem vocês me avisem, pois eu vou preparar um café.

-Chaves: Pode ir.

-Chiquinha: Ai, Chaves, e se eles descobrirem onde o papagaio está ? E se eles quiserem fazer alguma maldade com este pobre animal ?

-Quico: Me chamaram ? – diz saindo pela porta de sua casa.

-Chiquinha: Foi só citar a mula e já aparece o gado inteiro.

-Quico: Ah, sai fora, eu não caio mais nessa de me falaram que eu sou um animal.

-Chaves: Sim, mas como vai este animal ?

-Quico: Bem, e você ?

-Chiquinha: Ora, não vamos perder tempo, nós temos que fazer algo para que este animal não seja achado !

-Chaves: E que não voe !

-Quico: E que não tenha machinhos !

-Chiquinha: E desde quando os papagaios tem machinhos, Quico ?

-Quico: Desde... Ah, isso é com vocês.

-Chaves: Ai, Quico, como você é burro mesmo...

-Chiquinha: Se você quer saber o quê vai acontecer com o papagaio, não deixe de ver o próximo programa, nesta mesma hora, e neste mesmo canal.

[os créditos sobem, enquanto o Chaves tira o papagaio do barril, e as crianças começam a brincar com ele]

FIM

--------------------------

Gostaram ? Esta é a minha primeira Fanfic, me desculpe se ficou ruim, esta é a primeira parte. Me baseei, nos relatos de pessoas que viram o episódio. Se caso esta ter aprovação do público, eu completo com outra parte. :joinha:

Link to post
Gabriel Maciel

Vi que vocês odiaram minha Fanfic mesmo. hahaha :rindo: Quem diz que viu o episódio talvez se lembre de como era o episódio... :assobiando::P

Link to post
Gabriel Maciel

Ola Galera do FUCH, estou Estreando aqui nesse Topico, com Meu Primeiro Fanficks.

Vamos ver se Gostaram.

Ano: 1973

Personagens: Seu Madruga, Chaves, Dona Flrinda, Kiko e Chiquinha.

Escrito por: João Neto

O Revolvinho Do Chaves

João, sua Fanfic não está tão ruim assim, o problema é que você não conseguiu achar um final pra história, a tornando curta até demais e sem uma finalidade, se você continuasse a história, o roteiro ia fluir melhor. Outra coisa, teve vários erros de ortografia e digitação bem feinhos aí, cuidado hein. E organize melhor as falas e parágrafos. Nota: 6,0

Edited by Chaves SBT
Link to post
Gabriel Maciel

Eu queria ter inspiração para poder continuar a minha fanfic de Chapolin.De vez em quando tenho ideias mas elas sempre sugerem reescrever a história e nunca tenho um meio e um fim já concreto na minha cabeça,somente o inicio mais ou menos.Eu quando escrevo uma Fanfic gosto de pensar um pouco na história principalmente no final antes de escreve-la.

Mas ainda irei conseguir escrever uma história boa do vermelinho!Quem sabe quando ele voltar eu consiga.

Tente fazer uma saga, ache um bom motivo pra história se prolongar um pouco, e que tenha outra parte de conclusão, normal isso. :joinha:

Link to post
Usagi White

Tente fazer uma saga, ache um bom motivo pra história se prolongar um pouco, e que tenha outra parte de conclusão, normal isso. :joinha:

Meu caso por enquanto é inspiração.Eu tó muito envolvida em outras fanfics.Vou ver uns videos de Chapolin para ver se me inspiro.

Alias bom motivo para a história prolongar é o q eu tó pensando para uma fanfic q ando fazendo e não é de CH.

Edited by Pópis-Iara
Link to post
Gabriel Maciel

Ficou boa minha fanfic ?

Link to post
JoãoNeto RGB

O Papagaio do Quico

---------------------------------------------

Ano: 1975

Personagens: Chaves (Roberto Gómez Bolaños); Seu Madruga (Ramón Valdez); Quico (Carlos Villagrán); Rúben Aguirre (Professor Girafales); Chiquinha (Maria Antonieta de las Nieves); Dona Florinda (Florinda Meza).

Redação: Gabriel Henrique

Dublagem: Maga, lote de 84.

----------------------------------------------

Ficou ótimo Gabriel, gostei Bastante, espero a segunda parte !

Edited by JoãoNeto RGB
Link to post
Usagi White

Ficou boa minha fanfic ?

Ainda não li.

Link to post
Gabriel Maciel

Gente, por favor, não façam Quotes de Fanfics inteiras, prejudica o andamento da página. :joinha:

Link to post

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...