Jump to content

QUADRINHOS & GIBIS


Victor235

Recommended Posts

  • Replies 7.9k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

  • Victor235

    3292

  • Ramyen Matusquela

    1228

  • E.R

    815

  • Usagi White

    803

Chapolin Gremista
NOTÍCIAS

 

COLUNA

Os quadrinhos de Dáblio C.

Na HQ “Suelen”, travestis combatem a moral burguesa

WC-1218x1536-1-812x1024.jpg

Frequentando feiras de histórias em quadrinhos, muitas vezes encontrei livros raros e interessantes; semelhantemente, nas feiras de livros, sempre há HQs perdidas entre a literatura. Não me refiro a HQs didáticas – quadrinhos para ensinar Física, Marxismo ou Psicanálise –, mas de HQs autorais, tais quais “Ignóbil”, 2014, do Dáblio C.

A mocinha quem me vendeu a “Ignóbil” me disse lembrar do Robert Crumb ao ler Dáblio C. e ela tinha razão; boa parte do quadrinho alternativo lembra do R. Crumb por, pelo menos, dois motivos: (1) porque Crumb, em 1968, praticamente definiu o underground no universo dos quadrinhos; (2) porque Crumb tematiza com ênfase a resistência ao sistema social dominante, baseado no capitalismo e na moral cristã, seja ela católica ou protestante. A “Ignóbil”, porém, diferencia-se de Crumb quando Dáblio C. faz quadrinhos brasileiros; trata-se de combater os mesmos valores denunciados por Crumb, todavia, em suas versões brasileiras, com personagens das periferias do Brasil e não dos moradores dos bairros desafortunados de Nova Iorque ou São Francisco.

Vou comentar apenas uma das muitas histórias de “Ignóbil”, isto é, “Suelen”, a primeira HQ do volume de 104 páginas. Na trama, um mocinho de classe média baixa, cujo comportamento oscila entre o submundo e os valores burgueses, entra em crise com a namorada Juliana – um relacionamento baseado em valores estereotipados, portanto, bastante discutíveis – e termina se envolvendo com Suelen, o travesti, seu vizinho.

Ainda com bocados de cocaína e uma garrafa de vodca, ambos terminam a noite no apartamento dele bebendo, cheirando e, quando surgem os afetos, terminam fazendo sexo. No dia seguinte, Suelen precisa sair correndo e perde o sapato de salto, feito se fosse a cinderela da boca do lixo; durante a noite, o rapaz reencontra Suelen para devolver o sapato e a amizade se renova por meio da cocaína, da vodca e do sexo.

No texto da HQ, quando o mocinho fala de travestis, longe do preconceito, ele os define sendo subversores da natureza; eis a frase: “eles sempre me pareceram uma categoria extra de ser humano. Não são mulheres, mas também não são homens. Quer dizer, nasceram caras, mas se reinventaram por conta própria, modificando seus corpos, criando nomes e identidades, subvertendo a natureza”. Nessa subversão, Suelen mostra os modos pelos quais o rapaz poderia subverter as próprias condições, indo além das fronteiras estreitas do moralismo e do lugar comum, expressos tanto pelos discursos burgueses de Juliana, quanto pelos discursos dos marginais, habitantes dos bares, em que se passa a história.

Em seguida, reproduzimos uma das páginas de Suelen, justamente aquela quando o casal entra no apartamento dele pela primeira vez; aos interessados, boa leitura!

WC-1-665x1024.jpg

https://causaoperaria.org.br/2023/os-quadrinhos-de-dablio-c-2/

 

 

 

Link to comment

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
×
×
  • Create New...